O preço da Reforma: quase R$ 200 milhões até agora

A promessa é de economizar R$ 1 trilhão. Mas, a gestão de Temer gastou R$ 183 milhões com ela. E na era Bolsonaro já estão autorizados mais R$ 12 milhões.

O preço da reforma … Bandeira do ex-presidente Michel Temer (MDB) e do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a Reforma da Previdência só contabiliza gastos.  Um dos maiores argumentos da reforma, no Congresso desde 2016, é uma economia de R$ 1 trilhão.

Na prática, ela já custou R$ 183 milhões dos cofres públicos em campanhas publicitárias, pesquisas e sites que não existem mais. Esse valor foi contratado durante a gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB). Mas, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) autorizou o gasto de mais R$ 12 milhões em campanhas sobre o tema.

Em dezembro de 2016, Temer apresentou o seu projeto ao Congresso Nacional e deu início a uma campanha publicitária para convencer a população sobre a necessidade da reforma ser aprovada. Em 2017, foram gastos R$ 103 milhões. No ano seguinte, Temer pagou R$ 79 milhões. E não conseguiu aprovar a reforma.

O preço da Reforma

A maior parte dos R$ 183 milhões gastos em campanhas pela reforma da Previdência até agora foi utilizada no pagamento de peças publicitárias como vídeos e anúncios em TVs, rádio e na internet. Além disso, foram gastos R$ 154 mil na criação e produção de um site com informações sobre a reforma que não está mais funcionando.

O site “www.reformadaprevidencia.gov.br” tinha até simuladores nos quais os usuários poderiam calcular o tempo que faltava para se aposentarem caso a proposta feita por Temer tivesse sido aprovada. O site foi criado pela agência de publicidade TV1 e foi abastecido com conteúdo produzido pela agência Isobar Brasil, mas, desde agosto de 2018, não está mais acessível.

De acordo com a Secom, o site foi desativado em 2018, desde o período eleitoral. A legislação veda a divulgação de conteúdo governamental que possa ser entendido como campanha política durante as eleições. Entretanto, mesmo depois do fim do período eleitoral, em outubro, o site não voltou à atividade.

Um novo site com conteúdo da chamada “Nova Previdência” (proposta pelo governo Bolsonaro) foi criado, mas segundo o UOL apurou, ele tem sido abastecido com conteúdo diferente do que abasteceu o site antigo.

Era Bolsonaro

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Secom informou que o presidente Jair Bolsonaro autorizou o pagamento de mais R$ 12 milhões em campanhas sobre o assunto.

O valor é referente às campanhas veiculadas entre os dias 22 de fevereiro e 31 de
março. O governo ainda estuda uma segunda fase da campanha da chamada “Nova Previdência”, mas o valor ainda não foi estimado.

Além de divulgar peças publicitárias, o governo Bolsonaro também investe no monitoramento de redes sociais. De acordo com a secretaria, as redes estão sendo monitoradas para que o governo saiba “o que tem sido discutido sobre a proposta” e possa “mapear dúvidas da população que possam ser esclarecidas durante a campanha”.

Com informações do UOL 

Conteúdo Publicitário