29.9 C
Vitória
segunda-feira, 24 junho, 2024

Malta chama Zé Dirceu de “patrão” de Tóffoli após anulação de condenações

Senador capixaba Magno Malta disparou contra decisão da STF de anular condenações de José Dirceu e Marcelo Odebrecht

Por Robson Maia

O senador capixaba Magno Malta (PL-ES) criticou as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que anularam as condenações do petista José Dirceu e do empresário Marcelo Odebrecht decorrentes da Operação Lava Jato. O parlamentar do Espírito Santo publicou um vídeo em que disse que Dirceu é “patrão” do ministro Dias Toffoli.

- Continua após a publicidade -

Nesta semana, na última terça-feira (21), Dirceu teve sentença de 11 anos de prisão por corrupção passiva extinta pela 2ª Turma do STF por prescrição. Já Odebrecht teve todas as condenações proferidas pelo ex-juiz e atualmente senador Sergio Moro (União-PR) anuladas pelo ministro Dias Toffoli, sob a alegação de irregularidades nas investigações.

No vídeo publicado em suas redes sociais, Malta mencionou as duas decisões e chamou Dirceu de “patrão” de Toffoli. O capixaba relembrou que, antes de ser nomeado para STF, ainda em 2009, quando Luiz Inácio Lula da Silva exercia o segundo mandato, o ministro atuou como advogado do Partido dos Trabalhadores (PT).

“O Toffoli, que foi indicado pelo Zé Dirceu, que era o patrão dele, para o Supremo Tribunal Federal, foi quem o absolveu e agora absolve o Marcelo Odebrecht, que foi lá, confessou, delatou. Está tudo gravado”, disse o senador.

“Você devia ter vergonha, Marcelo, na sua cara. O ministro Toffoli, então, se eu disser para o Toffoli que é vergonhoso o que ele fez, eu vou tomar um processo, porque aí eu estou atingindo a Corte, depois de uma sandice dessas”, disse Malta.

O senador “sugeriu” ainda que Toffoli usasse o dinheiro e os recursos das empreiteiras investigadas pela Lava Jato na reparação dos danos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

“Eu quero dar uma ideia para você, Toffoli: chama a Odebrecht e manda ela toda para o Rio Grande do Sul, com os engenheiros, com as máquinas, com tudo o que eles têm. Chama a OAS, chama a Queiroz Galvão. Todo mundo não voltou à cena? São os irmãos ricos, dos bois, os JBS, bota dentro do Rio Grande do Sul que resolve em uma semana. O dinheiro que eles devem, que eles roubaram, que eles tiraram, e que vocês aí disseram que não, que não aconteceu nada. E os acordos de leniência, Toffoli, que eles confessaram? Ficou por isso mesmo?”, criticou o capixaba.

Malta ainda se dirigiu ao ministro Luiz Fux. Durante o vídeo, o parlamentar pediu que o jurista respondesse às declarações de Dirceu, realizadas em uma entrevista, de que o ministro o teria “assediado moralmente durante mais de seis meses para recebê-lo”. “Ele [Fux] foi que tomou a iniciativa de dizer que iria me absolver. Ele falou textualmente”, diz Dirceu, na entrevista.

Malta também mostrou Dirceu, em outra ocasião, afirmando que “só existem dois poderes eleitos, que têm soberania popular: o Executivo e o Legislativo”. “O Judiciário é um órgão”, diz o petista.

“Veja o que Zé Dirceu fala sobre o Supremo Tribunal Federal. Vai eu falar isso, ou alguém que é ligado a Bolsonaro”, disse Malta. O senador ainda comparou a condenação dos presos pelos atos de 8 de Janeiro às decisões referentes à Lava Jato.

“Nós não podemos conviver com esse cinismo. Tem gente tomando 17 anos de cadeia. Zé Dirceu está perdoado. Odebrecht tá perdoada. Quem vai limpar, restabelecer a honra de quem tomou 17, 15 anos de cadeia tão somente por vandalismo. E outros nem participaram do vandalismo e estão tomando cadeia. Não tem lei nesse país. Vocês destruíram tudo”, disse o senador.

Confira o vídeo completo com as falas do senador:

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA