23 C
Vitória
segunda-feira, 1 março, 2021

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia

Por Letícia Vieira

Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia: “Ah, que saudade do som do silêncio!”. Mas, antes mesmo que pudesse desfrutá-lo, uma sensação tomou conta do seu corpo, e ela pôs-se a procurar as crianças. São três filhos: os gêmeos, de 4 anos, e Henrique, de 2. Qual não foi sua surpresa quando os encontrou na varanda de casa, brancos, no chão.

O talco para os pés do papai haviam pintado todo aquele cômodo da casa. Gustavo, um dos gêmeos, já prevendo uma reação nada feliz da mamãe, tentava limpar o chão com o primeiro pano que encontrou pela frente. Gael, com as mãos na cintura, dedurava o irmão: “Foi Gustavo que pegou e ele não te pediu permissão”. Henrique, não entendendo bem o que estava ocorrendo, ainda aproveitava os poucos minutos junto com a nova distração. Sem saber se ria ou se brigava, Patrícia se viu, mais uma vez, à beira de um ataque de nervos.

A pandemia obrigou toda a sociedade a mudar. Mudar hábitos, a forma de olhar a sociedade, as relações. Mas impôs às mães uma rotina ainda mais exaustiva. Determinou a soma de trabalho em casa com mais trabalho em casa. Filhos, marido, home office, comida, limpeza, estudos e diversão: tudo junto, ao mesmo tempo, agora.

 

O dia a dia

A rotina antes da Covid-19 já não era fácil. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) referente a 2019 aponta que as mulheres que trabalham dedicam em média 18,5 horas para afazeres domésticos. Isso, antes da pandemia. Cozinhar, lavar louças e roupas, realizar pequenos reparos em casa, limpar a residência e o quintal, pagar contas, fazer compras e cuidar dos animais domésticos engrossa a lista de tarefas na rotina feminina, que inclui ainda os estudos e a profissão.

“Sabemos que a sobrecarga aumenta com a necessidade de todos permanecerem mais tempo juntos dentro de casa e pelo fato de a maioria das mulheres terem que conciliar a vida profissional, maternidade e afazeres domésticos” – Brunella Aloquio, psicóloga – Foto: Divulgação

Em geral, homens têm participação mais elevada para pagar contas e fazer consertos e compras para os lares. Dessa forma, a jornada semanal feminina demandava 53,3 horas em 2019, sendo 34,8 horas de emprego e 18,5 horas de cuidados da casa e da família. Se os números já eram discrepantes antes do novo coronavírus, existe espaço para imaginarmos os resultados que serão divulgados em 2021?

Patricia Vieira, a personagem da abertura desta matéria, conta que no início da quarentena, quando não tinha faxineira, mas contava com o marido em casa, era tudo corrido e um tanto tumultuado! “Isso porque tudo aquilo era novidade, e manter três crianças pequenas em um apartamento não era uma tarefa fácil. Eu tinha acabado de me mudar de uma casa com piscina e quintal para um apartamento e não podíamos ocupar área de lazer, por conta da restrição da pandemia. Dividir-me entre arrumar a casa, lavar roupa, cuidar das crianças, amamentar e fazer atividades da escola era superdesgastante! A comida era por conta do maridão!”

Depois de 15 dias, o esposo voltou ao trabalho e a faxineira passou a ir uma vez na semana. “Ainda era muito complicado ficar por conta de três pequenos, sozinha, e conseguir conciliar tudo! Cuidar, fazer atividades da escola do trio, dar comida e comer, brincar, cuidar da casa, botar roupa pra lavar, enfim, neste período eu quase enlouqueci! Agora, podemos dizer que temos uma rotininha. Trabalho fora duas vezes na semana e a minha faxineira/babá/braço direito e esquerdo está indo todos os dias! Confesso que há dias que ainda perco as estribeiras e acho que vou surtar. Afinal, ainda não podemos sair de casa e fazer tudo que antes fazíamos com as crianças”, afirma.

Patrícia ainda complementa: “Via-me na obrigação de ter a casa limpa, roupas em ordem, crianças felizes e ao mesmo tempo quietas dentro de casa, sem brigar e sem implicar com o irmão! Esquecemos que está difícil para elas também! Chorei alguns dias, sem que ninguém visse, pedindo aos céus ajuda para continuar e paciência com os meninos e implorando para que tudo voltasse ao normal e eu pudesse voltar ao trabalho! Culpei-me por não conseguir fazer tudo ao mesmo tempo! Hoje estou bem mais tranquila.
A gente se acostuma, né? Para de se cobrar tanto e percebe que nem tudo vai ser perfeito como sonhamos! Hoje sigo sendo mãe, professora e dona de casa e ainda consegui um espacinho aqui dentro de mim para empreender!”

“Pare de se cobrar tanto e perceba que nem tudo vai ser perfeito como sonhamos! Hoje sigo sendo mãe, professora e dona de casa e ainda consegui um espacinho aqui dentro de mim para empreender!” – Patricia Vieira Moreira, mãe e empresária, ao lado dos filhos e do marido – Divulgação

Sem a presença do pai

Janaina Pacheco é funcionária pública e vive sozinha com a filha, de 10 anos. No início da quarentena, ela admite ter sido bem difícil administrar os tempos e horários. “Pareciam férias sem ser.

Além disso, precisei entender a lógica das aulas on-line. Tive alguns problemas de acesso, precisei incentivar a minha filha nos estudos, cuidar da casa. Enfim, foi uma situação muito nova”, conta ela, que relata também como ficou a relação com a funcionária que a ajuda em casa. “Quando começou a quarentena, afastei minha faxineira, que vinha à minha casa duas vezes por semana. Então, era trabalhar, auxiliar e acompanhar os estudos, cuidar da casa, fazer almoço. Mil e uma utilidades. Como somos eu e minha filha em casa, confesso que foi bem cansativo. Não consegui fazer meus exercícios direito, pois estava morta no fim do dia.”

Sobre a atividade escolar, quando o modelo de aulas mudou, ela conseguiu ajustar melhor a rotina. “Acordamos às 7h para o café da manhã. As aulas começam às 8h. Então, verifico e faço minhas tarefas do trabalho, sempre ao lado, acompanhando as aulas. Faço almoço, que é uma coisa que às vezes não estou com a menor paciência, mas vamos lá. À tarde tem aula das 13h30 às 17h30. Então, nesse período, trabalho e estudo, enquanto minha filha acompanha as aulas. A demanda por atenção é grande, pois estamos as duas isoladas há meses. Às vezes faltam paciência e humor, mas é preciso respirar e continuar.”
Janaina afirma que este tem sido um período de grande aprendizado. “Eu e minha filha estamos muito próximas e o carinho e cumplicidade são cada vez maiores, embora isso também sobrecarregue as emoções, pois respondo a tudo: casa, comida, trabalho, escola, desânimo para o estudo. Diria que estamos indo bem, foram períodos iniciais de altos e baixos, mas agora parece que as coisas se encaixaram, ou estão com tendências a melhorar.”

Importância da rotina

A psicóloga Brunella Aloquio concorda que é importante estabelecer uma rotina, mesmo em um momento tão atípico como o que estamos vivendo. “Mas que seja uma rotina flexível e não muito rígida”, alerta a profissional, que ainda reforça a necessidade de tentar manter o máximo possível a agenda anterior à quarentena quanto aos horários de refeições, estudos, atividades com os filhos e exercícios físicos. “Porém, é normal que haja mudanças e a necessidade de adequação dessa rotina à realidade atual de cada família.”

Outra dica dos profissionais é envolver as crianças e adolescentes nesse arranjo. Isso contribui para que se sintam mais pertencentes e seguros, o que por sua vez ajuda no comprometimento com regras, por terem sido construídas em conjunto.
Elaborar uma rotina – diária e semanal – é importante para que todos os membros da família possam ter suas necessidades atendidas, além de reduzir a ansiedade na medida em que cada um sabe o seu papel e o que precisa fazer. Para Brunella, “quando a gente para e organiza essa rotina, consegue equilibrar os momentos de trabalho e lazer, de interação e autonomia.

Ou seja: planejar momentos de descanso e de ‘fazer nada’ também é um exercício muito bem-vindo!”. É importante ainda salientar que estamos vivendo uma situação atípica e anormal, então muitas reações como medo, ansiedade, irritação, tristeza e insegurança neste momento passam a ser absolutamente normais. Para Brunella, uma boa atitude é “traçar metas possíveis e ter expectativas realistas. Não adianta se cobrar para executar algo que é inviável nesse contexto. Outro fator que ajuda muito é estabelecer prioridades nessa rotina, focando aquilo que é realmente importante em cada situação”.

Ela ainda faz um alerta e chama atenção para o fato de que devemos “entender e aceitar que a mulher não precisa dar conta de tudo! Mais do que nunca, é necessário dividir responsabilidades e tarefas dentro de casa, sobretudo com relação ao cuidado com os filhos: aprender a pedir e a aceitar ajuda, inclusive de crianças e adolescentes, e compreender que não existe uma receita pronta sobre o que é ser uma boa mãe e que você está em constante aprendizado e construção do seu papel materno, do seu jeito”.

Como fica a saúde mental

As mulheres já são mais afetadas por transtornos ansiosos quando comparadas aos homens, e isso levanta preocupações, sim, pois a sobrecarga aumenta com a necessidade de todos permanecerem mais tempo juntos dentro de casa e pelo fato de a maioria das donas do lar terem de conciliar a vida profissional, maternidade e afazeres domésticos, além de cuidar do desafio de preservar a boa saúde mental. Isso é o que afirma Brunella Aloquio.


A psicóloga pontua que, “por ser algo recente no Brasil, temos poucos estudos científicos a respeito, mas, de acordo com uma pesquisa conduzida pela Catho com cerca de 7 mil entrevistadas, 60% das mães brasileiras afirmam sentir os impactos da quarentena na saúde emocional. Há destaque para a ansiedade, apontada por 79% delas. Entre as queixas mais comuns estão estresse, cansaço mental, desmotivação, insônia, tristeza, solidão e até mesmo depressão”.

Muitas dessas queixas tornam-se mais comuns em contextos de emergências e calamidades como é uma pandemia, mas não significa que devemos ignorá-las ou deixar de cuidar delas. “Justamente o contrário”, afirma Brunella, que ainda faz um alerta. “Cuidemos disso logo no início, de modo que não se torne transtorno mais grave ou crônico. Vale fortalecer as redes de apoio e até mesmo buscar ajuda especializada, se for o caso. Existem iniciativas muito interessantes – nos setores público e privado – no sentido de estudar, debater e oferecer suporte a mulheres e mães neste momento de pandemia, por meio de rodas de conversa, formações, grupos de apoio e atendimento psicológico propriamente dito. Vale a pena buscar essas iniciativas e não abrir mão de se cuidar e de pedir ajuda quando necessário.”

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Insatisfação com situação do país aumenta, segundo DataSenado

Instituto ligado à casa legislativa federal realizou levantamento com três mil brasileiros em janeiro, por telefone.

Câmara de Vitória abre debate sobre retomada do setor eventos

A Câmara de Vitória reuniu representantes do setor durante uma audiência pública junto com autoridades do Estado e Município

Setor Multimídia da Biblioteca Pública do Espírito Santo oferece cursos gratuitos

As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 25 de março

Um ano do primeiro registro da Covid-19 no Brasil

As autoridades anunciaram a primeira pessoa com Covid-19 no País em 26 de fevereiro de 2020. Um ano depois, batemos recorde de mortes diárias.

Expo Condomínio Completo apresenta protocolos sanitários e de biossegurança

Desde novembro de 2020, grandes eventos já vêm acontecendo no Espírito Santo

COVID-19: Quais as consequências para quem optar por não tomar a vacina?

Desde que foi anunciado o início da vacinação contra a COVID-19, capixabas passaram a se dividir em dois grupos. Os que querem e os que não querem

ES Brasil Digital

ESBrasil-185
Continua após publicidade

Fique por dentro

MEI tem que fazer a declaração do Imposto de Renda 2021?

Microempreendedores individuais devem ficar atentos ao teto de isenção do imposto.

Microcrédito do Banestes alcança R$ 103 milhões para 11 mil empreendedores

Esta é a quantidade de recursos repassados a pequenos negócios durante o ano de 2020 e beneficiou todos os municípios do Estado.

Desemprego em 2020 é o maior registrado desde 2012 no Brasil

Informações do IBGE mostram que taxa de desocupação média no ano passado representa 13,4 milhões de pessoas sem trabalho.

Banco Central aprova indicação de novo presidente do Bandes

Munir Abud assume o Bandes com o objetivo de ampliar e atualizar os produtos e serviços oferecidos para as empresas de todos os portes do Espírito Santo

Vida Capixaba

Setor Multimídia da Biblioteca Pública do Espírito Santo oferece cursos gratuitos

As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 25 de março

Expo Condomínio Completo apresenta protocolos sanitários e de biossegurança

Desde novembro de 2020, grandes eventos já vêm acontecendo no Espírito Santo

COVID-19: Quais as consequências para quem optar por não tomar a vacina?

Desde que foi anunciado o início da vacinação contra a COVID-19, capixabas passaram a se dividir em dois grupos. Os que querem e os que não querem

Cooabriel participa de reunião com OCB, Mapa e Banco Central

A Cooabriel participou, com mais duas cooperativas capixabas do Ramo Agropecuário, de uma reunião no dia 18 de fevereiro com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos
Continua após publicidade