19.4 C
Vitória
domingo, 9 agosto, 2020

O cansado rock brasileiro

Mais Artigos

Dividendos “isentos” são taxados em 34%

No Brasil, com mais de 60 tributos federais, estaduais e municipais, uma empresa gasta, em média, 62,5 dias ou 1.501 horas ao ano para pagar impostos

Iluminação pública: Vila Velha saiu na frente!

Com essa conquista Vila Velha torna-se o primeiro município do Estado a ingressar num seleto grupo de cidades brasileiras que já viram ser este o melhor caminho para uma modernização estrutural

LAVA JATO: correção de rumos ou ataque frontal?

O tabuleiro da política nacional incorporou no jogo os resultados da Operação Lava Jato, isso é inegável

A reforma tributária no Congresso Nacional

A reforma tributária é dos temas mais complexos a ser abordado pelos parlamentares

O rock é um dos estilos de música mais populares do mundo. Modinhas vêm e vão, mas o ritmo regado a guitarras elétricas permanece como herói da resistência.

Segundo historiadores, o marco zero do rock aconteceu em julho de 1954, quando um então jovem chamado Elvis Presley entrou no Sun Studios, em Memphis, e gravou That’s Allright Mamma. Naqueles tempos, Presley era um desconhecido caminhoneiro e só queria fazer um agrado para a sua mãe.

Por ter surgido da mistura de gêneros, entre o blues, soul music e, paralelamente, o funk, o rock acabou valorizando e projetando mundialmente a música negra em uma época de uma sociedade declaradamente segregacionista. Direta ou indiretamente, o novo gênero musical em muito colaborou com a luta de Martin Luther King, que atingia seu ápice na década de 60, pela igualdade entre negros e brancos. Os britânicos do Beatles, inclusive, recusaram-se a tocar para uma plateia segregada num show em 1961, nos Estados Unidos.

Não é à toa que o rock se tornou uma das mais importantes formas de manifestação cultural naquele período e se estendeu pelas décadas seguintes. A nova “autonomia” da juventude como uma camada social separada foi simbolizada por um fenômeno que, nessa escala, provavelmente não teve paralelo desde a era romântica do início do século XIX: o herói cuja vida e juventude acabavam juntas. Essa figura, antecipada na década de 1950 pelo astro de cinema James Dean, foi comum, talvez mesmo como um ideal típico, no que se tornou a expressão cultural característica da juventude – o rock.

Já no Brasil, o primeiro sucesso no cenário do rock apareceu na voz de uma cantora Celly Campello, que estourou nas rádios com os sucessos Banho de Lua e Estúpido Cupido, no começo da década de 1960. Em meados desta década, surge a Jovem Guarda com cantores como, por exemplo, Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa. Com letras românticas e ritmo acelerado, começa fazer sucesso entre os jovens.

Na década de 1970, surge Raul Seixas e o grupo Secos e Molhados. Na década seguinte, com temas mais urbanos e falando da vida cotidiana, surgem bandas como: Ultraje a Rigor, Legião Urbana, Titãs, Barão Vermelho, Kid Abelha, Engenheiros do Hawaii, Blitz e Os Paralamas do Sucesso. Na década de 1990, fazem sucesso no cenário do rock nacional: Raimundos, Charlie Brown Jr., Jota Quest, Pato Fu, Skank entre outros.

Foto: Reprodução

E tal e qual na política, o Rock Brasileiro foi nos anos 90 repleto de fracassos e fraudes, passando pela insipiência e total falta de criatividade. Com o início do terceiro milênio, o avanço tecnológico, as facilidades na veiculação e acesso à informação, poderia ter trazido às terras brasileiras no que tange ao Rock uma sedimentação. Mas o que ocorreu foi justamente o contrário. Os artistas das bandas “antigas” se cansaram das dificuldades e muitos abandonaram o barco, outros trocaram de bandeira e foram ganhar dinheiro mais fácil. A história foi se perdendo, as referências apagadas. Pouco sobrou e também pouco interessava a essa “nova” legião de “roqueiros” que tinham fácil acesso a instrumentos, sistemas de gravação e distribuição de música.

Um parêntese com relação a uma frase decantada, requentada e repetida por muitos músicos e artistas, de autoria de Milton Nascimento: “Todo artista tem de ir aonde o povo está.” Sob o ponto de vista de postura cultural e política, um artista tem que ser provocador e inovador, ditando tendências culturais, nunca ir na tendência da manada popular. Mas isso tem que ser levado “onde o provo está” e não esperar que este venha até ele. Em outras palavras, o Rock tinha que ter ido até as periferias, aos guetos mais pobres e mostrar ao “povo” seu espírito provocador e inovador, não esperar que ele saísse da periferia por livre e espontânea vontade e os fosse procurar em seus redutos. Mas a arrogância e a preguiça da maioria dos artistas fizeram com que preferissem ficar no papel de um Maomé esperando que a montanha chegasse até ele. Enfim, o Rock no Brasil perdeu sua grande oportunidade de ser o que foi na maior parte dos países onde se estabeleceu e se firmou.

Manoel Goes Neto é presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha e diretor no IHGES

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Balança comercial tem superávit de US$ 8,060 bilhões em julho

O resultado de julho foi mais do que o dobro registrado no mesmo mês do ano passado, quando foi positivo em US$ 2,391 bilhões

Educação é a maior despesa dos municípios capixabas

Levantamento da 26ª edição do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, da Aequus Consultoria, publicado em julho de 2020, traz um apanhado detalhado da gestão...

Iluminação de Vila Velha: confira resultado do leilão

O parque de iluminação pública de Vila Velha (ES) será ampliado e modernizado pelo Consórcio SRE – IP Vila Velha, pelos próximos 20 anos.

Dia dos Pais: 47,8% das pessoas comprarão presentes on-line

De acordo com uma pesquisa, 57,6% das pessoas entrevistadas pretendem celebrar o Dia dos Pais; 21,5% ainda estão na dúvida sobre comemorar ou não.

Vida Capixaba

Mostra on-line de arte e cultura em Vitória

A distância dos palcos não impediu que os alunos dos espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) se apresentassem ao público em 2020. Durante...

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...

Curso gratuito de gestão

Empresa de tecnologia lançou o treinamento para formação de gestores com foco ERP devido a carência de bons gestores com capacidade para desenvolver o...

Espaço Baleia Jubarte reaberto

O Projeto Baleia Jubarte e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, junto com o Projeto TAMAR, prepararam um protocolo de segurança específico para o Espaço Baleia Jubarte e Centro de Visitantes