28.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Dor de cabeça, fique atento aos sinais

Você não precisa viver com dor de cabeça. Procure um profissional, identifique o seu tipo de dor e ganhe em qualidade de vida

Todas as pessoas sentirão, pelo menos uma vez em algum momento da vida, a dor de cabeça, ou cefaléia. Existem, de acordo com a classificação da Sociedade Internacional de Cefaleia, quase 200 diferentes tipos de dor de cabeça, que está dividida em dois grupos: primárias e secundárias. Enquanto a cefaleia tensional e a enxaqueca são as mais freqüentes e estão no primeiro grupo, as secundárias são causadas por alguma doença que gera o sintoma.

De acordo com o clínico Geraldo Andrade, as dores de cabeça estão entre os problemas de saúde mais comuns. “Segundo dados médicos em todo o mundo, 40% das pessoas sofrem pelo menos de uma dor aguda na região por ano. As causas podem estar na ingestão de álcool e alimentos, outros problemas de saúde e principalmente em momentos de tensão, já que 90% dos casos esporádicos resultam de estresse. A dor não está no cérebro. O desconforto pode atingir qualquer parte da cabeça, desde a pele, músculos, veias, dentes e terminações nervosas. Por isso que muitas vezes não são necessários exames de imagem como (RX, tomografias ou ressonância nuclear magnética)”, falou. 

- Continua após a publicidade -

O neurologista Marcos Roberto Reis dos Santos, explica a diferença entre as dores primárias mais comuns. “Existem vários dores de cabeça, mas em 90% dos casos podemos classificar como dor tensional e enxaqueca. A dor de cabeça tensional normalmente envolve a cabeça toda, é contínua, envolve mais a parte dos músculos temporais. Já a enxaqueca é unilateral, latejante – ou seja, a pessoa sente a cabeça pulsar – e é acompanhada de náuseas, fono e fotofobia. Então o paciente, durante uma crise de enxaqueca, normalmente procura lugares calmos, sem luz ou barulho. Enquanto a tensional melhora rápido, a enxaqueca pode durar horas ou até dias”, falou.

Ao sentir uma dor de cabeça constantemente, a primeira coisa que o paciente precisa fazer é procurar um médico especializado e diagnosticar o tipo e as causas. “Em 99% dos casos, as dores de cabeça são benignas, mas existem aquelas que são causadas, por exemplo, por um tumor, um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Logo, se a pessoa sente uma dor de cabeça persistente ou diferente, deve procurar um profissional, no caso um neurologista. Apenas ele identificará o tipo de dor de cabeça e poderá iniciar o tratamento”, disse o neurologista.

As crises de enxaqueca podem ser desencadeadas em algumas pessoas por fatores como emoções, determinados alimentos, mudanças no horário de alimentação ou sono, exposição a calor excessivo, entre outras. 

A hora da entrevista

Para apontar o tipo de dor e fazer o acompanhamento, o médico realiza uma entrevista com o seu paciente. É a chamada anamnese (do grego ana, trazer de novo e mnesis, memória). “O médico irá buscar os detalhes para entender a origem, gravidade e classificação da dor de cabeça. Por isso, é de fundamental importância informar os medicamentos já tomados, o tempo que iniciou as crises, de quanto em quanto tempo vem a doença e relação das dores com algum tipo de alimentos ou período hormonal.”, destacou o dr. Geraldo Andrade. 

Para o neurologista Marcos Roberto, a anamnese é importante também para identificar se o que o paciente está sentindo é uma dor do tipo primária, ou algo mais sério. “Normalmente, o primeiro sintoma de um tumor é a dor de cabeça. O especialista, através das perguntas e do aspecto da dor, poderá pedir um exame, uma tomografia, uma ressonância, para descartar, ou não, essa possibilidade”, falou.

A dor de cabeça não tem cura, mas procurando tratamento especializado, o paciente ganha em qualidade de vida. “O tratamento se baseia na observação de quantas vezes a pessoa tem dor de cabeça em um mês. Se a dor aparece duas ou três vezes nesse período é um tratamento. No entanto, se a dor aparece mais de três vezes em um mês, o tratamento é diferenciado e prolongado. Se a pessoa não tratar, a tendência é só piorar. Fazendo o tratamento, o paciente terá uma vida relativamente normal. Com medicamentos e acompanhamento, conseguimos reduzir em 70% ou 80% da dor”, frisou dr. Marcos, que alertou apenas para o cuidado que se deve ter para não fazer uso da auto-medicação. “Tem remédios específicos para dor de cabeça, o problema é que muita gente tem dor de cabeça crônica por uso incorreto do remédio. A pessoa está habituada a pegar com o balconista da farmácia e tomar por conta própria. Isso não é bom, a dor vai piorar”, disse.

No caso dos agentes farmacológicos usados para o tratamento da enxaqueca, podem ser classificados como abortivo (por exemplo, para aliviar a fase aguda) ou profilático (por exemplo, para evitar as crises). “Várias novidades e avanços foram descobertos nos últimos anos. Mas o acompanhamento adequado (consultas regulares, seguir as orientações médicas, mudanças do hábito de vida e da má alimentação) é de fundamental importância no tratamento”, completou o Dr. Geraldo. 

Uma vida mais saudável

Para quem resolveu seguir a recomendação de não negligenciar a dor de cabeça, a sensação é mesmo de reconquistar a qualidade de vida. É o que pensa o técnico em segurança, Filipe Falcão. “As minhas dores de cabeça foram diagnosticadas por ter familiares com o mesmo. Já perdi provas e muitos dias de trabalho por ‘ajuda’ da enxaqueca. Muitas pessoas não acreditavam quando eu dizia, por não saberem o que nós passamos quando temos. Geralmente a enxaqueca está associada ao estresse no trabalho, aos intensos estudos. Eu dou muito valor a dieta diária que faço, procuro não comer alimentos gordurosos e de procedência desconhecida, em casa tento beber bastante água e comer frutas e verduras, procuro também dormir pelo menos 8 horas por dia e fazer exercícios diariamente”, disse.

O auxiliar jurídico Tiago Honorato de Castro Ramos começou a sentir os efeitos da enxaqueca por conta de fatores como excesso de peso e má alimentação, unidos ao estresse do dia a dia. Hoje ao tratar da pressão e da alimentação, teve melhora também nas dores de cabeça. “A dor constante afeta no humor e começou a me prejudicar no trabalho, e a partir dai que procurei tratamento. Primeiro, estou cuidando da minha alimentação e procurando ter uma condição de vida mais saudável. No meu caso a busca de profissional foi deixada por último por pensar se tratar ‘apenas’ de uma dor de cabeça constante. Porém, tal comportamento foi errado, pois a enxaqueca pode ser sintoma de outras enfermidades mais sérias. A ajuda profissional deve ser buscada logo de início, o que ajuda muito no tratamento”, alertou.

Dor de cabeça, fique atento aos sinais
Fonte: Dr. Geraldo Andrade

A batalha contra a dor de cabeça e a enxaqueca precisa mesclar a química dos medicamentos com uma atitude do paciente quanto a hábitos saudáveis. Dessa forma, essa temível dor é encarada como um incêndio: quanto mais cedo acontecer o combate, melhor.

“Fazendo o tratamento, o paciente terá uma vida relativamente normal. Com medicamentos e acompanhamento, conseguimos reduzir em 70% ou 80% da dor”. Marcos Roberto Reis dos Santos, neurologista.

“A anamnese é super importante. Os pacientes diagnosticados com enxaqueca têm várias ‘regrinhas’ para seguir”. Filipe Falcão, técnico em segurança.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA