25.3 C
Vitória
domingo, 12 julho, 2020

Elas batem um bolão!

Leia Também

Musical “Tropicalinha” agita Diversão em Cena ArcelorMittal

A live contará a história que se passa no fictício Reino de Pindorama, governado por uma rainha autoritária e que proibia a música.

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Verstappen crava melhor tempo dos treinos livres do GP da Estíria

Neste domingo, a largada será às 10h10. Saiba mais! O holandês Max Verstappen foi o mais rápido da sexta-feira nos treinos livres do GP da...

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

De jogadoras a comentaristas, as mulheres vêm conquistando cada vez mais espaço no esporte

Quem diz que lugar de mulher é na cozinha não sabe do que elas são capazes, principalmente quando o assunto é esporte. O futebol feminino está cada vez mais em evidência, e a participação delas só tem aumentado. A cultura do esporte é masculina, mas as mulheres também “batem um bolão”.

A falta de patrocínio e de divulgação é a maior barreira enfrentada, mas as atletas se empenham, treinam pesado, “driblam” o preconceito e “dão um olé” no machismo para serem respeitadas.

O Minas/Icesp, de Brasília, busca profissionalizar as atletas. O time já conquistou títulos em torneios locais e nacionaisHá 133 anos, o futebol feminino sobrevive e tem se esforçado para ganhar mais expressão. Com 32 anos, Martha Vieira da Silva, eleita pela Fifa por cinco anos consecutivos a melhor jogadora do mundo, é a capitã da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, sendo medalha de prata nas Olimpíadas de Atenas (Grécia, 2004) e Pequim (China, 2008).

Outro destaque é Miraildes Maciel Mota, a Formiga. A atleta começou sua carreira aos 16 anos e foi uma das primeiras a atuar na seleção brasileira e a que mais disputou partidas nas Olimpíadas.

As dificuldades de antes estão sendo vencidas, e a certeza que se tem é que, aos poucos, as mulheres estão conquistando seu espaço e continuam firmes na luta pelo reconhecimento.

O Minas/Icesp, de Brasília, busca profissionalizar as atletas. O time já conquistou títulos em torneios locais e nacionais

Vila Nova Futebol Clube

No Espírito Santo, as jogadoras vão com tudo para o campo. As meninas do Vila Nova Futebol Clube, de Vale Encantado, Vila Velha, mostram o que sabem e impressionam quando estão em ação.

Fundado em 2007, o time disputou vários campeonatos, entre eles o Brasileiro Feminino 2018 e o Capixabão Feminino, do qual são tetracampeãs. As garotas treinam com muito empenho para dar orgulho às famílias, aos amigos e ao técnico Luciano Tadino.

Comandando as atletas há nove anos, Tadino afirmou que elas são esforçadas e que tem orgulho em treiná-las. “Acredito no trabalho porque elas têm determinação e jogam por amor, não por remuneração. A maioria delas concilia o trabalho com as partidas, pois não temos incentivo financeiro, e isso nos dá mais motivação para correr atrás de melhorias para o time”, disse.

Uma das primeiras atletas do Vila Nova, a meio-campo Luana Tonete, de 31 anos, trabalha como costureira e conta que os patrões incentivam sua participação. “Tem dias em que temos muito trabalho na fábrica, mas a minha chefe me libera mais cedo para eu participar dos campeonatos. Tem familiares que, inclusive, vão aos estádios torcer por nós. Isso nos incentiva a dar o nosso melhor”, destacou.

E quem acha que elas não têm vaidade está bem enganado. As meninas ainda encontram tempo para cuidar da beleza. Conhecida como a “princesinha” do Vila Nova, a pivô Nairelly Verli, 20 anos, está sempre com as unhas e sobrancelhas feitas e os cabelos arrumados. “Apesar de praticar um esporte que é tido como masculino, me cuido bastante”, frisou.
E quando o assunto é dieta, a goleira Adelaine Keveli, de 23 anos, ressaltou que não há restrições, mas procura controlar a alimentação. “Como de tudo, mas temos que evitar alguns alimentos. Nossos treinos são pesados, principalmente para as goleiras. Temos preparação na praia, em campo, e não podemos nos descuidar”, argumentou.

De Brasília para o mundo

Desde 2012, o Minas/Icesp, de Brasília, realiza um trabalho minucioso com as atletas. A delegação já ganhou títulos do Candangão Feminino e disputou as finais da Liga do Desporto Universitário (LDU), a Copa do Brasil, a Copa Lifag e torneios locais e nacionais.
São dois times, um de futsal e outro de futebol de campo, com 65 atletas entre 14 e 38 anos. A equipe conta com a parceria da Faculdade Icesp e do Minas Brasília Tênis Clube, além do patrocínio do Banco de Brasília.

O Minas/Icesp já revelou atletas que foram convocadas pela Seleção Brasileira. Atualmente, a meio-campo Victória Kristine Albuquerque de Miranda está na escalação do técnico da Seleção Brasileira Feminina Sub-20, Doriva Bueno.

