28 C
Vitória
terça-feira, 14 julho, 2020

Porto de Vitória: para onde iremos?

Leia Também

Covid-19: Brasil chega a 1,88 milhão de casos

Até o momento, 1.154.837 de pessoas se recuperaram da doença. Saiba mais! Com 733 novas mortes por covid-19 registradas nas últimas 24 horas, o Brasil chegou...

Ensino híbrido: conheça a tendência escolar para o mundo pós-pandemia

O chamado blended learning crescerá após pandemia, diz especialista. Saiba mais! Com o surgimento da pandemia da covid-19, da noite para o dia professores e alunos...

ES confirma mais de 63 mil infectados pela Covid-19

Chegou a 63.881 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo, de acordo com o “Painel Covid”, da Sesa.

Em artigo publicado recentemente, destaquei a importância inquestionável da atividade portuária para uma comunidade e a importância das empresas Operadoras Portuárias na execução desta atividade econômica. Apesar disso, por aqui, a existência destas empresas encontra-se ameaçada. A luz vermelha decorre do fato de, no ano de 2015, a comunidade portuária capixaba ter sido surpreendida com o pedido de “expansão de áreas” feito pelo TVV e PEIÚ, terminais portuários de uso público arrendados, localizados em Capuaba e Paul.

A demanda propõe, na verdade, “incorporação de instalações existentes” em detrimento de expansão de área, uma vez que tanto o TVV quanto o PEIÚ desejam adicionar às instalações arrendadas, instalações portuárias públicas plenamente operacionais e economicamente viáveis, geradoras de significativas receitas geradas para a Codesa com o seu uso.

As áreas pleiteadas são aos berços (locais de atracação de navios) 202, metade do berço 201 em Capuaba e o berço 905 em Paul. Atualmente estes berços são os mais utilizados por navios de maior porte que frequentam o Porto de Vitória e possuem cerca de 80% de taxa de ocupação. Os pedidos foram fundamentados em eventuais alegações de natureza técnico-operacional, que não prosperam em razão de várias restrições de natureza física e ambiental em que se encontra o Porto de Vitória e que neste momento não cabe aqui elencarmos, já que se tratam, na realidade, de “pano de fundo” para outros objetivos.

A nosso ver, um forte fator impeditivo aos pedidos é a questão legal, já que contrariam o previsto no §6º do Art. 6º da Lei 12.815/13, assim como o previsto no Art. 24 do Dec. 8033/13. Por outro lado, eventual atendimento aos pleitos incorreria em fortes reflexos no ambiente concorrencial do Porto, com a caracterização de uma oligarquia, significativa redução de postos de trabalhos e obviamente a extinção da categoria econômica dos Operadores Portuários.

Se o Espírito Santo deseja e merece ter um Terminal de Contêineres em seu portfólio portuário, não será através de uma medida desta que o obterá. Mas sim refazendo seu “dever de casa”, a partir da elaboração de um Plano de Desenvolvimento Portuário – PDP, com participação de todos os setores envolvidos e que busque viabilizar esta instalação de acordo com as demandas do mercado e conceitos técnicos apropriados. Afinal, como Porto, não podemos ficar restritos às instalações atuais.

A operação portuária hoje é privada, realizada por empresas particulares (Operadores Portuários), mediante pagamento de tarifas públicas pela utilização das suas instalações. O modelo usado é o LandlordPort, praticado nos principais portos do mundo, como o de Roterdã. Nesta importante atividade econômica devemos estar atentos ao chamado processo de “desoneração do Estado”, tão propalado nos dias de hoje, em função da situação que o atravessa o País, para que não seja observado o que ocorreu no setor ferroviário onde o maior e principal usuário é o próprio concessionário.

O porto não pode ser mais considerado de forma isolada e individual como um complexo de instalações, mas sim reconhecido como gerador de importante atividade econômica que deve interagir com a comunidade local em face de seus reflexos sociais e econômicos. É neste contexto que se inserem os Operadores Portuários, empresas que geram empregos e renda contribuindo para o crescimento e desenvolvimento da região.

Nilo Martins de Cunha Filho, presidente da Associação dos Operadores Portuários do Espírito Santo (AOPES)

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Chefe ou líder? O que você é?

Entende-se que uma das características mais importantes de um líder é desenvolver uma equipe que seja capaz de funcionar sem ele

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

Vida Capixaba

Desafios do mercado audiovisual será tema de live

No bate-papo virtual também vão estar em pauta os desafios do mercado audiovisual e a experiência de Abel Santana no mundo das artes.

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia Por Letícia Vieira Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia:...

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...
Continua após publicidade