Diretora do Hemoes explica a importância da doação de sangue

Foto: Divulgação / Sesa

A quantidade de bolsas disponíveis no Hemocentro do Estado do Espírito Santo (Hemoes), em Vitória, está abaixo do esperado, por isso a importância das doações 

Nas férias, os estoques de bolsas de sangue dos Hemocentros em todo Espírito Santo registram baixas significativas. Isto acontece porque no período há maior probabilidade de acidentes automobilísticos devido ao aumento no fluxo de veículos nas estradas, e por conta do esquecimento das pessoas em realizar as doações.

Além disso, datas comemorativas com feriados prolongados também há o risco de acidentes nas estradas e a demanda por sangue aumenta consideravelmente. Com a aproximação do carnaval, no dia 05 de março, a preocupação já está alta.

Para explicar a importância em doar sangue e contar como está a realidade no Estado, a diretora do Hemoes, Rachel Lacourt Costa, falou com exclusividade a ES Brasil. Confira a entrevista!

A diretora do Hemoes, Rachel Lacourt Costa, Foto: Divulgação / Sesa

Como está a realidade dos bancos de sangue atualmente? As unidades do Hemoes atendem à população quanto às demandas?

Temos atendimentos todos os dias e as demandas estão elevadas. Assim como na rede privada, há a escassez na rede estadual também. Precisamos aumentar a quantidade de doações de sangue, principalmente neste mês.

Quais os períodos  do ano em que há maior necessidade de doações? E por quê?

No período de férias, os estoques de bolsas de sangue registram baixas consideráveis. Isto acontece porque no período há maior probabilidade de acidentes automobilísticos devido ao aumento no fluxo de veículos nas estradas, o que aumenta a demanda por sangue. Além disso, muitas pessoas viajam nessa época e não lembram de fazer uma doação. Isso é ruim, pois diminui o número de possíveis doadores.

Por que o sangue O- é tão importante?

Porque esse sangue é doador universal. Em situações de emergência, como atendimento a vítimas de violência ou acidente automobilísticos, o sangue O- é utilizado até que seja descoberto o tipo sanguíneo do paciente. Em casos de casos agudos, como sangramentos internos, perda excessiva de sangue, esse é aplicado imediatamente até estabilizar o paciente e fazer a transfusão do tipo sanguíneo ideal. Ao todo, o Hemocentro tem nove bolsas desse tipo sanguíneo para atender todo o Estado.

Por que quando há um pedido de doação de sangue pode ser solicitado qualquer tipo sanguíneo?

O banco de sangue precisa de doações todos os dias, pois não sabemos quem vai precisar. Quando o tipo é raro, consultamos o cadastro de doadores que possuem o que o paciente está necessitando e prontamente esses doadores se dirigem a um ponto de coleta e fazem a doação. Essa é uma forma de solidariedade e de não deixar faltar o sangue. A necessidade de um fator não interfere na necessidade dos demais fatores, como os positivos. Temos que produzir plaquetas e outros hemocomponentes, e para isso, precisamos ter gente dentro dos hemocentros todos os dias doando. Caso contrário, não conseguimos atender a demanda da população.

O sangue total se fragmenta em vários componentes, como plaquetas e hemáceas. – Foto:Foto: Divulgação / Sesa

Houve algum ano mais crítico quanto á falta de sangue para os procedimentos médicos necessários?

Já tivemos índices de doações aquém do que precisávamos. Nossa meta é 100 pessoas/dia doando sangue. Entretanto, tem dias em que temos 20 a 30 pessoas/dia. Isso não atende totalmente a população. Uma plaqueta, por exemplo, dura apenas cinco dias e elas são administradas no paciente de acordo com o peso. Então, se um paciente pesa 70 quilos, ele precisará de sete bolsas de plaquetas. Por isso se faz a necessidade de doação de sangue constantemente.

É feita alguma ação de conscientização da população quanto a doação de sangue?

Costumamos fazer campanhas nas comunidades, levando o carro do Hemoes para coleta de sangue. Também fazemos palestras em escolas e faculdades e ações para cadastro de medula óssea. Tentamos sempre aproximação com as comunidades, pois elas são as principais mobilizadoras de doações.

Qualquer pessoa pode doar sangue?

Podem doar sangue as pessoas com idade entre 16 e 69 anos, sendo que a primeira doação deve ser feita obrigatoriamente até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto. Se o voluntário tiver almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois. E se for um doador frequente, ele deve obedecer ao intervalo para doação, que deve ser de dois em dois meses para homens e de três em três meses para mulheres.

Saiba onde tem um ponto de coleta de sangue mais próxima:

Hemocentro do Estado do Espírito Santo (Hemoes)
Avenida Marechal Campos, 1.468, Maruípe, Vitória. Funciona de segunda-feira a sábado, das 7h às 19h.
Tel. 3636-7900/7920/7921

Unidade de Coleta a Distância da Serra
Avenida Eudes Scherrer Souza, s/n (anexo ao Hospital Estadual Dório Silva). Funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 16h.
Tel. 3218-9429/ 3218-9242.

Hemocentro de Linhares
Avenida João Felipe Calmon, 1.305, Centro (ao lado do Hospital Rio Doce). Funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h30.
Tel. (27) 3264-6000/ 3264-6019

Hemocentro Regional de Colatina
Rua Cassiano Castelo, s/n, Centro. Funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h30.
Tel. (27) 3717-2801

Hemocentro Regional de São Mateus
Rodovia Othovarino Duarte Santos, Km 02, Parque Washington. Funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h30.
Tel. (27) 3767-7957

Conteúdo Publicitário