Para a dirigente da delegação, Nayeri Albuquerque, 28 anos, essa é uma conquista para todos os envolvidos. “Sentimos a ascensão mais rápido do que esperávamos. Fazemos um trabalho firme e sério, temos uma equipe forte, que batalha pelos seus objetivos, e tentamos profissionalizar ao máximo, porque o futebol feminino merece. Toda a nossa equipe é de Brasília, para fortalecer o esporte em nossa cidade”, destacou.

O Vila Nova Futebol Clube e a equipe técnica se esforçam para garantir os títulos dos campeonatos que disputam

Daniela Fernandes, de 38 anos, formada em Contabilidade, descobriu a paixão pelo futebol aos 16. Atualmente, joga no meio-campo do Minas/Icesp, mas já esteve no Flamengo e foi campeã sul-americana universitária. “Estou no time desde 2013, mas, quando estava no Crespon, enfrentamos o time da Martha e me senti ainda mais motivada a jogar futebol. Amo o que faço”, frisou.

Quanto ao preconceito, Daniela afirma que há respeito entre os homens e as mulheres. “Já tive uma fase ruim quando jogava, em que os homens masculinizavam muito o esporte. Hoje, com o crescimento e a inserção das mulheres na modalidade, está tendo mais respeito. Tiramos isso de letra”, garantiu.

Também tem mulher na arbitragem…

No Brasil, existem 12 mulheres com a chancela da Fifa. Em maio, a árbitra Edina Alves Batista e as assistentes Neuza Back e Tatiane Sacilotti foram escolhidas para os jogos da Copa do Mundo Fifa Sub-20 Feminina 2018, entre 5 e 24 de agosto, na França. A seleção brasileira integra o Grupo B do Mundial.

A radialista Isabelly Morais, a educadora física Renata Silveira e a publicitária Manuela Avena foram as selecionadas para integrar o time do programa “Narra Quem Sabe”, do canal Fox Sports

Katiúscia Mendonça, 40, é assistente de arbitragem capixaba há 19 anos e também já foi atleta. Fora dos campos, atua como personal trainer e ocupou o quadro de árbitros da Fifa por sete anos. “Joguei futebol por anos, mas me lesionei e não pude mais voltar. Decidi ser árbitra para ficar mais próxima do esporte que sempre foi minha paixão”, contou.
Em 2015, a assistente de arbitragem marcou presença no RAP-Fifa, um curso destinado às árbitras e assistentes no Brasil para capacitar e atualizar as participantes sobre as normas da entidade, além de ser um treinamento para elas. Katiúscia foi a única representante do Estado.

E no jornalismo esportivo

Em junho, a Fox Sports estreou uma seleção de mulheres para narrar jogos da Copa do Mundo 2018. Entendendo que até o esporte precisa de um toque feminino, a diretoria do canal optou por fazer quase toda a cobertura por mulheres, incluindo apresentadoras e comentaristas na emissora.

Com certeza, os nomes da estudante de Jornalismo e radialista Isabelly Morais, da educadora física Renata Silveira e da publicitária Manuela Avena ficarão marcados na história da narração de uma competição esportiva. As três vozes estão sendo destaque no programa “Narra Quem Sabe”.

A origem do futebol feminino

 

Fontes: CBF e Globo.com

A primeira partida de futebol disputada por mulheres foi em 23 de março de 1885, em Crouch End, Londres, na Inglaterra, país onde surgiu o esporte. No Brasil, há registros de jogos entre homens e mulheres juntos entre 1908 e 1909, iniciando, assim, uma quebra de paradigmas e preconceitos.

Entretanto, a primeira partida de futebol feminino ocorreu, oficialmente, em 1921, entre as senhoras de Tremembé, São Paulo, e as senhoritas de Santa Catarina. Assim, formava-se o primeiro time feminino do país: o Araguari Atlético Clube, que iniciou as atividades em 14 de novembro de 1944.

Em 1941, foi criado o Decreto-Lei 3.199, vigente até 1975, que vetava a prática do futebol pelas mulheres e, em 1964, o Conselho Nacional de Desportos (CND) proibiu que elas praticassem uma dezena de modalidades, entre elas o futebol, mas a decisão foi revogada em 1984. Barreiras que levaram à perda de visibilidade do esporte por parte das meninas.


Confira a matéria em vídeo

 

 

 

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

ArcelorMittal Tubarão religará o segundo alto-forno neste mês

O equipamento, com capacidade para produção de 1,2 milhão de toneladas de ferro gusa/ano, estava paralisado desde o ano passado, quando passou por uma ampla reforma de manutenção.

Vida Capixaba

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Tempo instável neste fim de semana no ES. Confira a previsão!

Uma frente fria se afasta lentamente em direção ao norte do Espírito Santo, mas o tempo permanece com muitas nuvens e poucas aberturas de sol na maior parte do Estado.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...

Vacinas contra gripe para público em geral

Desde o dia 30 de junho, não há mais grupo prioritário. Com isso, todas as pessoas podem receber a dose.
Continua após publicidade