30.3 C
Vitória
quinta-feira, 21 janeiro, 2021

Perspectivas para 2021

Mais Artigos

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

Quando um pouco de solidariedade faz muita diferença

Num país com tantas desigualdades sociais, contribuir para a manutenção e a sobrevivência de projetos e ações que, no dia a dia, auxiliam pessoas com maior vulnerabilidade tornou-se indispensável

A pandemia e a necessidade de socorrer milhares de brasileiros fez a montanha ficar mais alta

Por Antônio Marcus Carvalho Machado

A Mitologia Grega tem significados inexoráveis, como a punição de Sísifo. Ao desafiar os deuses, recebeu a dura punição de exercer um trabalho interminável e foi seu grande tormento: ter que rolar uma pedra até o topo de uma montanha e, frustrado, vê-la cair ao sopé. Não é fácil desafiar os Deuses.

Já em Os Trabalhadores do Mar, Victor Hugo nos presenteou com a obsessão de Gilliat em resgatar uma embarcação e seu motor à vapor encalhada entre rochedos. Tinha em mente a promessa de casar-se com Déruchette, sobrinha do proprietário do barco e que assim prometera a quem o recuperasse. Dia após dia, lutava bravamente contra o mar e contra o rochedo. Em busca de seu ideal lutou contra todas adversidades, inclusive de moradores locais que o achavam louco.

Esse prólogo também tem por finalidade revelar, no meu ponto de vista, algumas perspectivas econômicas para o próximo ano. As quais têm por base o essencial Paulo Guedes, nosso Ministro de Economia. Paulo desafiou os Deuses da política conservadora ao propor e adotar uma política econômica liberal, com ênfase no supply-side economics, com mais mercado e menos governo.

Ou seja, no enfrentamento das condições de oferta. E isso perpassa questões como reforma tributária, reforma trabalhista e venda de estatais. Entretanto, o que vimos até o momento que antecedeu a pandemia foi um exaustivo esforço rolando pedra acima, como Sísifo, e frustrando-se com sua volta ao marco zero. Quando não, como no caso da Previdência, um pouco acima de seu ponto inicial.

O que o dignifica, creio, é sua determinação em colocar a pedra no topo da montanha. Caso consiga, ainda que necessitando de concertação com os atores políticos, teremos um 2021 prodigo em benesses. Para tanto são essenciais o fortalecimento da diplomacia bilateral; a manutenção do teto fiscal; o êxito nas privatizações e concessões públicas, a manutenção da SELIC baixa e o dólar cotado acima de R$ 4,5. A pandemia e a necessidade de socorrer milhares de brasileiros fez a montanha ficar mais alta.

Além disso, esse prólogo busca criar uma metáfora com Gilliat no sentido de caracterizar a possibilidade de essa melhoria econômica acontecer, mas com um viés mais desenvolvimentista, com realização de obras de grande porte canalizando recursos financeiros do orçamento público para tal finalidade, mas, nesse caso, com o protagonismo do ministro Rogério Marinho, o equilíbrio fiscal não seria uma meta em si, mas um obstáculo a ser contornado. Algo extremamente arriscado, como o mar enfrentado por Gilliat, visto que nossa dívida pública já se aproxima de 94% do PIB.

A bela jovem disposta a se casar com quem recuperasse o navio seria a aprovação popular, o ganho de popularidade do presidente da república e o casamento, a reeleição em 2022. Nesse cenário, Paulo Guedes, seria um expectador próximo, ao lado do Presidente, ou distante, ao lado dos deuses do mercado.

Qualquer que seja ele, com esse movimento o país se apresentará melhor em 2021. Tudo indica, de forma insustentável; com agravamento do déficit público; aumento do risco Brasil; e alterações no câmbio e nos índices de inflação. A tempestade perfeita logo após um mar de Almirante.

Antônio Marcus Carvalho Machado, é economista (Ufes) e mestre em Administração (UFMG)

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Série histórica mostra ocupação hoteleira durante a pandemia

Já estão disponíveis no Observatório do Turismo os dados relativos à taxa de ocupação hoteleira relativa ao ano de 2020, nos municípios de Vitória, Vila Velha e Serra

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Vida Capixaba

Queijos: segunda maior agroindústria capixaba

Queijos com adição de especiarias e ervas finas, com recheio de geleias de frutas, doce de leite e embutidos, ou até defumados, são algumas versões de queijos capixabas que demonstram a potencialidade do setor

Prêmio de fotografia ‘As belezas que Anchieta viu’

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) divulgou, nesta terça-feira (19), o resultado do prêmio de fotografia “As belezas que Anchieta viu”

Novas espécies de insetos são descobertas no Espírito Santo

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região norte do Espírito Santo