24.9 C
Vitória
sexta-feira, 14 junho, 2024

ONU aprova envio de mais ajuda humanitária à Gaza

Com abstenção de EUA e Rússia, resolução proposta pelos Emirados Árabes Unidos ao Conselho de Segurança não teve nenhum veto

O Conselho de Segurança da ONU adotou nesta sexta-feira, 22, a resolução que pede o aumento da ajuda humanitária aos civis na Faixa de Gaza. Após quase uma semana de intensa negociação para evitar que os Estados Unidos, principal aliado de Israel, vetassem o texto, foi aprovada uma versão diluída, sem a parte que pedia a “suspensão urgente das hostilidades” no enclave.

Os Estados Unidos já haviam usado o poder de veto como membro permanente do Conselho duas vezes para barrar resoluções que pediam cessar-fogo em Gaza, onde a guerra já deixou mais de 20 mil mortos, segundo o ministério da Saúde local que é controlado pelo Hamas. Dessa vez, decidiu se abster, permitindo que a resolução fosse aprovada após uma intensa negociação que contou com Egito e Emirados Árabes Unidos.

- Continua após a publicidade -

Depois de ser suspensa repetidas vezes durante a semana enquanto o texto era modificado para garantir o apoio de Washington, a votação terminou com 13 votos a favor e nenhum contrário. Além dos EUA, a Rússia, que também é membro permanente do Conselho, se absteve. Moscou havia sugerido uma alteração que incluía a pausa nos combates, ao que a Casa Branca se opõe.

Principal aliado de Israel, os Estados Unidos têm repetido que Tel-Aviv tem o direito de se defender e que o cessar-fogo não trará a paz duradoura para região. Recentemente, no entanto, o governo Joe Biden alertou que o primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu estava começando a “perder apoio” depois que os dois lados expressaram publicamente as suas divergências sobre o futuro de Gaza. Desde então, a Casa Branca tem elevado a pressão para garantir a proteção dos civis no enclave palestino

A resolução apresentada pelos Emirados Árabes Unidos, o único país árabe atualmente no conselho de 15 membros, apela às partes em conflito em Gaza que permitam a utilização de “todas as rotas disponíveis” para Gaza para entrega de ajuda, segundo o rascunho distribuído antes da votação. No lugar da “suspensão urgente das hostilidades”, o Conselho pede que se estabeleçam “condições para uma cessação sustentável das hostilidades”.

“Sabemos que este não é um texto perfeito, sabemos que apenas um cessar-fogo acabará com o sofrimento”, disse Lana Nusseibeh, embaixadora dos Emirados Árabes Unidos que tem liderado as negociações. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA