21 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

Reforma tributária vira risco para oferta de plano de saúde aos trabalhadores

Especialistas alertam que empresas podem deixar de oferecer benefício por serem impedidas de aproveitar o crédito do imposto pago nas despesas com os planos

Por Redação

Regra da reforma tributária, que impede as empresas de aproveitarem o crédito do imposto pago nas despesas com plano de saúde dos colaboradores, pode desestimular a oferta e inviabilizar a permanência do benefício oferecido aos trabalhadores. É o que alertam advogados tributaristas, empresários e também a Associação Brasileira dos Planos de Saúde (Abramge).

- Continua após a publicidade -

Com o projeto de lei que regulamenta a reforma tributária, o novo Imposto sobre Valor Agregado (IVA) vai incidir de forma não cumulativa, gerando um crédito para a próxima empresa na cadeia de produção brasileira. Essa organização vai poder descontar o que já foi pago e recolher o imposto sobre a diferença. Porém, as empresas não vão poder aproveitar esse crédito nos gastos com plano de saúde.

Como a norma impede que as empresas deduzam do cálculo do novo IVA esses valores, haverá um custo a mais para as organizações, o que tem preocupado os especialistas.

“Se essa regra for mantida – após o projeto de lei de regulamentação da reforma tributária passar pelo Congresso –, muitas empresas podem acabar com os planos de saúde dos seus colaboradores ou reduzir a cobertura deles. Boa parte desses profissionais talvez não tenha condições de arcar sozinho com um plano de saúde e volte para o SUS (Sistema Único de Saúde), aumentando ainda mais a demanda e a pressão na rede pública”, ressaltou o advogado tributarista Samir Nemer.

Há casos em que a manutenção desse benefícios para os trabalhadores é algo obrigatório para as empresas, já que é um acordo feito em convenção coletiva de trabalho – que tem força de lei.

“Nesse caso, a organização tem de manter os planos de saúde dos profissionais, mas há ainda o risco de haver disputas judiciais entre empregadores e sindicatos devido ao custo mais elevado que os empresários terão”, pontuou Nemer, que é sócio do escritório FurtadoNemer Advogados.

Além do crescimento da despesa das empresas, outra preocupação é com a estabilidade financeira das operadoras de saúde, caso o número de usuários de planos reduza. Segundo a Abramge, o aumento dos custos médico-hospitalares tem causado um prejuízo operacional de R$ 17 bilhões para os planos, no acumulado dos últimos três anos.

Para o advogado Samir Nemer, como a reforma tributária pode ter consequências negativas para a saúde dos colaboradores e para a manutenção dos planos, é essencial que o Congresso e o governo federal considerem esses riscos ao implementar mudanças fiscais nesse setor.

“Ao meu ver, as despesas com os planos pagos pelas empresas deveriam gerar créditos a elas, para reduzir seus tributos, uma vez que esses gastos são custos relevantes das organizações para o bem-estar dos colaboradores”.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA