Julho amarelo alerta para o perigo das hepatites

O dia 28 de julho é celebrado o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais (Fotografia - Divulgação/Governo Federal)

O SUS oferece tratamento gratuito para todos os tipos de hepatite

O dia 28 de julho é celebrado o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. Dados divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que no Brasil mais de 70% das mortes por hepatites virais são decorrentes da Hepatite C, seguido da Hepatite B, com 21,8%, e a Hepatite A, com 1,7%. Visando reduzir os índices no início do ano foi instituído no país o “Julho Amarelo”. A lei 13.802 prevê que o mês seja voltado para a luta contra as hepatites virais.

Para todos os tipos de hepatites, o Sistema Único de Saúde oferece tratamento gratuito. Através dos testes rápidos é possível saber em até 30 minutos se você tem algum tipo de hepatite, sem a necessidade de realizar exames laboratoriais. Para fazer o teste é só procurar uma unidade de saúde. O exame é feito com a coleta de uma gota de sangue da ponta do dedo, depois é só esperar o resultado e iniciar o tratamento, caso seja necessário.

Formas de transmissão

Hepatite A: A principal forma de transmissão é de uma pessoa contaminada para outra por meio da água, alimento, seringas ou itens de higiene pessoal.

Hepatite B: É transmitida pelo sangue e/ou nas relações sexuais sem preservativo. É possível contrair a doença por meio do compartilhamento de objetos como agulhas e seringas, lâminas de barbear, materiais cirúrgicos e odontológicos, materiais de manicure sem adequada esterilização ou por meio de materiais para confecção de tatuagens e colocação de piercings.

Hepatite C: É transmitida pelo sangue, uso de drogas com compartilhamento de seringas, agulhas e canudos de inalação e materiais perfurocortantes contaminados. Quem recebeu transfusão de sangue e/ou hemoderivados antes de 1993 deve fazer o teste.

Hepatite D: As relações sexuais e os contatos com sangue infectado são os dois meios mais habituais de transmissão da hepatite D. Portanto, o contágio resulta de relações sexuais sem preservativo, da utilização de objetos cortantes que possam ter vestígios sanguíneos, como lâminas de barbear, escovas de dentes, agulhas e seringas ou outro material (que não tenha sido submetido a esterilização) utilizado na preparação de drogas ou na realização de tatuagens, piercings, acupunctura e perfuração das orelhas.

Assista a matéria sobre o assunto feita pelo canal Futura

*Da redação com informações do Governo Federal 

Conteúdo Publicitário