Portugal fará levantamento de acervo para reconstrução do Museu Nacional

Foto: Reuters

Durante reunião em Lisboa, em Portugal, foi definido que o país luso prestará todo o apoio necessário

O ministro da Cultura de Portugal, Luís Filipe Castro Mendes, se encontrou com o ministro da Educação Rossieli Soares, na sede do Ministério da Cultura, em Lisboa, na última sexta-feira (14), e informou que prestará todo o apoio necessário para a reconstrução do acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

O ministro português lamentou a tragédia e disse que esta é uma forma de manter viva a memória de muitos fatos que ocorreram no Brasil, inclusive. Ele contou, ainda, que, coincidentemente, estava no Rio de Janeiro, no domingo em que ocorreu o incêndio.

“Portugal é berço da história do Brasil. O incêndio ocorrido no Museu Nacional causou grande comoção e repercussão em nosso país. Nossa cooperação para recompor o acervo e patrimônio para o Museu Nacional será mais que um dever”, ressaltou Castro Mendes.

A diretora-geral do Patrimônio Cultural de Portugal, Paula Araújo da Silva, responsável pela gestão de todos os museus de Portugal, será a intermediadora. Ela visitará o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em missão oficial, para iniciar as primeiras tratativas de apoio ao Brasil.

Paula já tem realizado contato com a direção do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Brasil, para alinhamento de ações conjuntas entre os dois países.

O ministro brasileiro foi à Europa para participar da palestra no Fórum de Parceiros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris, e aproveitou o ensejo para discutir sobre o episódio do incêndio do Museu Nacional.

“Com essa grande tragédia, não poderia deixar de vir a Portugal, com quem o Brasil tem profundos laços históricos. Portugal será essencial para recompormos documentos e acervos a médio e a longo prazo para o museu que foi destruído”, ressaltou Rossieli.

História

O museu é a mais antiga instituição histórica do Brasil. Fundado por dom João VI em 1818, foi sede da primeira Assembleia Constituinte Republicana de 1889 a 1891. Atualmente, é vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com perfil acadêmico e científico.

O museu ofertava cursos de extensão e pós-graduação em várias áreas de conhecimento. Para esta semana, era esperado um debate sobre a independência do país. No próximo mês, estava previsto o IV Simpósio Brasileiro de Paleontoinvertebrados no local.


Leia mais:

Conteúdo Publicitário