29.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Monitor do PIB da FGV aponta alta de 0,7% no 1º trimestre

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia do IBGE

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,7% no primeiro trimestre de 2024 ante o quarto trimestre de 2023, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com o primeiro trimestre de 2023, houve crescimento de 2,3% no primeiro trimestre de 2024.

No mês de março, o PIB avançou 0,4% ante fevereiro. Em março de 2024 em relação a março de 2023, houve ligeira queda de 0,1%.

- Continua após a publicidade -

“O crescimento de 0,7% da economia no primeiro trimestre, na comparação com o quarto de 2023, foi bastante disseminado na maior parte das atividades econômicas e componentes da demanda. Em grande parte dos segmentos, foram registradas taxas mais positivas no primeiro trimestre do que o observado no final de 2023. De modo geral, isto indica um bom início de 2024 para a economia brasileira, de maneira até mais robusta que o crescimento de 2023”, afirmou Juliana Trece, coordenadora do Monitor do PIB – FGV, em nota oficial.

Ainda no texto, ela disse que, “apesar disso, é preciso levar em consideração o impacto negativo do desastre que ocorre no Rio Grande do Sul terá na economia nacional.”

“O ponto é que mensurar esse impacto não é trivial. Além do efeito direto sobre a economia gaúcha, há os efeitos secundários referentes às cadeias produtivas em que o Rio Grande do Sul participa e os esforços que estão, e serão, realizados para reerguer o estado, como a liberação de recursos para as famílias gaúchas e o início de obras de reconstrução do estado. Em termos econômicos é bastante difícil mensurar como todos esses vetores influenciarão a economia nacional. Em termos sociais, entretanto, as perdas são imensuráveis, com perdas de vidas que poderiam ter sido evitadas com medidas de adaptação do estado às mudanças climáticas”, completou a coordenadora.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

No primeiro trimestre de 2024 ante o primeiro trimestre de 2023, sob a ótica da demanda, o consumo das famílias cresceu 4,4%, com resultados positivos em todos os componentes, especialmente nos serviços e nos bens não duráveis.

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) teve uma elevação de 3,4% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior.

“Com a expectativa de continuidade da redução dos juros ao longo de 2024 e com a base de comparação muito negativa para os demais trimestres de 2023, há a perspectiva de que estes resultados positivos sigam sendo observados na FBCF ao longo de 2024”, informou a nota do Monitor do PIB.

A exportação de bens e serviços registrou crescimento de 6,8% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior. Já a importação de bens e serviços aumentou 11,0% no período, sob a influência positiva de serviços e de bens intermediários.

“O crescimento da importação de bens intermediários, no início de 2024, pode indicar maior demanda por parte da indústria de transformação. O destaque negativo foi apenas a importação de produtos da extrativa mineral que retraiu, porém em magnitude pequena (-1,8%)”, ponderou a FGV.

Em termos monetários, o PIB alcançou R$ 3,04 trilhões no primeiro trimestre, em valores correntes.

A taxa de investimento da economia foi de 18,4% no primeiro trimestre. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA