27.1 C
Vitória
terça-feira, 30 novembro, 2021

ES registra espécie rara de inseto com potencial transmissor da Doença de Chagas

Uma espécie rara de barbeiro, potencial transmissor da Doença de Chagas, foi encontrada no município de Aracruz, no litoral norte capixaba.

A novidade é fruto de um projeto de pesquisa sobre a biodiversidade de insetos no Estado, desenvolvido pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) há mais de 20 anos.

Segundo o pesquisador voluntário do Instituto e coordenador do projeto, o entomologista David Martins, o barbeiro é da subfamília Triatominae, da família Reduviidae e Hemiptera. Ele contou que, atualmente, existem 156 espécies desse inseto no mundo e dessas, 66 estão no Brasil, sendo oito espécies no Espírito Santo e mais essa, sendo a nona  identificada recentemente no Estado.

De acordo com o pesquisador, todas as espécies de percevejos, incluídas nessa subfamília, são hematófagas, ou seja, sugadoras de sangue e vetores comprovados ou potenciais da Doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, um dos principais problemas de saúde pública na América Latina.

Estudo existe há 24 anos

Segundo David Martins, a espécie rara de barbeiro foi coletada no Espírito Santo, no município de Aracruz, ainda em 1997, porém encontrava-se sem identificação na coleção de insetos da época. Foi por meio do projeto desenvolvido pelo Incaper que esse triatomíneo enfim foi localizado e identificado no Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Ainda de acordo com Martins, todos esses anos de estudos também constataram espécies novas de insetos até então desconhecidas para a ciência e que foram descritas. São novos registros de espécies para o Estado, com a catalogação de mais de seis mil espécies, já com registros de ocorrência no Estado. “É um número ainda muito pequeno e que deve aumentar significativamente, assim que mais estudos forem desenvolvidos. O Espírito Santo, devido a sua heterogeneidade de ambientes e vegetações de Mata Atlântica e suas condições edafoclimáticas, tem uma diversidade de insetos muito grande”, destacou.

“Em breve vamos gerar um catálogo com as informações das espécies já registradas da entomofauna do Estado, com as suas respectivas distribuições geográficas, que hoje encontram-se dispersas em diversas publicações nacionais e internacionais, para torná-las disponíveis e de fácil acesso aos segmentos da pesquisa, extensão, ensino, defesa agropecuária, entre outros”, disse o pesquisador.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade