24.9 C
Vitória
sábado, 25 maio, 2024

Sessão parlamentar na Geórgia termina em pancadaria

Vídeo mostra deputado levando um soco na cara, enquanto discursava, por um legislador da oposição que correu para o palanque

Legisladores da Geórgia, na Ásia, iniciaram uma briga no Parlamento na segunda-feira, 15, durante o debate de uma lei polarizadora, apelidada de “projeto de lei do agente estrangeiro”. Horas após o conflito, centenas de pessoas protestaram contra a legislação em frente ao parlamento da capital do país, Tbilisi.

O projeto de lei – apresentado pelo partido de centro-esquerda Georgian Dream, que está no poder – exige que meios de comunicação e organizações não comerciais se registrem como estando sob influência estrangeira caso recebam mais de 20% do seu financiamento do exterior.

- Continua após a publicidade -

Os opositores denunciam a medida como “a lei russa” devido à existência de uma legislação parecida utilizada por Moscou para estigmatizar os meios de comunicação independentes e as organizações vistas como discordantes do Kremlin.

O vídeo de transmissão ao vivo do parlamento compartilhado nas redes sociais mostra o líder dos legisladores do Georgian Dream, Mamuka Mdinaradze, levando um soco na cara, enquanto discursava, por um legislador da oposição que correu para o palanque. Vários outros legisladores se juntam, então, à briga, criando uma confusão generalizada.

Lei já foi barrada no ano passado

O projeto de lei é quase idêntico a uma proposta que o partido do governo foi pressionado a retirar há um ano, após protestos em massa. Na segunda-feira, os manifestantes cantaram canções nacionalistas e gritaram “escravos” fora do parlamento, sugerindo que a Câmara estava cedendo à pressão da Rússia.

Aqueles que se opõem à medida dizem que a aprovação da lei iria obstruir o objetivo da Geórgia de aderir à União Europeia, que no ano passado concedeu ao país o tão desejado estatuto de candidato. O primeiro-ministro georgiano, Irakli Kobakhidze, reuniu-se na segunda-feira com os embaixadores americano, britânico e da UE para discutir o projeto de lei, disse o governo.

A lei diz que as organizações não comerciais e os meios de comunicação social que recebam 20% ou mais do seu financiamento do exterior precisariam se registrar como ” (organizações) que perseguem os interesses de uma potência estrangeira” – a única alteração na redação do projeto de lei retirado no ano passado, que disse que os grupos relevantes deveriam se registrar como “agentes de influência estrangeira”.

A presidente da Geórgia, Salome Zourabichvili, vetaria a lei se ela fosse aprovada pelo parlamento, conforme declarou anteriormente o seu representante parlamentar, Girogi Mskhiladze Mas esse veto poderá não durar muito, uma vez que o mandato de Zourabichvili termina este ano e, sob as alterações na Constituição da Geórgia, o próximo presidente será nomeado por um colégio eleitoral que inclui todos os membros do parlamento. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA