23.9 C
Vitória
domingo, 24 maio, 2020

Pandemia: drástica ameaça às cadeias produtivas

Leia Também

“Os Saltimbancos” no Diversão em Cena ArcelorMittal Online

A história gira em torno de um grupo de animais descontentes com a vida no campo se aventura pela cidade, em busca de uma carreia musical.

Como a crise pode transformar as pessoas?

Cada indivíduo tem tentado buscar inovações e novas posturas em meio a situação  de incerteza onde o aprendizado, visões e valores tem sido reconfigurados para vencer os desafios ora estabelecidos.

Robô virtual de Vila Velha oferta cursos gratuitos pelo Whatsapp

O primeiro curso divulgado é o “Empreenda Vila Velha Digital”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec).

Vila Velha 485 anos: um município cheio de riquezas e cenários paradisíacos

Nesta quinta-feira (23), é celebrado o Dia da Colonização do Solo Espírito-Santense, e também os 485 anos de Vila Velha. Confira um pouco sobre a cidade!

O Estado do Espírito Santo, que vem tendo quedas sucessivas na sua produção industrial e que teve recentemente a economia de vários municípios afetados pelas enchentes, enfrentará cisalhamento de suas cadeias produtivas

Que o episódio do coronavírus é uma variável exógena e remota, ninguém duvida mais. A grande dúvida que se apresenta para os economistas é: qual será o peso desta variável no modelo econômico global com as repercussões na economia brasileira?

Para medir esta destruição, analisamos duas gigantescas crises, respectivamente, a de 1929 e a de 2008.

A primeira foi catastrófica e se manifestou definitivamente com a quebra da bolsa de valores de Nova Iorque. Foi muito destrutiva para a sistema econômico, nos EUA teve uma taxa de desemprego até 25% e uma queda média do PIB mundial de 15%.

Na crise de 2008, um problema localizado no sistema de financiamento de imóveis americano, houve uma queda média do PIB mundial em 1%.

Com a crise de 1929, tivemos uma depressão econômica e praticamente foi uma crise que se estendeu até 1939, à beira do segundo conflito mundial.

Já na de 2008 nós chegamos a ter uma recessão mundial e só não foi pior porque as grandes economias já conheciam o remédio para debelar este tipo de situação, que foi colocar os tesouros nacionais e seus entes financeiros para dar liquidez à economia.

coronavirus

E o que se pode predizer de uma crise que tem sua origem numa doença que ainda não há remédio e nem vacina, cujo único tratamento é o isolamento social e a cláusula doméstica? Todo o mundo civilizado está paralisado e com consequências drásticas sobre as cadeias produtivas econômicas.

Portanto, as consequências econômicas são difíceis de se prever. Indubitavelmente, esta paralisação levará a uma queda do PIB mundial. Se será drástica ou não, ainda teremos o primeiro semestre do ano para verificar.

Uma coisa até o momento é certa: está se apresentando uma encruzilhada para os agentes econômicos do mundo caso não apareça uma panaceia medicamentosa que debele o vírus, a saber: todos ficarão entre a escolha inequívoca de milhares de mortes e de milhões de desempregos.

Não há autoridade médica que afirme que há um remédio milagroso ou que não haja a possibilidade de reinfecção, sendo assim, por mais que o apelo para o isolamento seja grande, em algum momento a economia deverá se flexibilizar.

No Brasil, cuja economia estava se recuperando, quando comparado com as medidas tomadas pela China e os EUA para conter o vírus, devemos alertar que não teremos tanta gordura para queimar.

Já o Estado do Espírito Santo, que vem tendo quedas sucessivas na sua produção industrial e que teve recentemente a economia de vários municípios afetados pelas enchentes, enfrentará cisalhamento de suas cadeias produtivas.

Por fim, até então, tínhamos desafios internos que se traduziam numa revisão do tamanho do estado brasileiro e externos, como o clássico problema de guerra comercial entre EUA e China, preço do petróleo, etc. Agora, nós temos uma variável que é a “peste” do Covid-19, cuja previsibilidade sobre o modelo econômico global, no longo prazo, poderá ser incalculável.

Vaner Corrêa é conselheiro do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES)

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_176
Continua após publicidade

Fique por dentro

Na pandemia, consumidores priorizam pagamento de despesas básicas, diz pesquisa

A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus tem feito consumidores brasileiros priorizarem o pagamento das despesas domésticas mais básicas.

Receita abre consulta a 1º lote da restituição do Imposto de Renda

A Receita Federal liberou na manhã desta sexta-feira, 22, a consulta ao primeiro lote da restituição do Imposto de Renda 2020.

É hora da volta do turismo?

Recepcionistas e camareiras de máscara e protetor facial. Termômetro de infravermelho no check-in. Café da manhã à la carte ou então servido no quarto. Grupos pequenos na visita a atrações.

Juros devem permanecer baixos por um tempo, segundo FMI

Tobias Adrian, sugeriu que os bancos retenham as receitas em seus balanços, evitando pagamento de dividendos, a fim de preservar as condições de capitais

Vida Capixaba

“Os Saltimbancos” no Diversão em Cena ArcelorMittal Online

A história gira em torno de um grupo de animais descontentes com a vida no campo se aventura pela cidade, em busca de uma carreia musical.

Medidas de distanciamento social podem durar até 2022, segundo pesquisa

De acordo com a pesquisa, caso não haja alguma vacina ou um tratamento aprimorado até 2022, medidas de distanciamento social prolongadas ou intercaladas deverão ser tomadas.

Nova avenida Vitória: 75% das obras estão concluídas

As obras começaram há sete meses e contempla a reabilitação e reurbanização da malha viária, além da implantação de ciclovia e trabalho de microdrenagem.

Prefeitura da Serra reduzirá salários de prefeito e secretários durante a pandemia

A intenção é que seja reduzido na folha de pagamento 30% dos salários do prefeito Audifax Barcelos e da vice-prefeita Marcia Lamas, e 10% dos salários dos secretários.
Continua após publicidade