23.2 C
Vitória
sexta-feira, 22 janeiro, 2021

Ingerir estimulantes e dirigir pode ser uma combinação perigosa, diz especialista

Leia Também

Quando um pouco de solidariedade faz muita diferença

Num país com tantas desigualdades sociais, contribuir para a manutenção e a sobrevivência de projetos e ações que, no dia a dia, auxiliam pessoas com maior vulnerabilidade tornou-se indispensável

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito, a sonolência é apontada em segundo lugar dentre as principais causas de acidentes nas estradas

As campanhas contra a combinação do álcool e a direção têm sido cada vez mais efetivas, alcançando resultados satisfatórios na redução dos acidentes de trânsitos, mas outras causas de acidentes ainda precisam ser mais trabalhadas para conscientizar a população.

De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito (CNT), a sonolência é apontada em segundo lugar dentre as principais causas de acidentes nas estradas e atinge principalmente os motoristas que trabalham em esquema de turno ou dirigem por mais horas seguidas do que o recomendado.

A médica do sono, Jéssica Polese, afirma que o problema dos estimulantes é que eles podem deixar o indivíduo muito agitado e isso no trânsito não é uma coisa boa. Foto: Divulgação

Levantamento realizado pela Concessionária Rota do Oeste, que opera no Mato Grosso, mostrou que um em cada cinco caminhoneiros já usou ou ainda faz uso de substâncias ilícitas e estimulantes. As drogas são uma alternativa para manter o motorista acordado por períodos mais longos e, assim, permitir que ele faça as viagens em menos tempo.

“Um fator preocupante é que a droga não perde o efeito de maneira gradual, mas sim com muita rapidez, pegando o motorista de surpresa. Ele não percebe que está ficando com sono e quando vai ver, já dormiu, porque ele já estava muito cansado e deveria ter parado de dirigir quando sentiu a necessidade de tomar os estimulantes”, explicou a médica do sono, Jéssica Polese.

Mortes no trânsito

Um estudo realizado pelo Programa SOS Estradas, analisou mil acidentes com mortes envolvendo caminhões entre 2015 e fevereiro de 2017, e mostrou que em 82% os caminhoneiros mataram outros caminhoneiros. Quando os acidentes envolveram veículos leves, 97% dos ocupantes dos automóveis morreram e naqueles envolvendo motocicletas, 98% foram a óbito.

O coordenador do Programa SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto  disse que “a maioria dos caminhoneiros passa mais de 200 dias por ano morando no caminhão, é mal remunerado, não tem condições de descanso adequado, nem paradas para dormir. Além disso, vive os riscos de ser abordado por traficantes, prostitutas e assaltantes nas estradas. É natural que esse sujeito sofra acidentes por usar drogas para suportar a jornada e ganhar um dinheiro extra”.


Leia mais:

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Mais Motores

Novo Corolla recebe avaliação máxima em segurança

Modelo produzido no Brasil recebeu cinco estrelas nos crash tests do Latin NCAP. Destaques medem o nível de proteção para adultos e crianças Comercializado em toda...

Audi A1 Sportback chega a Vitória

No Espírito Santo, o modelo está disponível na Audi Center Vitória, localizada na Avenida Vitória Um dos lançamentos mais...

Na Nova Zelândia, Citroën faz 2º e 3º lugares no Campeonato Mundial de Rali (WRC)

Faltaram apenas 2,4 segundos para a Citroën terminar vitoriosa em uma das provas mais competitivas e equilibradas da história do Campeonato Mundial de Rali...

Blogs e colunas

Carros ideais para viajar

Chegamos na época ideal para viajar com a família e aproveitar as tecnologias que os veículos oferecem para pegar a estrada Para garantir o conforto...

A Ford fez história

O movimento anunciado pela Ford do Brasil faz parte de uma reestruturação global que vem sendo implementada desde 2018

GM muda logo e promete lançar 30 elétricos até 2025

A GM está investindo US$ 27 bilhões (mais de R$ 148 bilhões, na conversão direta) nesta espécie de recomeço para a empresa