27 C
Vitória
quinta-feira, 29 outubro, 2020

Menos de 14% dos aplicativos contam com recursos de acessibilidade

Leia Também

Sebrae trabalha para ampliar a participação dos pequenos negócios nas exportações brasileiras

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, participou de um painel do Nordeste Export – Fórum Regional de Logística e Infraestrutura Portuária

Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos

A indústria da construção civil segue em ritmo acelerado, com avanço na atividade e na utilização da capacidade operacional. Com informações da Agência Brasil  A pesquisa...

Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo é prorrogada até final de novembro

As Campanhas de Vacinação contra a Poliomielite, e sarampo foram prorrogadas em todo o país até o dia 27 de novembro

Menos de 14% dos aplicativos disponíveis para sistema Android contam com um recurso de acessibilidade fundamental para pessoas com deficiência visual: a descrição de imagens.

Com informações da Agência Brasil

Somente 37% dos campos editáveis estão claramente identificados e menos de 11% dos botões de comando são indicados adequadamente. Os botões ajudam o usuário a perceber melhor o que a interface de cada aplicativo contém, aprimorando, assim, a usabilidade.

Os dados fazem parte de um levantamento elaborado pelo Movimento Web para Todos e pela empresa BigDataCorp.

Os resultados foram obtidos após análise de mais de 2 mil aplicativos baixados por meio da loja da Google Play (para celulares com sistema Android) e que ultrapassaram 10 milhões de downloads

A pesquisa mostra que menos de 1% dos aplicativos descreve todos os elementos pesquisados e todas as imagens que aparecem na tela.

Feita com o apoio técnico da equipe brasileira do World Wide Web Consortium (W3C) e do Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), o estudo aponta que apenas 4% dos aplicativos especificam todos os botões que aparecem na tela. Ao todo, 63% dos aplicativos têm menos de 10% dos campos editáveis com sinalização, 55% oferecem menos de 10% das imagens com descrição e 74% possuem menos de 10% dos botões rotulados.

Parâmetros

Para auxiliar desenvolvedores de aplicativos, o W3C formulou o documento Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web (WCAG) 2.1, que reúne recomendações para tornar a internet um espaço mais acessível.

Nele, é possível encontrar ferramentas que facilitam a navegabilidade para pessoas com deficiência visual, auditiva, física, de fala, intelectual, de linguagem, de aprendizagem e neurológica.

A referência, porém, não é tão aproveitada como poderia ser, segundo o jornalista e ativista na área de acessibilidade e inclusão Gustavo Torniero.

“A verdade é que existem parâmetros técnicos que os desenvolvedores deveriam seguir para os app e nem sempre é o que acontece. É necessário que os desenvolvedores e as empresas que produzem essas aplicações tenham o que a gente chama de DNA da civilidade, da diversidade”, diz Torniero, que também é embaixador do Movimento Web para Todos.

Ele destaca que essa deve ser uma preocupação de toda a equipe de desenvolvimento, e não apenas de uma pessoa. “As equipes precisam ser integradas e ter na cultura organizacional essa visão de que é preciso pensar em diferentes especificidades.”

Apesar de observar, nos últimos anos, uma mobilização significativa da sociedade brasileira em torno da acessibilidade digital, Torniero afirma que ainda há um longo caminho a ser percorrido.

“Hoje, há uma presença maior de smartphones nas casas dos brasileiros. O acesso à internet se dá, em grande parte, por meio dos celulares e, se os aplicativos são inacessíveis, as pessoas passam a não ter acesso a uma série de serviços e produtos. Isso acontece comigo, como pessoa cega. Eu enfrento várias barreiras dessas no meu dia a dia”, relata, citando que já teve problemas para usar aplicativos de bancos, finanças e até mesmo plano de saúde.

O último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, apurou que 45,6 milhões de brasileiros têm pelo menos um tipo de deficiência. O grupo correspondia a 23,9% da população, na época.

Modelo participativo

Na avaliação de Ademilson Costa, consultor de acessibilidade da Fundação Dorina Nowill, as soluções sugeridas pelo guia do W3C têm baixo custo e dependem mais da vontade dos desenvolvedores e das empresas de tornar os aplicativos mais acessíveis.

“Todas essas diretrizes, normas, não há investimento nenhum. O investimento que há é referente à capacitação, de buscar o conhecimento, porque é o que a gente sempre fala: quando vai falar de acessibilidade para os desenvolvedores e programadores, eles se espantam, porque a maioria deles, por mais que tenham todo o conhecimento técnico, de JavaScript, HTML, PHP, todas as linguagens de programação, desconhecem as diretrizes de acessibilidade, as normas”, afirma.

