22.7 C
Vitória
domingo, 19 maio, 2024

Musk chama Moraes de ‘ditador’ em nova publicação

Elon Musk compartilhou publicação de políticos brasileiros que criticavam a atuação do ministro Alexandre de Moraes

Desde sábado, o empresário sul-africano Elon Musk tem utilizado a sua rede social, o X (antigo Twitter), para tecer críticas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após a exigência da suspensão de alguns perfis na rede. Após comentários afirmando que o ministro deveria “renunciar ou sofrer um impeachment” e pedir um “debate aberto” sobre o assunto, em sua última publicação na noite da segunda-feira, 8, Musk se referiu a Moraes como “ditador do Brasil” e afirmou que o juiz do Supremo possui “Lula na coleira”

O embate começou no sábado, 6, após o STF exigir a suspensão de contas na plataforma do bilionário. Em resposta a uma publicação de Moraes, Musk sugeriu que os bloqueios de perfis de investigados por atos antidemocráticos eram “censura” e sugeriu que não mais cumpriria determinações judiciais do gênero, pois “princípios são mais importantes do que o lucro”.

- Continua após a publicidade -

No dia seguinte, o sul-africano afirmou que mostraria como as solicitações “violam a legislação brasileira”. Também no domingo, o dono do X passou a compartilhar com seus seguidores na rede social sugestões para o uso de VPNs, um método de conexão com a internet que pode burlar o bloqueio de contas restritas por ordem da Justiça.

Durante a segunda-feira, Elon Musk compartilhou publicação de políticos brasileiros como o deputado federal Marcel Van Hattem (Novo-RS) que criticavam Moraes.

Mais cedo na segunda, o presidente do STF, Luís Roberto Barroso, divulgou uma nota institucional com críticas ao que chama de “instrumentalização criminosa das redes sociais”.

Segundo ele, toda e qualquer empresa que opere no Brasil está sujeita à Constituição Federal.

“Decisões judiciais podem ser objeto de recursos, mas jamais de descumprimento deliberado”, disse o presidente do Supremo. “Essa é uma regra mundial do Estado de Direito e que faremos prevalecer no Brasil”, ressaltou Barroso.

Além da declaração pública do presidente da Corte, Musk já é formalmente alvo de investigação do Supremo. O empresário foi incluído no inquérito das milícias digitais, que é relatado por Moraes.

Segundo o relator, o proprietário do X “iniciou uma campanha de desinformação sobre a atuação” do STF e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “instigando a desobediência e obstrução à Justiça, inclusive, em relação a organizações criminosas ordens emanadas da Justiça brasileira relacionadas ao bloqueio de perfis criminosos e que espalham notícias fraudulentas, em investigação nesta Suprema Corte”. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA