23.3 C
Vitória
segunda-feira, 3 agosto, 2020

Autolatina e as lições da história

Leia Também

Dia dos Pais: 47,8% das pessoas comprarão presentes on-line

De acordo com uma pesquisa, 57,6% das pessoas entrevistadas pretendem celebrar o Dia dos Pais; 21,5% ainda estão na dúvida sobre comemorar ou não.

Mais fome no frio? Veja dicas para manter a alimentação equilibrada!

O tempinho mais frio combina e muito com comidinhas gostosas. E a impressão, nesta época do ano, é de que sentimos mais fome também. Veja as dicas!

Semana do Aleitamento Materno reforça a importância da amamentação

O leite materno é uma fórmula perfeita, exclusiva, sem custo e facilmente acessível. Ele está pronto, na temperatura ideal e tem todos os nutrientes de que o bebê precisa até os seis meses de vida.

Saiu, na semana passada, em conteúdo editorial da AutoEsporte, no Jornal Valor, uma matéria que descrevia sobre a trajetória da Autolatina no Brasil

Narrava sobre o compartilhamento de estrutura produtiva que VolksWagen e Ford fizeram nos anos 1980, e os modelos de criaram.  Na visão jornalística, a “parceria rendeu frutos até fora do país”. Mas na econômica, o buraco é mais embaixo. A Autolatina está longe do retrato descrito na matéria.

Ela foi um monopólio instituído pelos gênios da administração pública brasileira – negligenciando o papel da concorrência para gerar eficiência e competitividade em um mercado – que beneficiou duas grandes empresas de um poderoso oligopólio mundial, a indústria automobilística; que usaram o mercado brasileiro para desovar uma planta de produção esgotada de seus mercados dom – europeu e norte americano.

Com essa parceria conseguiram, pelo menos, 10 anos de lucro extra, a custo zero – já que não desembolsaram um centavo em investimentos; simplesmente transferiram para cá a esgotada planta de lá. Seus interesses eram fazer economia de escala e de escopo a custo zero. Para elas, claro!

Com essa parceria o Brasil conseguiu a façanha de beneficiar quem não precisava às custas de quem precisava – a economia brasileira e seus cidadãos/contribuintes.
Por que esse anacronismo foi possível? Devido aos habituais critérios equivocados de escolha do Governo Brasileiro.

Apesar do discurso ufanista-nacionalista em prol dos interesses do País, optou pelo caminho que garantisse, principalmente, benefícios e privilégios para os parceiros do poder. E a reserva de mercado que concedeu à Autolatina é a prova inconteste desse padrão de governo.

Mas, como tudo que começa errado, os desdobramentos dessa capciosa parceria também foram errados. O mercado cativo concedido à Autolatina, acabou tornando-se um obstáculo às metas de lucro de suas empresas.

Como a economia brasileira estava fechada, a demanda interna era insuficiente para absorver suas escalas de produção. Por outro lado, não podiam vender essa produção para o mercado externo porque o que produziam aqui, o resto do mundo não consumia mais.

Diante o subaproveitamento da capacidade instalada, passaram a cobrar, cada vez mais, incentivos do Estado para compensar a perda de rentabilidade; e a não fazer qualquer tipo de esforço para melhorar e ou diversificar sua produção.

Praticavam com o governo, a relação espúria da privatização dos lucros e socialização das perdas. Nos rastros dessa relação vieram a produção de veículos caros e de baixa qualidade – carroças.

Como não havia concorrentes, produziam o que queriam; e cobravam o preço que lhes era conveniente. Situação que foi levemente atenuada com a chegada da FIAT. Ainda que a fabricação de carroça permanecesse, inclusive na FIAT.

A Autolatina foi um obstáculo à disseminação de um ambiente propício à competição na economia brasileira. Competição é o que impulsiona a eficiência; que leva à competitividade.

Portanto, é parte da resposta de porque o Brasil se encontra, hoje, onde está.
Não gerou benefício que compensasse seu custo. Não vejo motivo para celebrar sua existência.

Arilda Teixeira – Economista e professora. da Fucape


Leia mais

Ameaças e Retrocessos dos Conflitos Comerciais

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Auxílio emergencial elevou em 24% renda pré-pandemia, mostra pesquisa

Segundo estudo, dado destaca a pobreza e a desigualdade do país. Saiba mais! As pessoas que recebem o auxílio emergencial, pago pelo governo federal durante...

Top 5 da sobrevivência

Disruptura. Definitivamente essa é palavra de ordem no universo da gestão. Após três meses convivendo com as bruscas mudanças nos processos de trabalho provocadas pela pandemia, proprietários dos setores da indústria e do comércio ainda não são capazes de mensurar o tamanho do estrago final que o novo coronavírus vai deixar

Empresa que vai gerir Parque de iluminação de Vila Velha será conhecida na próxima semana

O leilão que definirá a empresa que vai gerir o serviço nos próximos 20 anos será conhecida na próxima segunda-feira (03), na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), na Bolsa de Valores, em São Paulo.

Câmara aprova novamente programa de financiamento para pagamento de folha

A Câmara aprovou nesta quarta-feira, 29, a medida provisória que cria um programa de financiamento para o pagamento da folha salarial durante a pandemia de covid-19.

Vida Capixaba

Golpe pelo WhatsApp: saiba como evitar!

Várias pessoas estão sendo vítimas de golpistas que tem clonado números de WhatsApp de pessoas e mandando mensagens pedindo dinheiro.

Horário de pico muda em Vitória

Em Vitória, por conta da pandemia do novo coronavírus, houve uma redução considerável no fluxo de veículos que passam pelas ruas e avenidas da capital.

Como aproveitar melhor o FGTS emergencial?

Para muitas pessoas, esse dinheiro já tem destino definido, como pagar algumas contas essenciais, além de investimento pessoal, mas será que existe uma forma melhor de aplicá-lo? Especialista explica!

Aprenda uma profissão! Cursos rápidos com aulas on-line

Os cursos têm o objetivo de qualificar os profissionais para atuar diante da pandemia, de forma rápida, e foram criados para atender às principais demandas da população.
Continua após publicidade