Costa defende que a inclusão digital só irá ocorrer efetivamente se as pessoas com deficiência puderem atuar de forma mais direta. “Temos um lema, da ONU [Organização das Nações Unidas], que é: Nada sobre nós sem nós. Ou seja, tudo que envolve as pessoas com deficiência precisa ter a participação, o envolvimento das próprias pessoas com deficiência”, diz.

“E, quando a gente fala de acessibilidade web ou de aplicativo, as pessoas com deficiência precisam participar das validações, dos testes. Eu vejo que as empresas, nesses últimos anos, de 2015, 2016 pra cá, começaram a enxergar um investimento nisso”, acrescenta, pontuando que a falta de recursos básicos que facilitem a navegabilidade de pessoas com deficiência configura violação de direitos dessa parcela da população e se agrava com a pandemia de covid-19.

Sites

Outro levantamento da BigDataCorp, feito em abril deste ano, também em parceria com o Movimento Web para Todos, revelou que, dos 14 milhões de sites brasileiros ativos, menos de 1% respeita critérios de acessibilidade. No caso de sites governamentais, o percentual é ainda menor, de 0,34%.

Em entrevista à Agência Brasil, o CEO e fundador da BigDataCorp, Thoran Rodrigues, pondera que a ausência de mecanismos simples que democratizem os aplicativos serve de alerta.

Ele julga que as adaptações feitas para pessoas com deficiência visual são as mais fáceis de serem implementadas e que, portanto, ao serem ignoradas por desenvolvedores, mostram que cuidados mínimos estão sendo deixados de lado.

“É [na área de suprir as lacunas de deficiência visual] que existe mais tecnologia para ajudar, desde que você monte seu site ou seu aplicativo da maneira correta. No mínimo, as pessoas deveriam fazer o mais fácil e o que a gente vê, na prática, é que não estão fazendo nem isso. Então, provavelmente, as pessoas com outros tipos de deficiência têm mais dificuldade do que as com deficiência visual”, afirma Rodrigues.

Matéria AnteriorJosé Celso Cláudio
Próxima MatériaCongresso Nacional
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Sebrae trabalha para ampliar a participação dos pequenos negócios nas exportações brasileiras

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, participou de um painel do Nordeste Export – Fórum Regional de Logística e Infraestrutura Portuária

Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos

A indústria da construção civil segue em ritmo acelerado, com avanço na atividade e na utilização da capacidade operacional. Com informações da Agência Brasil  A pesquisa...

Governo não planeja prorrogar GLO na Amazônia até 2022, diz Mourão

Vice-presidete apresentou nesta quarta-feira, 28, ao presidente Jair Bolsonaro o planejamento de estratégias do Conselho da Amazônia

Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo é prorrogada até final de novembro

As Campanhas de Vacinação contra a Poliomielite, e sarampo foram prorrogadas em todo o país até o dia 27 de novembro

ES terá contrato de descomissionamento de plataforma com a Petrobrás

O Estado será o primeiro no país a ter esse tipo de contrato com a Petrobrás

Confiança da indústria sobe a 111,2 pontos em outubro, revela FGV

O nível de estoques subiu de 108,1 pontos para 114,2, e o indicador de demanda cresceu de 106,2 para 110,3 pontos

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 181
Continua após publicidade

Fique por dentro

Ajuste fiscal passa por reformas que aumentam produtividade, diz Bruno Funchal

Funchal disse que o teto dos gastos já endereçou o primeiro problema estrutural da questão fiscal brasileira

Pet – Um mercado sem crise

Segmento cresce na mesma proporção que o amor dos tutores por seus "filhos" A gente ama, cuida e não vive sem. Sendo eles pequenos, peludinhos...

Governo revisará projeção de queda do PIB para 2020 em novembro, diz secretário

"Todos os indicadores de atividade mostram um forte recuperação em V da economia", afirmou Waldery

Boletim aponta queda no turismo do Espirito Santo

O secretário de Estado de Turismo, Dorval Uliana, destacou a importância deste acompanhamento sistematizado, que permite o planejamento de ações cada vez mais eficientes

Vida Capixaba

Recept: Turismo receptivo ganha representação

Com o objetivo de ajudar a fortalecer o setor de turismo receptivo brasileiro, que conta com mais de 3 mil agências, foi lançada, nesta terça feira (27) a Recept (Associação Brasileira de Turismo Receptivo).

Qualificar ES abre 26 mil vagas em cursos on-line

O programa Qualificar ES abriu 26 mil vagas em cursos on-line gratuitos. Aqueles que possuem mais de 16 anos e acesso à internet já podem se inscrever.

Visitas ao Parque da Pedra Azul agendadas por e-mail

O parque da Pedra Azul funciona em dois turnos, de 8h às 11h e de 13h às 16h, com limite de 50 visitantes por turno

Espírito Santo ganha novo espaço cultural

Os capixabas vão poder contar com mais um espaço para o crescimento e fomento da cultura no Estado
Continua após publicidade