21.4 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro, 2020

Ministério espera alta de óbitos para agir contra 2ª onda

Leia Também

Feirão on-line do SPC para negociar dívidas

Banestes participa, durante o mês de dezembro, do Feirão On-line do Serviço de Proteção (SPC), organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da Grande Vitória

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue

No próximo dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. O dia tem como objetivo agradecer aos doadores de sangue pela ação de doar

Comportamento do empresário capixaba mudou

Empresário capixaba enfrentou diversos desafios para conseguir a reabertura de 81% dos pequenos negócios

O ministério, porém, abandonou metas essenciais para o controle da pandemia, como de realizar 24,2 milhões de testes PCR

Por Mateus Vargas (AE)

Apesar do aumento de casos e internações por covid-19 em algumas regiões do Brasil, a cúpula do Ministério da Saúde avalia que não é hora de endurecer restrições para o controle da pandemia, como recomendar o isolamento social, ou reforçar a testagem no País. O alerta somente será disparado, segundo relatos feitos ao Estadão por autoridades que acompanham as discussões, quando houver alta consistente no número de mortes.

Embora ainda discutam novas medidas a serem tomadas, secretários de Estados e municípios aumentaram a pressão para que o ministério ajude a controlar a pandemia. Além do reforço na estratégia de testes, eles pedem garantias de que o custeio de leitos exclusivos para tratar pacientes da doença será renovado. A preocupação foi levada à pasta em reuniões nas últimas semanas Isso porque o estado de calamidade que garantiu mais verba para a Saúde vai até 31 de dezembro e no Orçamento de 2021 não há previsão de dinheiro extra para financiar o combate à pandemia.

O comando do ministério acompanha as curvas de casos e mortes nos Estados. Nesta semana, militares da Saúde telefonaram para secretários e fizeram perguntas sobre o crescimento de óbitos. Encerraram as conversas com a certeza de que os números mais elevados eram reflexo do represamento de dados. Algumas notificações levaram dias para entrar no cálculo da doença no Brasil, pois a rede da Saúde ficou fora do ar após ataque cibernético.

Tutelado pelo Palácio do Planalto e sob o comando do general Eduardo Pazuello, a cúpula do ministério adotou postura reticente na pandemia. O discurso do governo Jair Bolsonaro é de que não cabe ao ministério impor medidas para restringir a circulação de pessoas, como o fechamento de comércios e escolas, por exemplo, mas aos Estados e municípios. Na prática, a pasta nem sequer estimula este debate, mas afirma que cumpriu com a sua parte ao entregar respiradores, custear leitos e repassar recursos para compra de insumos.

O ministério, porém, abandonou metas essenciais para o controle da pandemia, como de realizar 24,2 milhões de testes PCR – considerado “padrão ouro” – no Sistema Único de Saúde (SUS) até dezembro. O produto detecta a presença do vírus nos pacientes e ajuda a estratégia de isolar infectados, quebrando cadeias de transmissão. A rede pública fez até agora só 4,8 milhões destes exames, ou seja, cerca de 20% do previsto.

Formada principalmente por militares, a cúpula da Saúde ainda aguarda posição do Palácio do Planalto para se manifestar sobre o recrudescimento da doença em algumas regiões do País, segundo autoridades que acompanham os debates no ministério. Uma barreira é a visão de Bolsonaro sobre o tema. Na segunda-feira, 16, o presidente disse que a economia poderia não dar conta de um novo lockdown. Assim, antes de receber uma diretriz do Planalto, a expectativa de especialistas e autoridades é de que a Saúde deve entregar respostas cautelosas sobre o aumento de casos do novo coronavírus. Em nota enviada ao Estadão sobre possível “segunda onda’, a pasta disse apenas que mantém “vigilância contínua da circulação do vírus em todo território nacional” e presta apoio “aos Estados e Municípios para o enfrentamento à covid-19”.

A postura reticente do ministério foi evidenciada nesta quarta-feira, quando uma simples mensagem nas redes sociais da pasta foi apagada por citar “isolamento social” como medida para segurar o vírus, além de reconhecer que não há vacina ou cura para a doença. Apesar de seguir a cartilha de entidades científicas e da Organização Mundial da Saúde (OMS), a publicação estava na contramão do presidente Jair Bolsonaro, que minimiza a gravidade da doença, dispensa máscara, provoca aglomerações e estimula uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, como a hidroxicloroquina.

Para especialistas, a estratégia do ministério pode descontrolar ainda mais a pandemia no Brasil. “Será uma ação tardia, se deixar para agir após o aumento de óbitos. Este é o último dado que vai registrar alta. São semanas até se traduzir em aumento nos óbitos”, afirmou Marcelo Gomes, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e coordenador da plataforma InfoGripe.

Segundo apurou o Estadão, ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, tem dito a interlocutores que, apesar do aumento de casos em alguns locais, não espera a mesma proporção de mortes do começo da pandemia. O general afirma que é preciso observar o comportamento do “novo ciclo” da doença na Europa para compreender o possível recrudescimento da pandemia no Brasil. Ele analisa que o correto é avaliar a doença em ciclos em vez de ondas.

Pazuello também argumenta que o tratamento do coronavírus avançou, mesmo sem cura ou vacina. Na gestão do militar, a Saúde cedeu a pressões do presidente Jair Bolsonaro e passou a recomendar o uso da hidroxicloroquina, contrariando a OMS e entidades como a Sociedade Brasileira de Infectologia.

O ministro afirmou a auxiliares que ainda não vê razões para reforçar as medidas de proteção, pois o aumento da contaminação seria normal neste momento de relaxamento do distanciamento social. Para ele, a curva de óbitos é o indicador de que é preciso agir.

Para o sanitarista, professor da USP e primeiro presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gonzalo Vecina, a estratégia do ministério mostra “despreparo” de quem “não entende de epidemiologia”. “Para variar, a falta de liderança do ministério acaba levando a esse desastre.”

Alerta

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, disse, por meio de sua assessoria, que tem notado o aumento de casos e maior taxa de ocupação de leitos, principalmente nas Regiões Norte e Nordeste. “A Europa já vive sua segunda onda. É questão de tempo ela chegar ao Brasil”, constatou ele, ao cobrar a manutenção de cerca de 5 mil leitos de UTI, abertos na pandemia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Feirão on-line do SPC para negociar dívidas

Banestes participa, durante o mês de dezembro, do Feirão On-line do Serviço de Proteção (SPC), organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da Grande Vitória

Faturamento do setor de máquinas cresce pelo 5º mês seguido, diz Abimaq

Segundo a Abimaq, deve-se ao aumento dos investimentos no Brasil com máquinas e equipamentos fabricados localmente

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue

No próximo dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. O dia tem como objetivo agradecer aos doadores de sangue pela ação de doar

Força Tarefa vai atrás de arquivos de pedofilia na Deepweb

Black Dolphin, em referência a uma prisão localizada na fronteira com o Casaquistão conhecida por abrigar presos condenados à prisão perpétua

Família com chefes negros sobrevivem com metade do gasto

O gasto per capita com alimentação das famílias com chefes brancos era de R$ 269,44 ante R$ 181,60 entre as famílias com chefes negros

Confiança do consumidor cai 0,7 ponto em novembro, diz FGV

O item que mede o otimismo em relação à situação econômica foi o que mais contribuiu para a queda do ICC no mês

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Fique por dentro

Bruno: espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

"A medida que está reduzindo auxílio e aterrissando no Bolsa Família, a economia vai retomando", disse o secretário do Tesouro

MJ leiloa 434 cabeças de gado usado para lavagem de dinheiro

Segundo o ministério, o leilão é resultado da alienação antecipada decretada pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. "Falha nossa"

Vida Capixaba

Papai Noel em formato digital

Imagine o seu filho(a) receber uma mensagem do Papai Noel pelo whatssap ou poder interagir com realidade virtual?. Essa é novidade do shopping Boulevard, aposta para o natal desse ano

Sabores da Terra começa dia 26 na Praça do Papa

Feira sabores da terra reúne 715 empreendedores de diversos setores do Estado no próximo dia 26

Influenciadores digitais criam e-book sobre Espírito Santo

Um E-book com informações turísticas do Estado foi elaborado por um grupo de nove colaboradores. O livro digital intitulado “Conheça o ES” reúne informações dos 78 municípios do Espírito Santo

Cuidados da Mente: novo modelo de negócio na saúde mental

Grupo investe em novo modelo de negócio para atendimento em saúde mental, apostando em diagnósticos mais precisos e diminuição no número de internações
Continua após publicidade