Eleições em Irupi serão realizadas neste domingo (5)

O município de Irupi (Fotografia - Divulgação)

Essa eleição suplementar, o município do Caparaó capixaba escolherá um novo gestor entre as duas chapas habilitadas pela o pleito

Os 10.655 eleitores de Irupi voltarão às urnas, neste domingo (5), para eleger um novo prefeito e vice-prefeito. Duas chapas disputam os cargos são formadas por Edmilson Meireles e Paulino Coveiro são postulantes pela coligação MDB-PP e Raphael Fonseca e Julio Trança os pretendentes escolhidos pelo PSL.

Em julho de 2017, a Justiça condenou o prefeito eleito em 2016, Carlos Henrique Emerich, à perda de mandato e a se tornar inelegível por oito anos. Entre as acusações feitas pelo Ministério Público está a de que a prefeitura teria patrocinado um casamento coletivo em 2016, quando o prefeito disputava a reeleição. Carlos Henrique também é acusado de abuso de poder político para a nomeação de aprovados em concurso público e compra de votos. O presidente da Câmara de Irupi, Valmir de Almeida (PV), é quem comanda a cidade de maneira interina até o que o novo prefeito assuma a função.

É a segunda vez que Edmilson, que é comerciante e produtor rural, disputa o cargo máximo do Poder Executivo no município. Nas eleições regulares de 2016, ele foi superado por 149 votos. Nessa segunda tentativa, o candidato recebeu apoio do governador Renato Casagrande e outras lideranças com o deputado estadual Adilson Espindula (PTB) e o deputado federal Marcus Vicente (PP).

O candidato a vice-prefeito Paulo Caveiro, a vice-governadora Jaqueline Moraes, o candidato a prefeito Edmilson e o deputado estadual Adilson Espindula (Fotografia – Facebook)

Já a liderança emergente local do mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, Raphael Fonseca, estreia no mundo da política partidária. O comerciante do ramo de material de construção conseguiu que importantes nomes da sigla desem apoio a sua campanha, como o deputado estadual Torino Marques e a deputada federal Soraya Manato.

Os candidatos que obtiverem a maioria dos votos válidos (excluem-se brancos e nulos) vencerão as eleições. Para municípios com menos de 200 mil eleitores, a lei não exige que o vencedor obtenha a maioria absoluta dosvotos válidos, ou seja, 50% mais um, não havendo, assim, a possibilidade de segundo turno.

O candidato a prefeito Raphael Fonseca e o deputado estadual Torino Marques (Fotografia – Facebook)

No dia da votação, é necessário levar um documento oficial de identificação com foto. A Justiça Eleitoral sugere que o eleitor leve também o título para facilitar a identificação da seção eleitoral. O horário da eleição é das 8 às 17h.

Conteúdo Publicitário