28.1 C
Vitória
quarta-feira, 20 janeiro, 2021

Fazer é o novo falar

Mais Artigos

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

A cada ano, desde 2011, Bhargava dedica-se a descobrir quais tendências serão as mais relevantes e impactantes e, em seguida, lança um livro sobre elas como parte de sua série “Não óbvia”

É certo que iremos nos adaptar à nova vida e aos novos protocolos

Por Danielly Medeiros

A “ameça invisível” deste tempo pandêmico segue provocando em nós uma mistura de sentimentos, aflorando muitas vezes a insegurança do “não saber” diante de um cenário ainda indefinido. Mediados pelas telas, vamos aprendendo a ressignificar a vida (por vezes lembro-me do desenho dos Jetsons e de como o pensamento de um “futuro distante” passou a ser a nossa rotina, como videochamadas e robôs que limpam as casas). Ao buscar a sentença “adaptabilidade na pandemia” (considerando que para mim este é o caminho a ser trilhado diariamente) me deparei com o trabalho de Rohit Bhargava (especialista em inovação, curador de tendências e fundador da Non-Obvious Agency) e seu relatório sobre “tendências não óbvias para o futuro”.

Um alerta: este texto não é sobre tecnologia, sobre robôs e inteligência artificial. Até porque o foco da pesquisa de Bhargava está pautada em como o comportamento humano tem evoluído, sobre como nós nos relacionamos com a tecnologia e como somos afetados por ela. Não é a análise da tecnologia em si, mas do quanto ela pode ser benéfica ou prejudicial ao ambiente de trabalho e para nossa vida particular, por exemplo. Não é sobre “prever de futuro” e sim observar o hoje e projetar “cenários possíveis”, especialmente diante de tanta (des) informação.

A cada ano, desde 2011, Bhargava dedica-se a descobrir quais tendências serão as mais relevantes e impactantes e, em seguida, lança um livro sobre elas como parte de sua série “Não óbvia”. No ano passado, no evento South By Southwest (SXSW), o autor apresentou seu trabalho para um auditório lotado. Neste ano, por questões óbvias, a apresentação foi realizada em uma sessão virtual transmitida de sua casa, no mês de maio.

Em linhas gerais, o autor aponta a adaptabilidade como um importante fator a ser buscado em todas as áreas (principalmente nos tempos atuais). Cito aqui as quatro tendências apontadas por ele que foram amplificadas pela pandemia: o “revivalismo” (nostalgia; redescoberta do analógico, dos jogos de tabuleiro e busca por experiências mais simples como cuidar de plantas), o “modo humano” (necessidade de nos conectar por vídeo e até realizar rituais como festas de aniversário de modo virtual), o “conhecimento instantâneo” (aprender tudo rapidamente via tutorial e se posicionar como especialista sobre temas que se tem somente conhecimento e não domínio) e “flux commerce” (empresas estão se adaptando como nunca imaginaram – e as que não conseguem se adaptar estão, infelizmente, com problemas).

Não tenho dúvida, é certo que iremos nos adaptar à nova vida e aos novos protocolos (os atuais e os que ainda surgirão), assim como ocorreu a partir de 1997, quando o uso de cinto de segurança se tornou obrigatório.

O caminho é saber quão rápido isso se dará… não é mágica, é processo, e por isso é necessário começar já. “Fazer é o novo falar” (como defende a antropóloga do consumo Hilaine Yaccoub) e é preciso colocar-se em movimento (ao invés de ficar somente na teoria ou cultivando o medo das incertezas). Vale para os negócios e vale para a vida. Busque o quanto antes adaptar-se a partir de um olhar sobre si e sobre as pessoas e não “tentando digerir todas as coisas” (consumo simbólico das mídias, por exemplo).

Aplique a adaptabilidade – assim como outras habilidades subjetivas (também chamadas de soft skills) como criatividade, inteligência emocional, comunicação eficaz, liderança e antifragilidade – no enfrentamento das incertezas. E mais do que nunca, amplie o repertório, “retenha e descarte” referências e vivências (algumas fórmulas e receitas já não cabem mais) e principalmente tenha sempre a crítica, a criatividade e a curiosidade como balizadores do pensamento “não óbvio”. Vamos juntos?

Danielly Medeiros é jornalista, especialista em Economia para Jornalistas e Comunicadores Institucionais pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Vida Capixaba

Prêmio de fotografia ‘As belezas que Anchieta viu’

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) divulgou, nesta terça-feira (19), o resultado do prêmio de fotografia “As belezas que Anchieta viu”

Novas espécies de insetos são descobertas no Espírito Santo

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região norte do Espírito Santo

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro