23.8 C
Vitória
quarta-feira, 17 abril, 2024

São Paulo afasta jogador flagrado em balada clandestina

O zagueiro equatoriano Robert Arboleda, do São Paulo, foi multado e afastado pelo clube após ser flagrado, na madrugada desta sexta-feira (28), em festa clandestina em São Paulo.

Por Munik Vieira

Dessa forma, o zagueiro não enfrentará o Fluminense, neste sábado (29), no Morumbi, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

- Continua após a publicidade -

Em nota oficial, o São Paulo FC lamentou o ocorrido e afirmou que o jogador ficará isolado nos próximos dias, sendo testado diariamente contra a covid-19. A multa será administrativa, convertida em cestas básicas doadas ao G10 Favelas.

Junto com Arboleda estava o atacante David Neres, do Ajax. Os jogadores foram flagrados pela Polícia Civil, e conduzidos para a Delegacia de Crime Contra a Saúde Pública Ambos prestaram depoimento e foram liberados. Na saída, não deram declarações sobre o assunto.

Os dois jogadores estavam em uma balada clandestina, com mais de 100 pessoas, em um beco na Vila Regente Feijó, que foi alvo de uma ação de fiscalização das polícias de São Paulo e do Procon. Grande parte das pessoas flagradas no local estava sem máscara.

A operação foi comandada pelo delegado Eduardo Brotero e pelo deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), que é coordenador da Força Tarefa no Combate a Festas Clandestinas. Eles já sabiam tanto sobre a festa quanto da presença de David Neres e Arboleda, por conta de agentes infiltrados em grupos de WhatsApp e de eventos nas redes sociais.

Um vídeo divulgado pela Polícia Civil mostra detalhes da operação. Nas imagens é possível ver as pessoas aglomeradas e consumindo bebidas alcoólicas. O dono da boate chegou a distribuir máscaras às pressas aos clientes ao perceber a fiscalização. Quinze deles, dos 124 que curtiam a balada ilegal, não conseguiram colocar a proteção. O estabelecimento pode ser multado em R$ 200 mil.

Cassino com Gabigol

Em março deste ano, em operação de fiscalização em São Paulo, a polícia fechou um cassino com 200 pessoas, sendo que dentre elas estavam o atacante Gabriel, do Flamengo, e o funkeiro MC Gui. Na semana passada, a Justiça extinguiu o processo contra o jogador após ele pagar R$ 110 mil por ter descumprido o distanciamento social durante a quarentena em razão da pandemia do novo coronavírus.

Com informações da Agência Estadão

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA