Tremor de terra é sentido em municípios do Espírito Santo

Foto: Prefeitura de Laranja da Terra

Um abalo sísmico foi registado em Laranja da Terra, segundo a Rede Sismológica Brasileira. Os tremores também foram sentidos em Itaguaçu

Quem achava que no Espírito Santo não haveria tremores está muito enganado. Segundo a Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) um abalo sísmico de 2.1 na Escala Richter foi registrado na última quarta-feira (24), em Laranja da Terra.

Segundo o Gazeta Online, o mesmo tremor foi sentido na cidade vizinha, Itaguaçu. Nas mídias sociais, internautas relatavam que sentiram o fenômeno, que, segundo alguns, “parecia com um barulho de um trovão”.

O especialista George Sand Leão, que atua no Observatório Sismológico da Universidade de Brasília, disse que no Espírito Santo existem quatro estações que detectaram o evento, que teve distância máxima de 289.4 quilômetros e mínima de 81.31 quilômetros.

Foto: Divulgação/Rede Sismográfica Brasileira

Sand Leão afirmou ainda que “este evento foi muito pequeno e, por isso, somente algumas estações registraram. Esses tremores são geralmente causados por acomodação da falha geológica, que é a ruptura ou cisão de um bloco de rochas ou faixas estreitas da superfície que é responsável pelo deslocamento de suas partes”, disse.

Vale destacar, ainda, que o acúmulo de energia e a eventual liberação desta em zonas de falhas geológicas é um dos fatores responsáveis pela ocorrência dos terremotos.

O especialista ainda disse que o abalo não deve ser visto como motivo de preocupação para os capixabas. Na maioria dos casos, os tremores são registrados apenas pelos sismógrafos e dificilmente as pessoas sentirão a terra tremer.

“O Espírito Santo registrou em 1955, o segundo pior tremor de terra do país, com 6,1 de magnitude, ficando somente atrás de um que aconteceu no Mato Grosso, no mesmo ano, que anotou 6,2. Então, se hoje a atividade é bem pequena quanto à sua intensidade, não podemos descartar que no futuro outro tremor bem forte aconteça. E, como ainda não temos como alertar a população antes, é importante que as pessoas construam casas mais
resistentes para que elas resistam da melhor forma ao fenômeno”, finalizou Sand Leão.

Conteúdo Publicitário