21.8 C
Vitória
quinta-feira, 13 agosto, 2020

Fazer é o novo falar

Mais Artigos

Baixa da Selic: duas novas realidades

Em tempos de economia normal, a queda do preço do dinheiro básico permite que todos tenham maior acesso ao crédito, e com isto, compram, vendam e produzam mais.

As escolhas de Guedes

A pandemia da covid-19 explicitou a precariedade da estrutura das políticas sociais do País Por Arilda Teixeira O Ministério da Economia enfrenta situação singular: precisa garantir...

Iluminação pública: Vila Velha saiu na frente!

Com essa conquista Vila Velha torna-se o primeiro município do Estado a ingressar num seleto grupo de cidades brasileiras que já viram ser este o melhor caminho para uma modernização estrutural

Quando a autofalência é a melhor opção

É preciso destacar que no Brasil uma empresa não pode simplesmente deixar de funcionar. Deve haver o “correto encerramento” das atividades.

A cada ano, desde 2011, Bhargava dedica-se a descobrir quais tendências serão as mais relevantes e impactantes e, em seguida, lança um livro sobre elas como parte de sua série “Não óbvia”

É certo que iremos nos adaptar à nova vida e aos novos protocolos

Por Danielly Medeiros

A “ameça invisível” deste tempo pandêmico segue provocando em nós uma mistura de sentimentos, aflorando muitas vezes a insegurança do “não saber” diante de um cenário ainda indefinido. Mediados pelas telas, vamos aprendendo a ressignificar a vida (por vezes lembro-me do desenho dos Jetsons e de como o pensamento de um “futuro distante” passou a ser a nossa rotina, como videochamadas e robôs que limpam as casas). Ao buscar a sentença “adaptabilidade na pandemia” (considerando que para mim este é o caminho a ser trilhado diariamente) me deparei com o trabalho de Rohit Bhargava (especialista em inovação, curador de tendências e fundador da Non-Obvious Agency) e seu relatório sobre “tendências não óbvias para o futuro”.

Um alerta: este texto não é sobre tecnologia, sobre robôs e inteligência artificial. Até porque o foco da pesquisa de Bhargava está pautada em como o comportamento humano tem evoluído, sobre como nós nos relacionamos com a tecnologia e como somos afetados por ela. Não é a análise da tecnologia em si, mas do quanto ela pode ser benéfica ou prejudicial ao ambiente de trabalho e para nossa vida particular, por exemplo. Não é sobre “prever de futuro” e sim observar o hoje e projetar “cenários possíveis”, especialmente diante de tanta (des) informação.

A cada ano, desde 2011, Bhargava dedica-se a descobrir quais tendências serão as mais relevantes e impactantes e, em seguida, lança um livro sobre elas como parte de sua série “Não óbvia”. No ano passado, no evento South By Southwest (SXSW), o autor apresentou seu trabalho para um auditório lotado. Neste ano, por questões óbvias, a apresentação foi realizada em uma sessão virtual transmitida de sua casa, no mês de maio.

Em linhas gerais, o autor aponta a adaptabilidade como um importante fator a ser buscado em todas as áreas (principalmente nos tempos atuais). Cito aqui as quatro tendências apontadas por ele que foram amplificadas pela pandemia: o “revivalismo” (nostalgia; redescoberta do analógico, dos jogos de tabuleiro e busca por experiências mais simples como cuidar de plantas), o “modo humano” (necessidade de nos conectar por vídeo e até realizar rituais como festas de aniversário de modo virtual), o “conhecimento instantâneo” (aprender tudo rapidamente via tutorial e se posicionar como especialista sobre temas que se tem somente conhecimento e não domínio) e “flux commerce” (empresas estão se adaptando como nunca imaginaram – e as que não conseguem se adaptar estão, infelizmente, com problemas).

Não tenho dúvida, é certo que iremos nos adaptar à nova vida e aos novos protocolos (os atuais e os que ainda surgirão), assim como ocorreu a partir de 1997, quando o uso de cinto de segurança se tornou obrigatório.

O caminho é saber quão rápido isso se dará… não é mágica, é processo, e por isso é necessário começar já. “Fazer é o novo falar” (como defende a antropóloga do consumo Hilaine Yaccoub) e é preciso colocar-se em movimento (ao invés de ficar somente na teoria ou cultivando o medo das incertezas). Vale para os negócios e vale para a vida. Busque o quanto antes adaptar-se a partir de um olhar sobre si e sobre as pessoas e não “tentando digerir todas as coisas” (consumo simbólico das mídias, por exemplo).

Aplique a adaptabilidade – assim como outras habilidades subjetivas (também chamadas de soft skills) como criatividade, inteligência emocional, comunicação eficaz, liderança e antifragilidade – no enfrentamento das incertezas. E mais do que nunca, amplie o repertório, “retenha e descarte” referências e vivências (algumas fórmulas e receitas já não cabem mais) e principalmente tenha sempre a crítica, a criatividade e a curiosidade como balizadores do pensamento “não óbvio”. Vamos juntos?

Danielly Medeiros é jornalista, especialista em Economia para Jornalistas e Comunicadores Institucionais pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Setores mais afetados pelo distanciamento social seguem deprimidos, diz BC

Ao avaliar o futuro da atividade econômica, o BC repetiu a ideia de que "a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual

Safra deste ano deve ser 3,8% superior à de 2019, prevê IBGE

A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2020 em 250,5 milhões de toneladas. Com informações da Agência BrasilCaso a...

211 vagas de emprego em Cariacica

Os munícipes têm a ajuda da Agência do Trabalhador, que esta semana está divulgando 211 vagas, sendo 55 são destinadas à Pessoa com Deficiência...

Estimativa para Selic no fim de 2020 permanece em 2,00% ao ano no Focus do BC

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020. O Relatório de Mercado...

Vida Capixaba

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...

31ª Dez Milhas Garoto é adiada para 2021

Com a insegurança em relação a propagação do vírus do Covid-19 pelo Brasil, os principais players do mercado de eventos, feiras e congressos do...

Mostra on-line de arte e cultura em Vitória

A distância dos palcos não impediu que os alunos dos espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) se apresentassem ao público em 2020. Durante...