18.8 C
Vitória
sábado, 20 agosto, 2022

Espírito Santo recebe Nota A pelo 10º ano consecutivo

Espírito Santo recebeu nota máxima na avaliação da sua capacidade de pagamento. Foto: Divulgação (Secom-ES)

Secretaria do Tesouro Nacional considera que o ES tem boa capacidade de pagamento de empréstimos, e Espírito Santo recebe Nota A pelo 10º ano consecutivo

por Samantha Dias

O Espírito Santo conquistou, pelo 10º ano consecutivo, Nota A na Capacidade de Pagamento do Estado (Capag) na avaliação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). A Capag é uma avaliação sobre a capacidade de pagamento do estado. Nesse sentido, um ente federativo bem avaliado pelo Tesouro Nacional é considerado bom pagador e poderá acessar financiamentos/empréstimos com juros mais baixos, especialmente, por contar com a União como seu garantidor.

Desde 2012, o Governo capixaba recebe nota A, que é a nota mais alta no Boletim de Finanças dos Entes Nacionais. Neste ano, também receberam a Nota A os estados de Mato Grosso, Paraíba, Rondônia e Roraima.

O boletim avalia três indicadores: endividamento, poupança corrente e liquidez. O primeiro indicador é calculado pela relação entre a dívida consolidada e a receita corrente líquida. O segundo é definido pela relação entre a despesa corrente e a receita corrente ajustada. Já o terceiro é calculado pela relação entre as obrigações financeiras e a disponibilidade de caixa bruta. Em todos os três indicadores, o Espírito Santo recebeu a nota máxima, e o resultado sempre diz respeito ao ano anterior.

“Essa não é uma conquista do nosso governo, mas sim de todos os capixabas. A gestão fiscal responsável foi uma conquista da nossa primeira gestão lá em 2012 e desde então, em todos os anos, mantivemos a Nota A. Contudo, receber essa nota sem fazer investimentos não faz sentido. Por isso, desde que iniciamos essa nova gestão em 2019, estamos a cada dia aumentando os investimentos, mas com muita responsabilidade e equilíbrio”, afirmou o governador Renato Casagrande.

O secretário de Estado da Fazenda, Marcelo Altoé, destaca que, mesmo durante o período da pandemia da novo Coronavírus (Covid-19), o Espírito Santo não suspendeu seus investimentos e, ainda, garantiu um resultado social e econômico. “Mantivemos a arrecadação tributária em níveis adequados para que não houvesse atrasos no fluxo de pagamentos do Estado, reduzindo diversas despesas, visando manter a estabilidade financeira do Estado. Assim foi possível encerrar o exercício de 2020 com um Resultado de Caixa superavitário de R$ 588,4 milhões”, pontuou.

Marcelo Altoé lembra que o Estado promoveu incentivos à economia, ajudando na manutenção de empregos e garantindo a preservação da boa situação fiscal do Estado.

Para o secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, o resultado é fruto do acompanhamento e monitoramento intensivo de gastos com pessoal e das despesas correntes do Estado.

Com informações do Governo do Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade