24.9 C
Vitória
quinta-feira, 20 janeiro, 2022

NATACHE
BARROS

Rompendo Preconceitos

Leia Também

E hoje temos mulheres atuando nas mais diversas profissões que até então eram ocupadas somente pelo público masculino

Não é de hoje que ouvimos que as mulheres estão avançando em sua participação na sociedade, conquistando cada vez mais espaços e profissões que eram
somente ocupadas por homens.

Atualmente existem grandes movimentos que buscam esta tão sonhada igualdade de gênero, onde a competência falará mais alto e não o “ser mulher ou homem”.

Se formos analisar o papel da mulher na sociedade de 50 ou 60 anos atrás, era ínfimo, nem votar ela podia, pouquíssimas conseguiam estudar, pois entendia-se que iriam casar e se dedicar exclusivamente à família, sendo dona de casa. Nada contra ser dona de casa. Mas isso não bastava, queríamos ser também independentes, estudar, trabalhar, etc…. e assim começou-se o movimento de liberalidade feminina.

E hoje temos mulheres atuando nas mais diversas profissões. Postos de trabalho dos mais diversos, desde os mais operacionais, até os de alta gestão em grandes empresas Nacionais e Multinacionais. Podemos citar alguns nomes como exemplos temos: Mary Barra, Presidente Mundial da General Motors Company; Ana Theresa Borsari, tornou-se a primeira brasileira a assumir a Direção Geral da PSA, que reúne a Peugeot, Citroën e DS, em 2015. Temos a Empresária Luiza Helena Trajano que é presidente do grupo Magazine Luiza e também do Grupo Mulheres do Brasil, uma rede de mulheres que defendem a liderança da mulher na construção de um país melhor, que tem mulheres do mundo todo. Outro grupo que atua fortemente também no protagonismo feminino é a rede Hestia que desde 2017 a Publicitária paulistana Luciana Sata vem unindo mulheres para um propósito de conectar as mulheres em seus desafios, apoiando e sendo apoiada por elas.

Enfim, o que isso vem nos mostrar? que com muito esforço, luta, foco, empenho, perseverança e união as mulheres vem abrindo e conquistando seus espaços jamais imaginados.

Não quer dizer que com isso somos mais ou menos que os homens mas sim tão capazes quanto eles a assumir qualquer papel na sociedade e executa-lo com maestria. Que não é o gênero que define competência e sim o quanto se quer aquilo, o quanto se preparou para tal. Que independente de sermos homens ou mulheres acima de tudo somos seres humanos, somos seres que transformam, criam e se reinventam. E isso não quer dizer que os homens devem deixar de ser cavaleiros ou as mulheres passarem a agir como homens, não! E sim que ambos devemos aceitar e respeitar nossas diferenças e unir esforços para se construir um mundo melhor. Igualdade de gênero está longe de ser uma guerra dos sexos e sim o reconhecimento da capacidade feminina de desempenhar qualquer papel societário e profissional que ela se predisponha. Vamos juntas mulheres o mundo nos espera!!!

ES Brasil 186
Continua após publicidade

Mais Essas Mulheres

Blogs e colunas