24.2 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro, 2020

Geronimo Theml explica a arte de ajudar pessoas a evoluir

Leia Também

E-Título deve ser baixado até sábado

O aplicativo e-Título poderá ser baixado somente até as 23h59 deste sábado (28), informou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Feirão on-line do SPC para negociar dívidas

Banestes participa, durante o mês de dezembro, do Feirão On-line do Serviço de Proteção (SPC), organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da Grande Vitória

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue

No próximo dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. O dia tem como objetivo agradecer aos doadores de sangue pela ação de doar

“Estou no mesmo processo de evolução que as pessoas. E o que eu faço é dividir. O que eu aprendo para aplicar em mim eu ensino a elas, por isso geram tantos resultados”

Por Aline Pagotto

Com o propósito de mudar a vida das pessoas por meio de palavras que ajudam a desenvolver as habilidades, Geronimo Theml transmite mensagens positivas a todos os cantos do mundo em suas palestras e mídias sociais.

Ex-advogado da União, ele deixou a estabilidade de um emprego público com a missão de mudar o mundo e ajudar as pessoas a chegar a sua potencialidade máxima e atingirem o controle de suas vidas.

O especialista também é fundador do IGT Internacional Coaching, uma escola que forma coaches e os prepara pra atender com metodologia criacional do coaching levado a sério.

Autor do livro Best Seller “Produtividade Para Quem Quer Tempo”, o treinador e coach falou com exclusividade à ES Brasil, contando sobre sua experiência em treinar pessoas e sobre o alcance da felicidade nos dias hoje. Acompanhe!

As técnicas que utiliza para falar com as pessoas parecem simples. Quais resultados você alcança com elas?

Acho que o primeiro ponto relevante quando se fala com pessoas você tem que ser só mais uma pessoa. É como o Yung fala: “conheça todas as técnicas do mundo, todas as ferramentas, mas diante de uma alma humana seja apenas outra alma humana”. O grande ponto que consigo conectar com tantas pessoas é que sou exatamente como ela, que estou no mesmo processo de evolução que ela.

E o que eu faço é dividir. O que eu aprendo para aplicar em mim eu ensino a ela, por isso gera tanto resultado. Não é uma teoria abstrata. É algo concreto que eu estudei por anos, aplico em mim, gera resultado. Aplico nos meus alunos, gera resultado e propago a mensagem.

Geronimo-Telm
Foto: Divulgação

Quais os problemas (emocionais ou materiais) mais preocupam a sociedade atualmente?

É bem importante que entendam que eu não sou psicólogo, sou um ser humano, um coach, faço especialização em neurociência e comportamento, mas não sou psicólogo. Quando eu falo de emoção e questões materiais do ser humano hoje, não falo como psicólogo. Para falar sobre o que acontece hoje com a população é muito simples e doloroso. Tudo o que fazemos na vida é para evitar uma dor ou buscar um prazer. Por exemplo, se não vou ao dentista é porque estou evitando a dor do motorzinho, mas se eu vou é porque estou buscando o prazer de tirar uma dor ou deixar os dentes mais bonitos.

O que acontece hoje com a humanidade é que ela se confundiu: ela busca evitar uma dor buscando um prazer, e, geralmente, é um prazer externo, material. E quando isso acontece, como comprar um carro, um tênis novo, por exemplo, das duas uma: ou eu consigo e não tenho dor, ou eu consigo e percebo que a felicidade dura muito pouco. E aí, sente dor novamente e vai em busca de uma nova conquista material. Ela fica basicamente presa nesse ciclo. Ela busca o prazer errado, que é, na maioria das vezes, o material.

E dura muito pouco porque felicidade não é realização de desejo. Quando realizo um desejo eu tenho a sensação de euforia, alegria por aquele momento. Euforia é um sentimento que vai embora muito rápido. E a felicidade é contentamento, sentimento de plenitude. Eu sou feliz pelo prazer das coisas que tenho hoje. Sou contente pela vida que tenho hoje, então tenho plenitude. Todo mundo já realizou um desejo um dia, mas não é feliz. E aí, vai em busca de algo material e fica preso nesse ciclo.

Podemos dizer que nossas atitudes do dia a dia tem alguma relação com o lado espiritual?

Pode ser que sim, pode ser que não. Depende do que você acredita. Eu posso dividir contigo aquilo em que eu acredito. Acredito claramente que a vida é como uma escola: no primeiro dia de aula não sabe muito bem o que vai acontecer ali, você vai aprendendo e passa por provas, desafios, conforme a gente vai andando, você pode aprender ou não. É nisso que eu acredito. Ao longo da vida, você passa por provas e desafios que lhe farão passar direto, ficar em recuperação ou reprovado.

Acredito fortemente que cada um de nós está em um determinado grau de escola. Assim é a humanidade, um monte de pessoas no primário, várias pessoas no ensino médio, uns no ensino fundamental, outros no ensino superior, pessoas mais evoluídas, com desafios maiores, outras pessoas com desafios menores. Tudo dependendo do grau evolutivo daquela pessoa. Então, pra mim, sim, estamos aqui cumprindo um “ano escolar” e eu espero verdadeiramente que isso seja o que eu gosto de fazer, de ajudar as pessoas e elas não quererem ser como o cara do Facebook ou do Instagram que ela viu, mas é ser tudo o que ela poderia e gostaria de ser. É assim que se passa de ano direto.

A tendência da maioria das pessoas é transferir a culpa de algo a alguém. Nesse caso como devemos aplicar a auto responsabilidade?

Tem três áreas de atuação: a primeira são as ações que eu controlo. A segunda são as coisas que eu influencio com as minhas ações. E a terceira é aquilo que eu não controlo. A melhor forma de mudar a sua vida é focando naquilo que você controla e no máximo que você influencia. Todas as vezes que você deixa a sua vida, o seu destino para aquilo que você não controla, você terá frustração e dor.

A auto responsabilidade é trazer para si a responsabilidade por suas ações. O desdobramento delas não cabem a você, mas uma coisa é fato, quando deixo a minha vida nas mãos de outras pessoas eu tenho que entender que é como se fosse entrar em um trem que não sei para onde vai. Ter a auto responsabilidade é escolher o trem em que vou viajar.

E se eu bater com ele e for parar em outro lugar, a responsabilidade é minha. O ruim disso é que é pesado entender que a responsabilidade é sua. O bom é que se você chegou até aqui você pode ir para qualquer outro lugar. Ou senta de passageiro e espera e segue para onde tem que ir, mas depois não reclame.

Com a correria do dia a dia, é cada vez mais comum encontrarmos pessoas que mal conseguem tempo para respirar. Então, o que fazer para otimizar o tempo?

Esse é um tema que eu gosto de falar. O problema é que as pessoas confundem o que é ser ocupado e o que é produzir. Elas passam, às vezes, a maioria do tempo respondendo mensagens no WhatsApp, pagando contas, indo ao mercado, entre outras coisas, Chegam no fim do dia e dizem: “o tempo voou e eu não fiz nada”. A verdade é que ela até fez. Não é que ela não fez nada, ela só se ocupou. Se ocupar não é produzir, isso é como enxugar gelo. Produzir é realizar algo que você quer para a sua vida, para o seu futuro.

Quando ensino aos meus alunos, direciono-o a ter clareza para onde ele quer ir. A partir daí, estabeleço ações que preciso fazer neste dia que me levam ao lugar onde quero ir. Então, o que frustra as pessoas não é o volume de tarefas, pois o volume é o mesmo para todos justamente porque o dia tem 24 horas e elas não vão acabar. A diferença entre um aluno meu, da Academia da Produtividade ou que lê o livro “Produtividade para quem quer tempo”, que tem o direito autoral todo revertido para o combate à fome infantil, por exemplo, e uma pessoa comum ou uma empresa é que as pessoas que tem técnica de produtividade avançam na direção que elas querem, então elas não tem a sensação de girar no mesmo lugar. Quando você tem o senso de que a vida está progredindo vai embora a frustração e a sensação que fica é de que a vida está valendo a pena.

Durante muito tempo se tratava vida pessoal de um lado e carreira de outro. Hoje, com o avanço da internet e das exigências do mercado, a realidade é outra. Com isso, pessoas desenvolvem doenças como a Síndrome de Burnout. É possível evitar isso?

Isso é um desafio da vida moderna. Não consigo imaginar hoje você falar: “tem que deixar os problemas do trabalho no trabalho e os de casa em casa”. O ser humano é único, cada vez mais a vida profissional e pessoal é uma só. Tudo acontece na palma da sua mão, no seu celular. Cada vez mais escutamos sobre a Síndrome de Burnout, excesso de trabalho, estresse, pessoas esquecendo nomes. O profissional que deveria falar sobre isso é um psicólogo, mas eu faço questão de frisar que, obviamente, existem formas de controlar isso.

Vou dar uma única dica para minimizar isso: tenha linhas de chegada. Se você as estabelecer você terá uma vida mais tranquila. Por exemplo, eu e minha esposa somos sócios. Nós estabelecemos que depois que passamos da linha do portão do trabalho, começa a vida do Gerônimo esposo, pai, entre outras coisas. Temos que entender que exercemos vários papeis na vida e se você estabelece essas linhas de chegada, com certeza, diminuirá as estafas.

Por quê? Porque naquele momento eu não serei mais empresário, eu serei pai, por exemplo. Quando consigo dar limites e linhas de chegada para cada atividade, eu consigo vivenciar cada papel por vez. Duas dicas valiosas: tome um papel por vez e determine uma linha de chegada, e dar atenção plena para aquele momento.

Relacionamentos, seja de qualquer instância, também estão sendo desfeitos por causa do excesso de trabalho. O que você diria a esses verdadeiros workhalolics?

Eu tenho duas coisas para dizer às pessoas que trabalham demais ou em excesso: muitas delas trabalham muito por amor, pois acreditam que essa é a melhor forma de dar amor aos filhos, à esposa, ao esposo, dependendo do tipo de relacionamento que conduzem. Existem cinco linguagens do amor, e em uma delas é o ato de serviço, em que elas amam ao servir. No caso do workaholic, ele está apenas amando a sua família, pois é a forma que ele tem de expressar esse sentimento.

Ter conversas claras entre os entes e dizer a forma que se sente amado. Eu, por exemplo, não me sinto amado quando a Patrícia, minha esposa, trabalha tanto. Me sinto amado quando a gente senta, conversa, bate um papo, quando há o contato físico. Acordos claros, conversa franca, é muito importante, pois do outro lado pode ter uma pessoa frustrada no relacionamento porque o outro não dá atenção, e do outro lado você tem uma pessoa que acredita que está dando tudo o que pode para fazer esse relacionamento dar certo.

A segunda coisa é estabelecer um momento para vocês. Por exemplo, eu e a minha esposa temos na sexta-feira “a noite do casal”, em que saímos sem filhos. Só nós dois. Não em tempo de pandemia, mas quando saímos da empresa a noite é nossa. Nos divertimos, jantamos fora, vamos ao cinema, lemos livros, conversamos, e no outro dia voltamos às nossas atividades normais, voltamos a ser pais. Ter esse momento dentro do relacionamento é fundamental.

Você acredita que um profissional gabaritado, com muitos anos de experiência no mercado, consegue realizar um processo seletivo sem levar em conta suas escolhas pessoais?

Se você quiser minha opinião honesta, acredito que a isenção plena é uma utopia. Lembro quando eu dava aulas de direito, que faz parte do meu passado, nós dizíamos que o juiz tem que ser parcial e que ele precisa ficar “no meio do caminho”. Mas é muito difícil o ser humano ser imparcial, pois ele tem uma programação mental, que é fruto de todas as conexões neurais que ele fez ao longo da vida dele. Aquela programação, por mais que ele busque fazer uma decisão isenta tem todos os frutos se ele está diante de uma suposta agressão física por parte da mãe ou do pai, por exemplo, talvez ele puna mais aquela pessoa, mas ele não percebe. Isso não é racional.

Existem vários estudos que demonstram que pessoas que não tem nenhum tipo de preconceito externo na fala delas, mas quando fazem um teste simples eles acabam associando o trabalho ao homem e ficar em casa à mulher. As armas ao negro e não armas ao branco. Como o estudo mostra isso? Todas as vezes que ele precisa correlacionar uma coisa a outra, ele faz de forma mais rápida as coisas positivas de trabalho ao homem e coisas negativas e de casa ao negro e a mulher. Ele tem em um nível abaixo da consciência tem todo o histórico de onde ele foi criado. Então, se me perguntar se o ser humano consegue ser completamente isento, eu não acredito. Por isso somos seres humanos.

Geronimo-Telm
Foto: Divulgação

A maioria das pessoas busca um coach para a compreensão de seus problemas e resolução de suas questões. Portanto, se a orientação vai mal, o resultado pode ser catastrófico, certo?

Tecnicamente falando, as pessoas que precisam resolver suas questões emocionais e pessoais deveria buscar um psicólogo. O coach, na verdade, é um profissional capacitado a aplicar ferramenta para ajudar a pessoa a ter mais clareza para a vida dela, definir o caminho de como chegar ao que ela acabou de ter clareza, caminhar em direção àquilo, ter consistência e, finalmente, conquistar o que ela quer, de forma alinhada com o que seus valores e talentos dela. Um coach deveria ser procurado hoje para isso, principalmente para ter foco e aumento de desempenho.

