26 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

Boas novas para a economia capixaba

ES poderá ser incluído no Acordo de Compras Governamentais firmado com a União Européia.

Nesta sexta-feira (13), o governador Renato Casagrande recebeu uma boa notícia. O Subsecretário de Negociações Internacionais do Ministério da Economia, Alexandre Arrochela Lobo, afirmou que o Espírito Santo poderá ser incluído no Acordo de Compras Governamentais firmado com a União Européia.

Há diversas vantagens nessa iniciativa que irá promover a melhor utilização dos recursos públicos do governo estadual nas licitações. Ela também incentiva a concorrência entre potenciais fornecedores de bens e serviços, inclusive de construção civil. E ainda fomenta a transparência e melhora as práticas intensivas de compras públicas. Ambos aspectos importantes no combate à corrupção.

- Continua após a publicidade -

“A iniciativa abrirá oportunidades para fornecedores brasileiros participarem de licitações públicas na União Européia e na EFTA, mercados estimados em aproximadamente US$ 1,6 trilhão e US 85 bilhões, respectivamente”, destaca o economista Clóvis Vieira.

Clóvis foi o responsável por trazer o subsecretário Alexandre Lobo ao Estado. O representante do Ministério da Economia veio participar da reunião trimestral do Grupo Permanente de Acompanhamento Empresarial do Espírito Santo.

Durante reunião no plenário da Findes, 13 de dezembro, em Vitória, ele falou sobre diferentes caminhos que o governo vem buscando para expandir mercados. Entre eles, o  acordo automotivo entre Brasil, Argentina e México.

O governo brasileiro negocia atualmente pelo menos quatro importantes acordos de livre comércio, entre eles entre o Mercosul e a União Europeia, considerado o mais aguardado. Um eixo estratégico que vai de encontro ao que a indústria busca.

Oportunidades

Um levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que há muitas oportunidades para se concretizar que nem sequer começaram a ser debatidas. Como a diminuição de tarifas de importação, por exemplo. Dos 134 grupos de produtos exportados do Brasil para lá, 70 carregam altas tarifas de importação. O imposto cobrado sobre a carne bovina é de 10,0%; sobre veículos 25%; e sobre o fumo é de 70%.

Segundo a entidade, há vantagens em potencial também com países da América Central que fazem parte do Sica. O Sistema de Integração Centro-Americana é formado por Belize,
Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá e, há 10 meses, o Brasil.

Nas economias com as quais o Brasil negocia diretamente, as oportunidades existem, mas são bem menores. Nessa lista entram Canadá e Coreia do Sul. Também a EFTA – Associação Europeia de Comércio Livre – formada por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein. No caso EFTA, há 39 produtos que enfrentam o problema de tarifa de importação.


Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA