17.7 C
Vitória
terça-feira, 2 junho, 2020

Bolsonaro e a reforma da previdência

Leia Também

Mais de 14 mil casos confirmados do novo coronavírus no ES

Segundo o “Painel Covid”, administrado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), chegou a 14.285 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Espírito Santo.

Novas regras adotadas para o comércio a partir desta segunda-feira (1º)

As novas regras para galerias, centros comerciais, academia, shoppings e restaurantes de Vila Velha foram publicadas no Diário Oficial do município desse domingo (31).

Parque de iluminação de Vila Velha será modernizado e ampliado

O edital para contratação da empresa que realizará o serviço foi lançado na sexta-feira (29), nos Diários Oficiais do Município, Estado e da União, além de jornais de circulação nacional.

Segundo trimestre deve ser bem pior para o PIB, diz presidente do BC

Ao avaliar os dados de atividade, Roberto Campos Neto também afirmou que houve uma piora crescente da expectativa entre agentes econômicos sobre o PIB.

Por não ter conseguido formar uma base parlamentar clara, disposta a votar e lutar pela previdência, a proposta ainda não foi aprovada

O tema da reforma da previdência era inescapável para qualquer candidato nas eleições de 2018. Todos, de uma forma ou de outra, deveriam se posicionar sobre tema complexo e, sabidamente, de alta impopularidade. Por isso, a maioria dos analistas indicam que pautas como está devem ser levadas ao Congresso Nacional em início de mandato, quando a popularidade do presidente da república está alta e ele tem capital político para “queimar” objetivando a aprovação junto ao Legislativo.

Bolsonaro foi, durante a campanha, aquele que assumiu como importante, fundamental mesmo, realizar a reforma da previdência para que o governo não seja paralisado e, ainda, que se possa corrigir privilégios já arraigados no pagamento dos benefícios, especialmente quando se compara o número daqueles que recebem suas aposentadorias da iniciativa privada e os funcionários públicos, estes são em número bem menor e ganham bem mais que média dos demais aposentados. Residia, aí, um primeiro problema: na trajetória político como deputado, Bolsonaro sempre foi corporativista, intervencionista e estatizante. Como, então, com essas credenciais ele poderia levar a cabo uma reforma que corrigiria distorções e privilégios de alguns setores? A solução, no caso, foi a presença do economista Paulo Guedes, sabidamente liberal e que convenceu o “mercado” das boas e sérias intenções de Bolsonaro. Desta forma, Bolsonaro apresentou-se como liberal na economia e conservador nos costumes. Para o mercado bastou e a história já conhecemos: Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil.

Houve, no entanto, nestes primeiros meses de governo, nos chamados 100 dias, mais erros políticos do que acertos. Bolsonaro e os seus insistiram no tom e na retórica de campanha e dividiram o mundo político em “nova política” e “velha política”; obviamente, os novos eram Bolsonaro e os seus (todos puros, límpidos, honestos), e os da velha política, do “toma lá dá cá”, eram fisiológicos e, muitas vezes, no limite, corruptos. O clima esquentou e o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em tom duro avisou ao presidente que ele deveria parar de brincar e governar o país. O recado era claro e evidente ou Bolsonaro deixa-se de lado as redes sociais e o discurso de campanha ou a reforma da previdência não avançaria. Assim, sentindo as dificuldades (criadas pelo próprio governo), Bolsonaro resolveu chamar os líderes dos partidos para conversar, admitiu suas “caneladas” e prometeu colocar fim à polarização nova e velha política.

Outro ponto é que sem disposição para dialogar, o governo não conseguiu, ainda, formar uma base parlamentar clara, disposta a votar e lutar pela previdência. O PSL, partido do presidente, é mais um aglomerado de personalidades do que um partido político unido por valores e com o mínimo de organicidade e trânsito no parlamento, já que muitos são neófitos.

A reforma, atualmente, está na CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) e, ali, já tem enfrentado a resistência da oposição, que buscou obstruir a pauta e tumultuar a sessão. Dado a pouca familiaridade com o regimento, o governo, o PSL e os aliados resolveram adiar a votação para a próxima semana. A conjugação da insistência de retórica de campanha, de inabilidade política e de articulação, até o momento colocou em risco a grande pauta do governo. O mercado, por exemplo, já desconfia da capacidade de Bolsonaro e já imagina se, por acaso, Paulo Guedes decida sair do Governo. A reforma pode passar, mas para isso há necessidade de esforço do presidente e capacidade de diálogo, articulação política e convencimento dos atores políticos e da sociedade.


Rodrigo Augusto Prando Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie, do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp.

 

 

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_176
Continua após publicidade

Fique por dentro

Governo publica MP que pode destravar crédito às pequenas e médias empresas

Os bancos já emprestaram mais de R$ 900 bilhões em recursos novos, renovações e suspensão de parcelas de empréstimos.

Embraer tem prejuízo líquido de R$ 1,276 bilhão no 1º trimestre, 6 vezes maior

Segundo a empresa, os principais fatores determinantes para o aumento do prejuízo líquido ajustado foram o declínio na receita operacional aliado ao crescimento das perdas cambiais.

Especialista dá dicas para quem deseja empreender na internet

Com as medidas de isolamento, houve um aumento no mercado de compras online. Para quem ainda não está no mercado virtual de vendas, esse é o momento.

Crise econômica causada pelo novo coronavírus faz desemprego chegar a 12,6%

De acordo com o IBGE, são aproximadamente 4 milhões de brasileiros fora do mercado de trabalho nesse trimestre.

Vida Capixaba

“Chapeuzinho Vermelho” no Diversão em Cena ArcelorMittal

Produzido pela Companhia O Trem, o espetáculo terá música ao vivo, brincadeiras e muita interação: o elenco precisará da ajuda do público para contar a história.

Lugar de homem é na cozinha

A arte de combinar ingredientes e temperos tem atraído mais e mais homens Em restaurantes ou em ambientes domésticos, é cada vez mais comum ver...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda (1º)

De acordo com a secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos, Lenise Loureiro, a decisão foi tomada durante uma reunião da Sala de Situação de Emergência em Saúde Pública do Estado, realizada hoje. 

Como montar um cantinho lúdico e organizado para as crianças

Com as crianças em casa em tempo integral, as famílias se deparam com o desafio de manter a rotina de atividades escolares e brincadeiras.
Continua após publicidade