16.9 C
Vitória
sábado, 31 julho, 2021

Poupança, sinônimo de perda

Perda da poupança: a nova alta da Selic, definida a 4,25% ao ano, impacta, dentre outras operações, a aplicação em poupança, que passará para 2,98% ao ano para uma inflação oficial que já desponta, estimativamente, na casa de 5% ao ano

Por Samantha Dias 

O conselheiro do Corecon-ES Vaner Corrêa acredita que, enquanto a rentabilidade da poupança estiver vinculada à taxa Selic, que via de regra é instrumento de controle da inflação, ela deixará de ser uma possibilidade de proteção dos ativos para os menos favorecidos. “A poupança passou a ser o patinho feio dos ativos financeiros. A rentabilidade anual passou a ficar mais baixa do que a inflação anual”.

Corrêa explica que o ganho real da poupança, até 2012, era de 6% ao ano, mais ganho nominal definido pela Taxa Referencial (TR). Ou seja, era um investimento atrativo. Porém, naquele ano, o governo federal definiu que quando a Selic ficasse abaixo de 8,5% ao ano, a rentabilidade da poupança será de 70% da Selic.

“Desde 2012 a Selic vem caindo. Em 2016/2017 aumentou um pouco e, no ano passado, atingiu seu patamar mínimo histórico de 2% ao ano. Imagine rendimento de 70% de 2%, significa 1,4% ao ano, por isso a poupança deixou de ser bom negócio. Além disso, a TR não tem ganho nenhum desde 2017”, disse o economista.

Pelos motivos de perda da poupança, ela  passou a ser o ‘patinho feio’ dos investimentos.  Corrêa disse que o Banco Central sinalizou que a taxa Selic pode voltar a subir. Ele acredita que até outubro pode chegar a 6,5% ao ano.  “O ideal é que a Selic avance acima de 8,5%. A poupança vai continuar sendo o patinho feio ainda, mas pode ficar mais bonitinho”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade