Iniciativas brasileiras se tornam referência mundial

Foto: Divulgação / Sebrae

As duas únicas iniciativas nacionais foram levadas a 14ª reunião de cúpula do G20, grupo das maiores economias do mundo, realizada no final de junho, no Japão

O Brasil segue sendo destaque internacional, desta vez, por conta da promoção das Indicações Geográficas (IGs) – que buscam auxiliar no desenvolvimento das micro e pequenas empresas administradas pelo Sebrae – e da Estratégia Nacional para Negócios e Investimentos de Impacto (Enimpacto), coordenada pelo Ministério da Economia.

As duas únicas iniciativas nacionais foram levadas para a 14ª reunião de cúpula do G20, grupo das maiores economias do mundo, realizada entre em 28 e 29 de junho na cidade de Osaka, no Japão. Além disso, o Brasil será inserido em um inventário com diversos exemplos de políticas dos membros do G20, chamado de “Exemplos de Negócios e Políticas voltadas ao Crescimento Sustentável e Inclusivo por Meio do Comércio e do Investimento”, publicação organizada pelo governo japonês.

E o Sebrae se destaca por realizar projetos de Indicações Geográficas, que visa a promover ações para fortalecer e estruturar outras no país, consolidando sua importância como estratégia para o desenvolvimento e para a ampliação da competitividade das pequenas empresas. Ao todo, são 63 IGs registradas, sendo que 70% delas estão ligadas ao agronegócio, principalmente no Rio Grande do Sul, no Paraná e em Minas Gerais.

“Estamos construindo o futuro da participação dos produtos das IGs nos mercados interno e externo. Isso é realidade na Europa, onde os produtos provenientes delas responderam por 15% das exportações em 2010. Vamos priorizar a elaboração da proposta de uma lei específica e a criação do selo para elas”, afirma a analista do Sebrae Nacional Hulda Giesbrecht.

Espírito Santo

A aceitação de produtos com reconhecimento de origem nacional abre a oportunidade para que o setor foque a produção com maiores qualidade e valor agregado, alcançando percentuais melhores. De acordo com a analista do Sebrae-ES, Carine Thomazio Espírito Santo possui grandes potencialidades em produtos para o mercado externo, como café, cacau, socol, pimentas, mamão, granito e mármore.

“Todos são exportados, mas sofrem alguma usurpação ao serem misturados com produtos de baixa qualidade para gerar volume.” Entre os fatores há ainda o risco de terem sua origem alterada para entrar no mercado ou de produtos de outras regiões levarem chancela de origem.

Os produtos capixabas têm alto potencial para o mercado externo. – Foto: Divulgação / Sebrae

“Diante deste cenário, o registro e reconhecimento de uma Indicação Geográfica protegem a origem dos produtos e, já no processo de preparação para reconhecimento, há uma melhoria na qualidade da produção. Os controles de rastreabilidade implementados garantem a origem do produto e a visibilidade da região que o produz”, disse Carine.

Já a gerente de Agronegócio do Sebrae, Christiane Castro, acredita que a iniciativa fomenta a atividade turística das regiões produtoras. Isso porque os consumidores passam a ter mais informações sobre os locais, o que desperta maior interesse. Dessa forma, há um ganho adicional que ultrapassa a cadeia e gera perspectivas e possibilidades. “Estamos falando em desenvolvimento territorial, tema que corre nas veias da nossa instituição, visto que possuímos diversas ferramentas e soluções com esse propósito”, afirmou.

 


 

Leia mais:

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!