22.6 C
Vitória
sábado, 15 agosto, 2020

Salve lindo pendão da esperança!

Leia Também

PIX: ferramenta dos grandes bancos pra não perder pros novatos?

Conselheiro do Corecon avalia interesses que podem estar sendo preservados com o novo sistema, estruturado pelo BC, que passa a vigorar a partir de...

Planos de saúde vão cobrir exames para detecção do novo coronavírus

Os exames poderão ser feitos nos pacientes com síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave (SRAG)

Virou lei: Síndicos terão que enviar denúncias de agressões às autoridades

Mais um passo importante no enfrentamento à violência contra os mais vulneráveis na Capital. A lei nº 9.653/2020, de autoria do vereador Wanderson Marinho (PSC), ...

Em muitos países, a bandeira é a representação de uma nação soberana. E no Brasil?

“Independência ou morte!” A clássica frase atribuída a Dom Pedro I, no dia 7 de setembro de 1822, às margens do Rio Ipiranga, libertou o Brasil da colônia portuguesa. E logo após um dos episódios mais importantes da nossa história foram criados três símbolos para representar o Império: a bandeira, o selo nacional e o brasão de armas.

Ao longo do tempo, foram oficializados 13 modelos de bandeira. O símbolo que conhecemos hoje nasceu em 1889, quatro dias após a Proclamação da República, liderada pelo marechal Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do país.

Estamos prestes a comemorar mais um Dia da Independência do Brasil, mas o brasileiro conhece o verdadeiro sentido em celebrar essa data? Cravada em nossa bandeira, a frase “Ordem e Progresso” simboliza o positivismo e o respeito de uma nação com seu povo. Mas onde está o respeito do povo brasileiro, por exemplo, quando vai às ruas para manifestar seu descontentamento com o governo e, em momentos de fúria, rasga e queima nossa bandeira?

Fonte: TJES

Queimar a bandeira nacional já foi crime inafiançável. O Decreto-Lei nº 898, de 1969, tratava como delito o ato de “destruir ou ultrajar a bandeira, emblemas ou símbolos nacionais, quando expostos em lugar público”, com pena de prisão de 2 a 4 anos. O texto foi revogado com o advento da Lei de Segurança Nacional de 1978, que, por sua vez, foi revogada pela Lei nº 7.170/1983.

“O artigo 35 da Lei nº 5.700/1971, em vigor atualmente, não trata como crime (sujeito à prisão), mas como contravenção o ato de destruir ou ultrajar a bandeira, emblemas ou símbolos nacionais, quando expostos em lugar público. E para esses casos, há pagamento de multa”, disse a advogada do escritório Pinto & Modenesi Advogados Associados, Luiza Simões.

Tradições

A utilização da bandeira em eventos esportivos se tornou uma tradição e estimula um sentimento de patriotismo que emociona tanto os atletas quanto o público presente e também quem acompanha pela TV ou outras plataformas. Ao ser ela hasteada juntamente com a execução do Hino Nacional no momento da entrega de medalha, por exemplo, o peito ufanista do brasileiro se enche de orgulho. Em manifestações políticas também é comum vermos a bandeira nacional em vários tamanhos e formatos.

Foto: TJES

A relação com a bandeira varia de país para país. Enquanto nos Estados Unidos, por exemplo, ela tem total destaque, no Brasil isso não acontece, destaca o consultor em marketing político e diretor executivo da República Marketing Político Darlan Campos.

“A maneira como o brasileiro e o norte-americano se relacionam, em via de regra, com suas bandeiras é diferente. Nos EUA, a tradição democrática é grande, o que faz com que a construção e a consolidação dos símbolos nacionais sejam bem mais profundas do que aqui. Vale lembrar que as transições de regimes políticos no Brasil aconteceram em crises graves. Com isso, a República buscou consolidar um símbolo que representasse a nação, mas não houve participação popular”, pontuou Darlan.

Manifestações

Desde 2013, milhões de brasileiros vão às ruas se manifestar sobre várias causas. Em períodos de eleições presidenciais ou transição de governos, o país se divide em direita e esquerda, e acabam acontecendo muitos protestos. Pessoas vão às ruas “vestidas” com a bandeira do Brasil para demonstrar um patriotismo que por vezes se perde quando entram em cena outros sentimentos ou os próprios interesses.

A historiadora Renata Beatriz destaca que “ao utilizar a bandeira em protestos deveríamos questionar: de qual Brasil estamos falando? Acredito que, mais do que condenar o uso da bandeira, precisamos fazer boas perguntas sobre o que ela significa e quais relações isso tem conosco enquanto povo”.

Fonte: Brasil Escola

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Com reação à pandemia, alta dos desembolsos do BNDES é a maior desde 2009

Na comparação dos desembolsos trimestrais com iguais períodos de anos anteriores, sempre corrigindo pela inflação, a alta de 61,6% foi a maior desde o terceiro trimestre de 2009

Com pandemia, Brasil tem queda recorde da atividade no 2º trimestre

Os dados do BC já levam em conta os ajustes sazonais, o que permite a comparação de um trimestre com os três meses imediatamente anteriores

Idaf realiza ação educativa na Ceasa/ES

Com o objetivo de conscientizar produtores rurais e compradores sobre a importância do Serviço de Inspeção Oficial nos produtos de origem animal, o Instituto...

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Vida Capixaba

Novas passarelas de pedestres em Viana

A Eco101 iniciou as obras para a implantação de mais três passarelas de pedestres na BR-101/ES/BA, totalizando 19 estruturas ao longo da rodovia. Atualmente, existem...

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...
Continua após publicidade