23.3 C
Vitória
quarta-feira, 17 agosto, 2022

Espírito Santo sofre com áreas de solo degradado

Foto: Reprodução

O assunto é ainda mais difundido nesta segunda-feira (15), quando é celebrado o Dia Mundial de Conservação do Solo

O Espírito Santo apresenta mais de 393 mil hectares de áreas degradadas, sendo 61% ocupadas com pastagem, segundo informações do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

E a degradação dos ecossistemas agrícolas é um dos temas mais importantes tratados, principalmente por conta do Dia Mundial de Conservação do Solo, celebrado nesta segunda-feira (15).

No Brasil, a data foi oficializada por meio do decreto de lei nº 7.876, de 13 de novembro de 1989. A criação foi uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e visa o combate e conscientização sobre o que provoca a poluição do solo.

E pensando neste assunto, o Incaper iniciou no ano passado uma pesquisa que tem feito a diferença em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado. O trabalho está sendo desenvolvido pelo pesquisador do Incaper, Gustavo Soares de Souza e é realizado desde janeiro de 2017, na Fazenda Experimental Bananal do Norte (FEBN), e tem potencial de ser aplicado em toda a Bacia do Rio Itapemirim.

Na pesquisa estão sendo testados tipos de preparo de solo como aração do solo em nível e morro abaixo e o plantio direto, sem preparo do solo. Esse trabalho visa a comparar o efeito de sistemas de manejo sobre a qualidade do solo, as perdas de solo e água (erosão) e o desenvolvimento da pastagem.

“Espera-se nesta pesquisa, que a semeadura direta realizada após a correção da fertilidade do solo e o consórcio da pastagem com eucalipto e gliricídia promovam melhorias na qualidade do solo, reduzam as perdas por erosão hídrica sem redução significativa na produtividade da pastagem. Espera-se ainda que o preparo do solo em nível com tração animal minimize o processo erosivo em relação à aração morro abaixo”, explicou Gustavo.

Análise do solo

De acordo com o Incaper, antes de plantar é necessário conhecer o solo que receberá as sementes. Conhecer as características, as limitações e índice de fertilização são fundamentais, assim pode-se evitar desequilíbrios ambientais.

O instituto recomenda, por meio de seus profissionais, a análise química do solo nas propriedades rurais. Tal ferramenta é extremamente importante para os produtores rurais, uma vez que determina os teores de nutrientes e as características que podem influenciar a disponibilidade dos nutrientes para as plantas.

Práticas de conservação

Antes de mais nada, é necessário ter um preparo do solo. Para isso, o plantio direto, sem revolvimento do solo, é uma prática conservacionista muito utilizada em áreas com produção de grãos é a mais indicada.

A tração animal é outra prática de preparo que diminui a compactação e favorece a infiltração de água no solo. Com isso, auxilia no controle da erosão, além de proporcionar melhores condições físicas do solo para o desenvolvimento das raízes das forrageiras.

Outro sistema recomendável é o silvipastoris, ou seja, que consorciam pastagem com espécies florestais é apontado como uma opção viável para a recuperação de pastagens em processo de degradação pelo maior aporte de resíduos orgânicos no solo, ciclagem de nutrientes e auxílio no controle da erosão.

Além disso, melhora o microclima local, o que aumenta a umidade do solo e o conforte térmico para os animais, principalmente em locais de clima tropical.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade