24.9 C
Vitória
quinta-feira, 20 janeiro, 2022

“Vai quem quer?”, implementação do sistema híbrido é desafio para as empresas

Mais Artigos

Alternar dias de trabalho presencial e home office não surgiu agora, mas ganhou força na pandemia

Por Erik Lorenzon

Após 18 meses de pandemia, o avanço do retorno das atividades comerciais trouxe uma tendência que transforma as relações de trabalho dentro e fora das empresas, que é a adesão ao formato de trabalho híbrido. Segundo pesquisa realizada pela Robert Half Consultoria com executivos de empresas no Brasil, Alemanha, Bélgica, França e Reino Unido, 95% veem o trabalho híbrido como permanente no cenário de emprego. Para o especialista e empresário Erik Lorenzon, a implementação do modelo é um desafio para os empresários.

“Alternar dias de trabalho presencial e home office não surgiu agora, mas ganhou força na pandemia. Apesar da flexibilidade que esse arranjo proporciona, é importante também organizar as escalas para que o rendimento e a comunicação entre as equipes e suas lideranças não se percam pelo meio do caminho. Não é apenas um ‘vai quem quer’, o modelo híbrido, como qualquer outra condição de relação de trabalho, deve ter regras e indicadores para se manter sustentável”, destaca Lorenzon.

Dentre as condições que precisam ser revistas para a implementação do sistema de rodízio da jornada de trabalho na sede da empresa e em home office, é preciso realizar um aditivo nos contratos de trabalhos, sinalizando que o funcionário trabalhará de casa parte da jornada semanal. Deve-se definir também questões como ajuda de custo e controle de horas, por exemplo. Tratam-se de questões que devem ser regulamentadas para garantir a segurança jurídica das empresas e também das equipes.

Além disso, é preciso organizar a rotina e a escala de quem vai fazer home office e em quais vai trabalhar presencial. “Além de não deixar no sistema ‘vai quem quer’, é importante implementar metas e indicadores de trabalho. Esse cuidado garante alinhamento das equipes sobre o trabalho que está sendo desenvolvido presencial e em home office, evitando que se perca o vínculo com quem está no serviço remoto”, esclarece Erik.

Erik Lorenzon é fundador do NaCapital Escritórios, graduado em Engenharia pela UFES, pós-graduado em Marketing pela SDA Bocconi de Milão e em Negócios de Incorporação pela FGV. Foi executivo de Novos Negócios na Lorenge Incorporadora, consultor de Tecnologia na HP, Sony, Vodafone, e British Telecom na Inglaterra, Alemanha e Itália.

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba