19.5 C
Vitória
sábado, 8 agosto, 2020

Juntos somos mais fortes

Leia Também

Lei Maria da Penha: 14 anos e números ainda mais preocupantes

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), 17,8% das mulheres do mundo sofreram algum tipo de violência física ou sexual no ano de 2019

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...

Espírito Santo tem mais de 2,8 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições 2020

O perfil do eleitorado apto a votar no Espírito Santo foi divulgado nesta sexta-feira (07) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com informações do TRE-ES Na última...

No mundo, mais de um bilhão de pessoas estão ligadas a uma cooperativa, o que representa 14,3% da população do globo. No Brasil, o cooperativismo gera 361 mil empregos, concentra mais de 6,6 mil organizações e une 50 milhões de brasileiros.

Três anos consecutivos de seca e um final de 2016 com enchentes foram graves fatores que impactaram a economia capixaba, sem falar das crises nacionais. Mas a força do sistema cooperativista é tamanha que, ainda assim, há números e casos de sucesso a serem comemorados.

O movimento avança, mesmo em cenários adversos, e contribui bastante para o desenvolvimento do Espírito Santo, que hoje abriga 149 cooperativas, com cerca de 230 mil cooperados, atuantes em nove ramos da economia – agropecuário, crédito, saúde, consumo, educação, produção, transporte, trabalho e habitacional. Juntas, essas organizações geram mais de 20 mil empregos diretos e indiretos, envolvendo aproximadamente 600 mil pessoas, segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras no Espírito Santo (OCB-ES).

Impactos da seca
Os estabelecimentos rurais no Estado somaram um prejuízo de R$ 3,6 bilhões, quando se comparam os resultados atuais à safra de 2014 e considerando os preços praticados naquele ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). E não são poucos os casos em que a perda da safra chegou a 100%.

Especializada em polpa de frutas pasteurizadas, a Cooperativa de Valorização, Incentivo e Desenvolvimento Agropecuário Sustentável (Coopevidas), que já possui clientes no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, rejeitou uma proposta de exportação para a China. “Tivemos de recuar da proposta de exportar para os chineses para não colocar em xeque a qualidade de nossas frutas, diante da exigência do mercado asiático”, explica o presidente da cooperativa, Ady Brunini Gomes.

A agricultura familiar enfrentou outro grave problema este ano: a falta de cumprimento dos contratos fechados por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que determina que as prefeituras adquiram, no mínimo, 30% da merenda escolar de pequenos proprietários rurais.

A queda na produção se refletiu diretamente nas prateleiras dos supermercados, onde o litro do leite quase chegou a R$ 6,00. A Selita, maior fábrica de laticínios do sul do Estado, desde 2014 já viu reduzir-se em mais de 50% o volume de leite recebido. No início deste ano, a cooperativa captava em média 350 mil litros por dia e passou a receber 190 mil litros por dia em junho e julho.

Resultados positivos
Mesmo em um Brasil fortemente impactado pelos problemas na política, na economia e na disponibilidade dos recursos hídricos, as 29 cooperativas do setor rural capixaba, que reúnem mais de 27 mil produtores, foram responsáveis por fornecer 55% do leite processado no Estado e 1,5 milhão de sacas de café/ano.

Segundo o diretor-presidente da Selita, Rubens Moreira, para voltar à normalidade da produção serão necessários dois ou três anos. No entanto, a estruturação da cooperativa permitirá um investimento da ordem de R$ 65 milhões, na construção de uma nova unidade a partir de 2017, para expandir a capacidade instalada de processamento de leite, dos atuais 500 mil para 700 mil litros/dia.

A Cooperativa Agropecuária Centro-Serrana é outro exemplo de sucesso. “A Coopeavi também sentiu o impacto da seca, os negócios não fluíram como imaginávamos. Mas, com a força do cooperativismo, conseguimos consolidar investimentos e fortalecer as nossas áreas de atuação. Focados em buscar inovação e equilíbrio fiscal, estamos finalizando a revisão do plano estratégico para os próximos anos”, afirma o vice-presidente Denilson Potratz. Entre os novos mercados, a Coopeavi exportou 100 toneladas de café para a Itália em julho e outras 100 em agosto, beneficiando cerca de 130 famílias capixabas.

A Pronave, que reúne produtores do café arábica na região das montanhas, também conquistou novos mercados e exportou cerca de duas mil sacas do produto este ano, apenas aos Estados Unidos. E Cuba e Itália também estão fazendo contato para comércio.

O presidente da OCB-ES, Estherio Colnago, destaca o reflexo desses avanços. “As vendas dos nossos produtos para fora do Brasil trazem um novo ânimo às cooperativas, e isso ajuda muito. A entrada no mercado externo consolida o trabalho dos cooperados”, afirma.

Crédito e saúde
As cooperativas de crédito tendem a se fortalecer em um cenário de recessão, mas o Sicoob atingiu resultados acima da média brasileira. As receitas de serviços alcançaram R$ 56,6 milhões no primeiro semestre do ano – 21,6% a mais que o montante registrado no mesmo período em 2015. Os ativos tiveram alta de 22%, e agora a organização administra R$ 4,8 bilhões em bens e direitos. O patrimônio líquido encerrou o semestre em R$ 1,1 bilhão e o saldo de depósitos subiu 28%, fechando o semestre em R$ 2,7 bilhões. Os valores em poupança registraram aumento de 4%, totalizando R$ 482 milhões. “O cooperativismo capixaba tem governança e preocupação com o resultado; é voltado para potencialidade, alcance. E o caminho é esse”, disse Nailson Dalla Bernadina, diretor da entidade.

Na área da saúde, o cooperativismo é responsável por 75% dos atendimentos em hospitais públicos do Estado. A Unimed Vitória possui 37% do mercado capixaba, está entre as 25 maiores empresas do Estado e é a primeira colocada em seu ramo de atuação. “Temos hoje 2.300 médicos cooperados e mais de 324 mil clientes. Nossa estratégia de negócio passa pela qualidade do corpo de cooperados, pela construção de um novo modelo de assistência, focado na saúde preventiva e no cuidado integrado, e também pela oferta de serviços de excelência em unidades próprias e credenciadas”, afirma o diretor de Mercado da instituição, Remegildo Gava Milanez.

Números
Para ilustrar a grandiosidade do cooperativismo no Espírito Santo, não faltam indicadores. Das 200 maiores empresas em solo capixaba, 10% são cooperativas. Além disso, as organizações locais desse tipo faturaram R$ 4,4 bilhões em 2015, um crescimento de 65% nos últimos cinco anos. Outro dado importante é que dos mais de 775 mil alunos (dados 2015) da rede pública de ensino estadual e municipal, 71.633 são transportados diariamente por profissionais cooperativados.

“Neste ano serão aplicados R$ 100 milhões em infraestrutura, 26 mil propriedades rurais receberão apoio na comercialização de produtos, e serão disponibilizados R$ 4,8 bilhões em crédito e financiamentos”, afirma Carlos André de Oliveira, superintendente do Sistema OCB/Sescoop-ES.

Mesmo assim, ainda há muitas melhorias a serem conquistadas. “Entre os desafios que precisam ser vencidos pelo cooperativismo, é imperativo que se consiga agregar valor, por intermédio da capacitação de cooperados e do fortalecimento das estruturas”, enfatiza Esthério Colnago.

O cooperativismo foi tema da edição de julho do ESB Debate, uma parceria entre a ES Brasil e a OCB-ES que reuniu academia, gestores e associados para discutir as muitas questões referentes ao sistema. Ganharam destaque nos diálogos a necessidade de capacitação de mão de obra, o cuidado com a água e o grande e complexo desafio de reorganizar as relações de trabalho.

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Balança comercial tem superávit de US$ 8,060 bilhões em julho

O resultado de julho foi mais do que o dobro registrado no mesmo mês do ano passado, quando foi positivo em US$ 2,391 bilhões

Educação é a maior despesa dos municípios capixabas

Levantamento da 26ª edição do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, da Aequus Consultoria, publicado em julho de 2020, traz um apanhado detalhado da gestão...

Iluminação de Vila Velha: confira resultado do leilão

O parque de iluminação pública de Vila Velha (ES) será ampliado e modernizado pelo Consórcio SRE – IP Vila Velha, pelos próximos 20 anos.

Dia dos Pais: 47,8% das pessoas comprarão presentes on-line

De acordo com uma pesquisa, 57,6% das pessoas entrevistadas pretendem celebrar o Dia dos Pais; 21,5% ainda estão na dúvida sobre comemorar ou não.

Vida Capixaba

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...

Curso gratuito de gestão

Empresa de tecnologia lançou o treinamento para formação de gestores com foco ERP devido a carência de bons gestores com capacidade para desenvolver o...

Espaço Baleia Jubarte reaberto

O Projeto Baleia Jubarte e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, junto com o Projeto TAMAR, prepararam um protocolo de segurança específico para o Espaço Baleia Jubarte e Centro de Visitantes

Novas pinturas do Homero Massena são descobertas

Uma equipe que trabalha na reforma e conservação do Museu Homero Massena, teve uma supresa! Por trás de várias camadas de tinta de uma...
Continua após publicidade