PGR reitere pedido de prisão de Aécio Neves

Aécio Neves
Foto: Divulgação

A solicitação reiterando o pedido de prisão também envolve o deputado peemedebista afastado Rocha Loures (PR); ambos são alvos de inquérito após delação premiada de executivos da JBS.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reiterou pedido de prisão preventiva ao Supremo Tribunal Federal (STF) para senador tucano Aécio Neves (MG) e do deputado federal peemedebista Rodrigo Rocha Loures (PR). Ambos afastados após terem sido citados nas delações premiadas de executivos da empresa JBS.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recorreu da decisão do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, que negou a prisão preventiva. Janot pede que o ministro reconsidere a decisão ou leve com urgência o caso para o plenário, com intuito de que os 11 ministros da Corte analisem a possibilidade de prisão dos parlamentares. Os dois já foram afastados do mandato por Fachin na última quinta-feira, quando foi deflagrada a Operação Patmos, com base nas delações da JBS.

Justificativa

Segundo Janot, a prisão preventiva é “imprescindível” para garantia da ordem pública e instrução criminal, diante de fatos gravíssimos que teriam sido cometidos pelos parlamentares. Aécio e Rocha Loures foram gravados por Joesley Batista em negociação de pagamento de propina pelo empresário. Depois, ambos foram alvos de ações controladas pela PGR. Um interlocutor de Aécio e o próprio Rocha Loures aparecem nas filmagens recebendo dinheiro em espécie.

Ao pedir a prisão dos parlamentares a Fachin, Janot apontou que a situação era “excepcional”: “No tocante às situações expostas neste recurso, a solução não há de ser diversa: a excepcionalidade dos fatos impõe medidas também excepcionais”.

Aécio publicou um vídeo nesta terça-feira (23) alegando que não cometeu “qualquer crime” e afirmando que seu maior erro foi se deixar enganar “por uma trama montada por um criminoso”. Em cerca de 4 minutos, o tucano faz defesa enfática dele, de sua irmã, Andreia Neves, e do primo, Frederico Pacheco e diz que tentará reestabelecer o mandato.

Segundo Aécio, Andréa teria procurado o empresário Joesley Batista para vender um apartamento da mãe deles, a fim de pagar os honorários dos advogados. “Tenho de admitir que errei, por ter permitido que minha irmã se encontrasse com esse sujeito”. Aécio disse ainda que “os verdadeiros bandidos estão no exterior e zombam de nos brasileiros.”

Confira o vídeo

Conteúdo Publicitário
Compartilhe

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome