20.9 C
Vitória
quinta-feira, 21 outubro, 2021

Findes lança anuário do setor de petróleo

Com o objetivo de prover uma análise do setor que seja capaz de subsidiar novos investimentos em petróleo, a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), por meio do Instituto de Desenvolvimento Industrial do Espírito Santo (Ideies), lançou nesta terça-feira (30) a 4ª edição do Anuário da Indústria do Petróleo e Gás do Espírito Santo.

Na 4ª Edição foram apresentadas as potencialidades das empresas capixabas no desenvolvimento de soluções tecnológicas inovadoras para o setor de petróleo e gás.

A presidente da Findes, Cris Samorini, ressaltou que o setor de petróleo e gás é o mais importante da economia capixaba, sendo que o Estado é o terceiro maior produtor do país.

“O Anuário da Indústria do Petróleo no Espírito Santo nos permite lançar luz sobre a importância do setor para indústria e para a economia capixaba. E, mais do que isso, nos auxilia a nos posicionar e a defender as estratégias em prol do desenvolvimento do setor no Estado, em busca sempre de maior diversificação de atores, com geração de oportunidades de mercado para esses novos produtores e regulações compatíveis a essas estruturas produtivas”, disse Cris Samorini.

Além disso, foi reforçado que o Fórum Capixaba de Petróleo, Gás e Energia, desenvolvido pela Findes, é um potente instrumento para estimular a cadeia local de fornecedores, focando em inovação, melhoria incremental e promoção de parcerias estratégicas.

“Desde 2017 produzimos o Anuário da Indústria de petróleo do Espírito Santo com o objetivo final de mostrar a potencialidade do Estado no setor para os grandes investidores internacionais. Além disso, trata-se de um setor intensivo em capital de alta intensidade tecnológica que, por conseguinte, propicia um espraiamento da inovação para os demais elos da cadeia produtiva. Sabemos que os documentos técnicos de qualidade demonstram credibilidade e maturidade das instituições para recepcionar e se apresentar a esses investidores. Por exemplo, o capítulo 5 do Anuário consolida as oportunidades de investimento no estado para o setor de Petróleo e Gás, com isso, o investidor interessado passa a ter acesso a essas informações em um único documento e de forma didática. Sem dúvida, um trabalho que merece a leitura de todos os interessados em conhecer melhor o setor de petróleo no Espírito Santo”, disse Marcelo Saintive, diretor executivo do Ideies.

Ranking nacional

No Espírito Santo, a extração de P&G responde por 30,2% do valor de transformação industrial (VTI), o que o torna o principal setor industrial. Em 2019, o estado produziu 105 milhões de barris de petróleo, registrando queda de 14,2% na comparação com o ano anterior, a maior queda na produção em 10 anos.

Com a redução o estado obteve 10,3% de participação na produção nacional e, com isso, passou a ocupar a terceira posição entre os estados com maior produção de petróleo. No ranking nacional, o Rio de Janeiro segue em primeiro lugar, com 75,3% da produção nacional e São Paulo em segundo lugar com 10,6% da produção nacional. No que se refere ao pré-sal, a produção no Espírito Santo atingiu 153,7 mil bbl/dia, uma redução de 14,3% em relação ao ano anterior.

Contudo, em 2019, o Espírito Santo recebeu, de royalties e participações especiais, aproximadamente, R$ 3,9 bilhões, valor 30,4% maior que a arrecadação do ano anterior. O valor expressivo da arrecadação foi referente ao pagamento em participações especiais do acordo de unificação do Parque das Baleias. No desagregado, foram R$ 2,5 bilhões em participações especiais e R$ 1,4 bilhão de royalties.

Sobre o Anuário de Petróleo

O Anuário foi produzido pelo Ideies e traz uma análise dos principais temas que norteiam a indústria de petróleo no estado, com o intuito de subsidiar o governo e os principais atores locais com dados e informações técnicas e estratégicas.

O anuário é dividido em 5 capítulos sendo que: o primeiro capítulo aborda a indústria mundial do petróleo. O capítulo 2 expõe acerca da indústria do petróleo no Espírito Santo. Os reflexos da atividade do petróleo, com destaque para as participações governamentais, são tratados no capítulo 3. O capítulo 4 discorre sobre o mecanismo de incentivo à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Por fim, o capítulo 5 aponta as novas oportunidades em exploração e produção de petróleo para o Espírito Santo.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade