Síria: uma guerra que deixa centenas de milhares de mortos em sete anos

Guerra na Síria
Foto: Yang Zhen/Xinhua/Zuma Wire/FotoArena

O número de civis mortos nos ataques, confrontos e atentados chega a quase um terço do total

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos anunciou nesta segunda-feira (12) que a guerra na Síria provocou mais de 511 mil mortes desde 2011. Entre as vítimas, estão 106.390 civis, incluindo 19.811 menores de idade. No próximo dia 15 de março, quinta-feira, o conflito completa sete anos.

A apuração da ONG documentou quase 354 mil vítimas fatais. Foram registradas 59.424 mortes de sírios e 63.360 de estrangeiros que combatiam em grupos rebeldes ou islamitas. Entre as forças leais ao presidente sírio, Bashar al-Assad, morreram 63.820 militares. Desse total, 48.814 eram milicianos sírios, 1.630 membros do grupo xiita libanês Hezbollah e outros 7.686 estrangeiros xiitas.

Entre as mortes documentadas pelo Observatório, há ainda 196 pessoas desconhecidas e 2.615 desertores. Apesar de o órgão ter um de monitoramento com base em Londres, na Inglaterra, o observatório mantém uma rede de fontes na Síria.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) afirmou que mais crianças morrem em decorrência da guerra civil. Segundo a agência da ONU, 3,3 milhões de pessoas em idade infantil estão expostos a explosivos em todo o país. Além disso, dezenas de escolas foram alvo de ataques no ano passado.

“Em 2017, a violência cega e extrema matou o maior número de meninos até agora: cerca de 50% mais que em 2016”, apontou o Unicef em nota. Além dos mortos e feridos, milhões de pessoas abandonaram suas casas durante o conflito, que nesta semana completa sete anos.

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!