22.6 C
Vitória
sábado, 15 agosto, 2020

Brasil bate novo recorde mensal em maio com exportação café

Leia Também

PIX: ferramenta dos grandes bancos pra não perder pros novatos?

Conselheiro do Corecon avalia interesses que podem estar sendo preservados com o novo sistema, estruturado pelo BC, que passa a vigorar a partir de...

Planos de saúde vão cobrir exames para detecção do novo coronavírus

Os exames poderão ser feitos nos pacientes com síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave (SRAG)

Virou lei: Síndicos terão que enviar denúncias de agressões às autoridades

Mais um passo importante no enfrentamento à violência contra os mais vulneráveis na Capital. A lei nº 9.653/2020, de autoria do vereador Wanderson Marinho (PSC), ...

Em maio deste ano, o Brasil bateu um novo recorde mensal para o mês de maio em termos de volume de exportações de café

O país exportou no mês 3,5 milhões de sacas, considerando a soma de café verde, solúvel e torrado & moído, com receita cambial de US$ 416,2 milhões. Os dados são do Cecafé – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil.

O volume exportado representou um crescimento de 103,5% em relação ao mês de maio de 2018. A receita cambial, no mesmo comparativo, também apresentou aumento, de 57,6%. Já o preço médio da saca de café em maio, que foi de US$ 118,26/saca, apresentou queda de 22,6% em relação a maio do ano passado.

Em relação às variedades embarcadas no mês, o café arábica correspondeu a 80% do volume total das exportações, equivalente a 2,8 milhões de sacas. O café conilon (robusta) atingiu a participação de 10,7%, com o embarque de 376 mil sacas, enquanto que o solúvel representou 9,3% das exportações, com 326 mil sacas exportadas.

Comparando-se as exportações das variedades de maio de 2019 com maio do ano passado, os embarques de café conilon cresceram 707,1%; os de café arábica tiveram aumento de 95,5% e os de solúvel registraram crescimento de 35,2%.

“A performance das exportações do café brasileiro segue muito positiva, apresentando ótimos resultados para o mês, para o ano e também no ano-safra, que se encerra neste mês [junho]. Estamos batendo recordes históricos nas exportações de café brasileiro, atendendo à demanda dos nossos importadores com muita eficiência, qualidade e sustentabilidade”, declara Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

“Nesse sentido, o crescimento também nas exportações para os principais destinos e nos embarques de cafés diferenciados reforçam ainda mais o crescimento do market share do Brasil e o desempenho na produção de café sustentável do país na cadeia do agronegócio”, diz.

Ano-civil

As exportações de café neste ano-civil (janeiro a maio) foram as melhores dos últimos cinco anos para o período, com o embarque de 16,9 milhões de sacas, o que representa crescimento de 40% em relação ao mesmo período do ano passado. A receita cambial, neste caso, foi de US$ 2,1 bilhões, apresentando também aumento, de 12,7% ante o período de janeiro a maio de 2018.

Além dos bons resultados em maio e no ano-civil, nos últimos 12 meses (jun/2018 a mai/2019), o Brasil exportou 40,5 milhões de sacas de café, sinalizando um recorde histórico para o período na comparação com anos anteriores.

Ano-safra 2018/2019

Com relação as exportações de café no ano-safra 2018/2019 (jul/18 a mai/19), o Brasil exportou até agora 37,9 milhões de sacas no período acumulado, aumento de 35,9% em relação à mesma base comparativa do ano anterior, quando o país embarcou 27,9 milhões de sacas. Esse resultado apurado até o momento – penúltimo mês do encerramento do ano-safra 2018/2019 – já supera a exportação recorde registrada no ano-safra 2014/2015, quando o país embarcou 36,6 milhões de sacas.

Principais destinos

Os dez principais destinos de café brasileiro no ano-civil (jan-mai) foram: os Estados Unidos, que importaram 3,2 milhões de sacas de café (18,7% do total embarcado no período); Alemanha, com 2,8 milhões de sacas importadas (16,7% da participação total no período); Itália, com 1,7 milhão de sacas (10,1%); Japão, com 1,3 milhão de sacas (7,8%); Bélgica, com 935 mil sacas (5,5%); Turquia, com 566 mil sacas (3,4%); Reino Unido, com 520 mil sacas (3,1%); Federação Russa, com 416 mil sacas (2,5%); França, com 375 mil sacas (2,2%); e Canadá, com 363 mil sacas (2,2%).

O Brasil segue registrando aumento nas exportações para os principais destinos, comparando-se o volume exportado de janeiro a maio deste ano com o volume exportado no mesmo período do ano passado. Os quatro dos dez listados que registram maior aumento na importação de café brasileiro foram, na ordem: Reino Unido (crescimento de 62,8%); Turquia (51,9%); EUA (51,5%); e Japão (49,3%).

Diferenciados

No ano-civil de 2019 (jan-mai), o Brasil exportou 3,3 milhões de sacas de cafés diferenciados (que são os cafés que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis), participação de 19,4% do volume em relação ao volume total de café exportado no período.

A receita cambial gerada com a exportação de cafés diferenciados do Brasil foi de US$ 523 milhões, representando 24,4% do total gerado pelo Brasil com as exportações no ano-civil de 2019.

Os principais destinos de cafés diferenciados foram: os EUA, que importaram 755 mil sacas (23,1% do volume total embarcado no ano-civil); o Japão, com 449 mil sacas (13,7% de participação); Alemanha, com 433 mil sacas (13,2%); Itália, com 299 mil sacas (9,1%); Bélgica, com 284 mil sacas (8,7%); Canadá, com 133 mil sacas (4,1%); Reino Unido, com 95 mil sacas (2,9%); Suécia, com 85 mil sacas (2,6%); Holanda, com 64 mil sacas (2%); e Espanha, com 61 mil sacas (1,9%).

Portos

O Porto de Santos segue na liderança da maior parte das exportações no ano-civil de 2019, com 79,1% do volume total exportado a partir dele (equivalente a 13,3 milhões de sacas). Em segundo lugar estão os portos do Rio de Janeiro, com 12,3% dos embarques (2 milhões de sacas).


LEIA TAMBÉM
Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Com reação à pandemia, alta dos desembolsos do BNDES é a maior desde 2009

Na comparação dos desembolsos trimestrais com iguais períodos de anos anteriores, sempre corrigindo pela inflação, a alta de 61,6% foi a maior desde o terceiro trimestre de 2009

Com pandemia, Brasil tem queda recorde da atividade no 2º trimestre

Os dados do BC já levam em conta os ajustes sazonais, o que permite a comparação de um trimestre com os três meses imediatamente anteriores

Idaf realiza ação educativa na Ceasa/ES

Com o objetivo de conscientizar produtores rurais e compradores sobre a importância do Serviço de Inspeção Oficial nos produtos de origem animal, o Instituto...

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Vida Capixaba

Novas passarelas de pedestres em Viana

A Eco101 iniciou as obras para a implantação de mais três passarelas de pedestres na BR-101/ES/BA, totalizando 19 estruturas ao longo da rodovia. Atualmente, existem...

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...
Continua após publicidade