21 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

Presidente do Flu fala sobre saída de Diniz: ‘Choramos muito’

“Estávamos tentando encontrar o caminho, mas não há nada mais importante do que o Fluminense”, afirmou Mário Bittencourt

Queda de performance, lanterna do Campeonato Brasileiro e desgaste com a torcida pela falta de resultados. Esses foram alguns dos argumentos apontados por Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, no CT do clube, para explicar a demissão do técnico Fernando Diniz após a derrota de 1 a 0 para o Flamengo.

“Estávamos tentando encontrar o caminho, mas não há nada mais importante do que o Fluminense. Precisamos encontrar soluções para o time voltar a vencer e a torcida parar de sofrer”, afirmou Bittencourt.

- Continua após a publicidade -

No Brasileiro, em 11 rodadas, o Fluminense venceu apenas uma partida. Nos outros dez jogos, o clube obteve três empates e sofreu sete derrotas. Nos últimos cinco duelos, a equipe carioca perdeu quatro vezes e empatou um compromisso.

Na conversa, que durou pouco mais de duas horas, o mandatário também tentou amenizar o ambiente nas Laranjeiras. Além de lembrar os títulos, o dirigente, que havia prorrogado o vínculo do treinador há pouco mais de um mês, contou como foi a despedida de Diniz.

“Não é fácil demitir um treinador que ganhou a Libertadores. A minha noite foi muito ruim porque eu teria que tirar o técnico que me deu o título. Construímos essa relação. A gente deu o mesmo abraço que em 2019, talvez com outra carga emocional. Choramos muito”, declarou.

Na coletiva, mais dois pontos foram destacados: a redução da multa contratual e, pelo menos por enquanto, o substituto para a função de treinador. “Quando discutimos a saída, negociamos um acordo de redução e parcelamento da multa (inicialmente o valor estava entre R$ 6 e 7 milhões)”, disse. Sobre o novo nome, uma solução caseira foi a solução: o ex-jogador Marcão.

“Até o dia de hoje, não pensamos em treinador e não conversamos com nenhum estafe. Temos a nossa filosofia de trabalho para deixar as pessoas trabalhando em paz. A tendência é que Marcão (auxiliar técnico permanente) fique até o final da temporada”, disse Bittencourt.

Em meio à crise, o Fluminense, que contabiliza seis pontos, volta a campo nesta quinta-feira pelo Campeonato Brasileiro e recebe o Vitória, rival que também está na zona de rebaixamento da competição. Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA