22.7 C
Vitória
sábado, 2 julho, 2022

Planos de saúde vão à Justiça para barrar redução em mensalidades

Crédito da imagem: Agência Brasil

As operadoras de planos de saúde recorreram à Justiça para barrar a redução das mensalidades. ANS decidiu pelo reajuste negativo de 8,19%

Por Samantha Dias 

Em julho, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estipulou pela primeira vez na história reajuste negativo dos planos de saúde individuais. Com a decisão, a agência prevê uma queda de 8,19% nos contratos para 8,1 milhões de beneficiários.

O reajuste negativo vale para o período de maio de 2021 a abril de 2022. Para os contratos com aniversário em maio, junho, ou julho será permitida aplicação retroativa do reajuste.

O índice foi negativo em razão da queda das despesas assistenciais no ano de 2020 provocada pela Covid-19. Com as medidas de isolamento social adotadas pela população, houve uma queda na procura por atendimentos que não eram urgentes.

A  Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) entrou com uma ação na Justiça Federal contra o percentual de reajuste: para ela, deveria ser negativo, mas de -6,91%.

O advogado do consumidor Luis Costa explica que a possível decisão judicial vale apenas para os usuários dos planos de saúde que estiverem associados a Abramge. Para ele, há grandes chances de que quase todas estejam.

“Independente da decisão judicial, a atualização negativa irá ocorrer. O que se discute é o percentual dessa atualização, saindo de 8,19% para 6,91% de modo geral. Para que os consumidores possam ir à justiça questionar o tamanho do desconto, este processo precisará ser julgado antes, pois a decisão deste processo interferirá diretamente nos pedidos que os consumidores poderão fazer”, detalha Costa.

A decisão – pelo provimento ou não do recurso -, continua o especialista, “estará coberta de reversibilidade, onde os descontos podem ser dados nas próximas mensalidades”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade