Taxa média de juros para pessoa física cai em abril

Dados divulgados nesta quarta-feira (9) pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) revelam que o juro médio cobrado de pessoas físicas e jurídicas por instituições financeiras caiu no mês de abril. Em 2012, essa foi a terceira redução das taxas para pessoas físicas, que atingiu seu menor nível desde 1995. Para pessoas jurídicas, essa foi a quarta queda no ano.

A taxa média cobrada de pessoas físicas ficou em 6,25% ao mês (106,99% ao ano), uma redução de 0,08 ponto percentual (p.p.) ante março, quando o juro médio cobrado foi 6,33% (108,87% ao ano). Das seis linhas de crédito pesquisadas, apenas a taxa do cartão de crédito rotativo se manteve inalterada em 10,69% ao mês. Todas as demais foram reduzidas, com destaque para o empréstimo pessoal em bancos que passou de 3,84% ao mês na apuração anterior para 3,69% em abril.

O comércio reduziu em 2,05% a taxa média cobrada, passando de 4,87% ao mês, para 4,77%. O juro do crédito direto ao consumidor (CDC) para financiamento de automóveis caiu de 1,97% no mês em março para 1,94% no último levantamento. O cheque especial e o empréstimo pessoal em financeiras sofreram retração de 0,72% (8,34% para 8,28%) e 1,45% (8,26% para 8,14%), respectivamente.

O juro médio sobre as operações de pessoas jurídicas caiu de 3,7% ao mês em março (54,65% ao ano) para 3,63% em abril (53,4% ao ano). As três linhas de crédito consideradas apresentaram reduções nas taxas. A maior queda foi encontrada na taxa média dos descontos em duplicatas, que passou de 2,78% para 2,68%. Em seguida aparece o capital de giro, cuja taxa saiu de 2,24% ao mês para 2,16%. As duas linhas atingiram o menor patamar desde 1999. A conta garantida apresentou uma retração menos expressiva, passando de 6,07% ao mês para 6,05%.

Segundo a Anefac, a retração do juro médio pode ser atribuída à maior competição no sistema financeiro após os bancos públicos (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) promoverem reduções em suas taxas de juros, que foram acompanhadas pelas principais instituições financeiras privadas. A queda da taxa básica de juros (Selic), que foi reduzida em 0,75 p.p., passando de 9,75% para 9%ao ano, e a redução nos índices de inadimplência, também são fatores de influência.

Agência Brasil

Conteúdo Publicitário
Compartilhe

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome