Brasil e mais sete países oficializam criação do Prosul

Rodrigo Garrido / Reuteurs

O documento foi assinado por oito países em reunião realizada em Santiago, no Chile

Oito países, incluindo o Brasil, assinaram nessa sexta-feira (22), em Santiago, no Chile, o documento que oficializa a criação do Foro para o Progresso da América do Sul (Prosul), bloco idealizado para substituir a União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Estiveram presentes na reunião os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, do Brasil, Jair Bolsonaro, do Chile, Sebastián Piñera, da Colômbia, Iván Duque, do Equador, Lenín Moreno, do Paraguai, Mario Abdo, e do Peru, Martín Vizcarra, além do embaixador da Guiana no Brasil, George Talbot.

Além disso, o documento exige como requisitos a “plena vigência da democracia”, estratégia que coloca a Venezuela em uma situação de isolamento do grupo, além do respeito ao princípio de separação dos Poderes e o respeito aos direitos humanos, assim como a soberania e a integridade territorial dos Estados.

De acordo com a Folha Vitória, o o bloco será presidido pelo Chile por 12 meses, depois quem assume o comando será o Paraguai. “Este espaço abordará de maneira flexível e com caráter prioritário temas de integração em matéria de infraestrutura, energia, saúde, defesa, segurança e combate ao crime, prevenção e gestão de desastres naturais”, disse o comunicado assinado conjuntamente.

Os presidentes da Bolívia, Uruguai e Suriname não participaram da reunião, mas enviaram representantes. Entretanto, poderão ingressar no Prosul quando acharem necessário.

Conteúdo Publicitário