22.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Intenção de consumo avança 1,3% em maio, revela CNC

Índice que mede a satisfação dos consumidores em geral com o acesso ao crédito cresceu 2,2% no mês

Os brasileiros ficaram mais propensos às compras em maio, pelo segundo mês consecutivo, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 1,3% em relação a abril, já descontadas as influências sazonais, para o patamar de 102,9 pontos.

O ICF permanece na zona de satisfação (acima de 100 pontos) desde agosto do ano passado. Segundo a CNC, a alta neste mês foi impulsionada pelas famílias de renda mais baixa. Em relação a maio de 2023, houve um aumento de 6,4% na intenção de consumo das famílias.

- Continua após a publicidade -

Na passagem de abril para maio, houve melhora em todos os sete componentes do ICF: emprego atual, alta de 1,2%, para 127,3 pontos; renda atual, 1,4%, para 124,3 pontos; nível de consumo atual, 1,5%, para 88,1 pontos; perspectiva profissional, 1,1%, para 113,8 pontos; perspectiva de consumo, 1,1%, para 105,8 pontos; acesso ao crédito, 2,2%, para 95,1 pontos; e momento para aquisição de bens de consumo duráveis, 0,9%, para 66,1 pontos.

O aumento da satisfação dos consumidores com o acesso ao crédito foi impulsionado pelo ciclo de quedas na taxa básica de juros, a Selic, apontou a CNC. Na pesquisa de maio, 31,4% dos entrevistados consideraram que o acesso ao crédito está mais fácil, maior proporção desde abril de 2020.

Embora a redução nos juros gere uma percepção mais favorável sobre o crédito entre os consumidores em geral, as famílias com renda mais baixa estariam se beneficiando mais de melhores condições de pagamento. A intenção de consumo cresceu mais entre os consumidores com renda mais baixa: no grupo com renda familiar abaixo de 10 salários mínimos mensais, houve alta de 1,4% no indicador em maio ante abril. Entre as famílias com renda mensal acima de 10 salários mínimos, a intenção de consumo registrou um aumento de 0,7%.

Em meio ao cenário mais favorável para o crédito, a avaliação do consumidor sobre o momento para a compra de bens de consumo duráveis teve a maior elevação na variação anual, 18,1% em maio de 2024 ante maio de 2023.

“Por serem produtos de grande valor agregado, a venda deles é mais influenciada pela oscilação do mercado de crédito”, afirmou Felipe Tavares, economista-chefe da CNC, em nota oficial, lembrando que o consumo tem sido influenciado positivamente também pelo mercado de trabalho. Com informações de Agência Brasil

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA