21 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

Pecuária e petróleo e gás impulsionam atividade econômica no Espírito Santo

Indicador de Atividade Econômica da Federação das Indústrias mostra crescimento de 3,6% da economia no primeiro trimestre de 2024

Por Kikina Sessa

Setor que tem a menor participação no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB), a agropecuária surpreendeu no primeiro trimestre de 2024 e puxou a economia capixaba. Dados apresentados pelo Observatório da Indústria mostram que o setor avançou 11,1% de janeiro a março deste ano, tendo como destaque a pecuária, que apresentou variação positiva de 19,3% no período, em comparação ao mesmo trimestre de 2023. 

- Continua após a publicidade -

Após a pecuária, vem a atividade industrial extrativa, que compreende pelotização, petróleo e gás. Este último se destacou no primeiro trimestre no Estado, crescendo 17,1% em relação a igual período de 2023. 

Segundo dados do Indicador de Atividade Econômica (IAE-Findes), no geral, a indústria, compreendendo a extrativa, energia e saneamento, construção e transformação, avançou 5,9% nos primeiros três meses de 2024.

A análise para o crescimento expressivo da pecuária é que o setor vinha sofrendo com a elevação dos custos, como o preço dos insumos e aumento dos combustíveis, e que agora a atividade demonstra sinais de recuperação e crescimento. 

Seguindo o desempenho do primeiro trimestre, o ano de 2024 deve ser positivo para a economia capixaba, com previsão de alta de 3,4%. Segundo as projeções do Indicador de Atividade Econômica (IAE-Findes), a indústria será a principal responsável por impulsionar o PIB local. O crescimento projetado para o setor, neste ano, é de 8,8%, seguido pelos setores da agropecuária (3,2%) e serviços e comércio (2,9%). Vale lembrar que o Espírito Santo é o segundo estado mais industrializado do Brasil.

No primeiro trimestre de 2024 a economia capixaba cresceu 3,6%, em relação ao mesmo período do ano passado. O número foi maior do que o registrado pelo país, que teve alta de 2,5% em seu PIB no mesmo período, segundo o IBGE. 

Pecuária e petróleo e gás impulsionam atividade econômica no Espírito Santo
Paulo Baraona: “Estamos vendo a economia capixaba crescer acima da média nacional” – Foto: Kikina Sessa

Paulo Baraona, presidente em exercício da Findes, avalia os primeiros números do ano como positivos e aponta as oportunidades que devem surgir. “Estamos vendo a economia capixaba crescer acima da média nacional e a indústria desempenhando um papel fundamental para que o Estado alcançasse esse resultado”.

“Quando olhamos em um horizonte de cinco anos, ou seja, até 2028, temos registrados quase de R$ 82 bilhões em investimentos para o Estado, sendo sua grande maioria investimentos industriais. São novas indústrias chegando no Estado e unidades em expansão. Isso é fruto do bom ambiente de negócios do Espírito Santo que a Findes ajuda diariamente a construir para tornar as empresas locais cada dia mais competitivas”, conclui. Esse investimento envolve algo em torno de 102 empresas.

“As expectativas são otimistas devido à continuidade do crescimento da extração de petróleo e gás no Espírito Santo, além do retorno gradual das operações da Samarco. Na Vale, as perspectivas estão concentradas no avanço da produção das plantas briquete de minério de ferro, sendo este um vetor importante para o crescimento da economia capixaba. Além disso, para 2024, espera-se um desempenho da indústria de transformação superior ao observado em 2023, com destaques para os segmentos metalurgia, papel e celulose”, afirma a economista-chefe da Findes e gerente executiva do Observatório da Indústria, Marilia Silva. 

Marilia pondera que é preciso acompanhar alguns cenários neste contexto. No âmbito nacional, a taxa de juros elevada, e no internacional, os riscos de agravamento dos eventos climáticos. 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA