Mais de R$ 1 milhão retorna aos cofres de Vitória

Ao final, os lotes foram arrematados por 20 compradores distintos (Fotografia - Divulgação)

Todos os bens leiloados pela prefeitura são considerados inservíveis e de recuperação antieconômica para a administração municipal

O 6º leilão do ano realizado pela Prefeitura de Vitória, por meio da Secretaria de Gestão, Planejamento e Comunicação (Seges), ocorreu na quinta-feira (20). Foram disponibilizados 21 lotes de veículos considerados inservíveis e de recuperação antieconômica. A arrecadação foi de R$ 212 mil, valor 122% maior do que o esperado.

Foi o sexto leilão do ano promovido pela Comissão Permanente de Avaliação e Leilão de Bens Patrimoniais (Copal). Todo o processo foi realizado online, o que ampliou a possibilidade de arrecadação. No total, 194 pessoas de vários lugares do País participaram do leilão. Ao final, os lotes foram arrematados por 20 compradores distintos.

Em todos os leilões de 2018, foram arrecadados R$ 1.072.928,30. Ao longo dos últimos três anos, mais de R$ 1,5 milhão voltaram aos cofres públicos por causa dos leilões.

“Os leilões são parte do nosso trabalho de diminuir o tamanho da máquina pública e fazer com que recursos apareçam onde havia desperdício ou onde havia um potencial não utilizado. Equipamentos não utilizados têm um valor e, nesses leilões, nós estamos conseguindo trazer para dentro da Prefeitura de Vitória milhões de reais com equipamentos que estavam sendo guardados sem nenhuma utilização. Os leilões serão cada vez mais frequentes e esses recursos vão nos ajudar a cuidar das escolas, das unidades de saúde, da segurança, da iluminação pública, da limpeza e de outras tarefas que nós temos”, disse o prefeito de Vitória, Luciano Rezende.

“Esses bens estavam parados porque não valiam a pena financeiramente a Prefeitura fazer o conserto ou a manutenção. Com os leilões, tudo isso se transformou em dinheiro, que já começou a ser utilizado em benefício da população. É uma iniciativa que deu certo e com certeza vamos intensificar em 2019”, afirmou o secretário de Gestão, Planejamento e Comunicação, Vander Borges.

Dinheiro retorna para os cofres públicos

Todos os bens leiloados pela PMV são considerados inservíveis e de recuperação antieconômica para a administração municipal. Entraram nos lotes este ano veículos, móveis e luminárias. O recurso arrecadado com os leilões volta para os cofres públicos e é revertido em melhorias para a população.

Para 2019, o primeiro leilão previsto é o de embarcações, que deve acontecer ainda em janeiro.

Conteúdo Publicitário