O profissional também ajuda na tomada de decisões, pois ele tem uma série de ferramentas que dão clareza nessas situações. Agora, se há problemas pessoais, dificuldades comportamentais, uso de drogas, traumas, entre outras coisas, o mais recomendado é um psicólogo ou um psiquiatra. Mas considerando uma pessoa com sua plena capacidade mental, não consigo imagina-las não tendo grandes conquistas e que não sejam ajudadas por um coach .

Vemos isso no campo esportivo, comentaristas olímpicos, na área de saúde, por exemplo, tem pessoas que atuam na área oncológica, ajudando o paciente a ter uma meta, ter mais resiliência, ter foco, definir meta para passar pelo tratamento sem ser absorvido com ele. São tantas áreas de atuação do coach que é até difícil descrever.

Por conta do novo coronavírus, anunciado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como pandemia, muitas pessoas estão evitando contatos físicos, sair às ruas e empresas trabalham em regime de home office. Com isso, corremos o risco de atrapalhar nossa produtividade ou causar estagnação criativa?

Com certeza pessoas que nunca tiveram uma experiência em trabalhar home office vão ter o maior desafio. Mas a maior dica que posso dar a essas pessoas é: tenham uma rotina dentro de casa. As pessoas, em geral, estão em casa e tem uma rotina da casa. Exemplo, quando estamos em casa no sábado e domingo, nem sempre levantamos logo. E quando você trabalha em home office é necessário que tenha uma rotina de trabalho, de forma consciente e auto responsável.

Coloque o despertador para funcionar, levante da cama, tome o seu banho, tome seu café, coloque sua roupa e vá malhar (dentro de casa, claro!). Segundo, estabeleça um local para trabalhar. Terceiro, faça acordos com sua família, explique aos seus filhos, por exemplo, a partir de que horas você estará disponível. Se seguir essas regras você terá uma produtividade melhor.

Como podemos ser mais assertivos em nossas decisões?

No coaching, temos um termo chamado “perdas e ganhos” para tomadas de decisões. Se você me perguntar hoje, por exemplo, se deve ou não deixar o seu emprego eu te perguntaria: “Qual decisão tem mais força em você hoje?”, daí você vai me responder o que você ganha e perde por deixa-lo.

O que você ganha em permanecer em seu emprego, pois muitas pessoas ficam por conta dos “ganhos secundários”, que é o contato com um colega de trabalho, benefícios, entre outras coisas. São quatro cenários analisados. Assim, conseguimos avaliar e desbloqueamos o ganho secundário. É complexo. Então, se me perguntar como tomar decisões? Procure um coach capacitado, formado por uma entidade séria, como é o Instituto Gerônimo Thelm (IGT). Talvez esse seja o melhor conselho que eu possa dar.

Em seus discursos, você diz que a felicidade é a união de quatro ações: realização pessoal, profissional, financeira e equilíbrio nas áreas da vida. Como podemos aplicar esses elementos e sermos mais felizes?

Tudo começa pela clareza. As pessoas não param para se perguntar o que precisam para ser feliz pessoalmente, profissionalmente, financeiramente, e simplesmente vão vivendo a vida. A grande maioria, a média, infelizmente, talvez pudesse viver ao som da música do Zeca Pagodinho “deixa a vida me levar”. As vezes, isso acontece dos dois lados. Elas se distraem que elas têm menos do que gostariam e não tem clareza do que querem.

E tem outras pessoas que trabalham muito além e já tem tudo o que precisam para ser felizes, mas elas realmente não conseguem aproveitar o que tem na jornada. Junto com essa regra dos quatro elementos da felicidade temos a regra que é tão importante ou mais que elas, que não é minha, é de outros pensadores, vem até do budismo, que diz que a “felicidade não é uma linha de chegada, ela é o próprio caminho”. Isso significa que ela não é uma conquista, é a plenitude e o contentamento do que você vive hoje.

Então, quer ser feliz? Comece a agradecer, a olhar para o lado e perceber o que você já tem de bom nesse momento. Não confunda a Síndrome de Poliana, que fica feliz com tudo, com um contentamento do que você tem. O desejo tem que ser uma “mola” propulsora para alcançar o que você quer na vida, mas não a esperança de que aquilo vai te trazer a felicidade. Felicidade não está para a realização de desejo. Ela está muito mais para contentamento e plenitude do que você tem hoje.

E o que é necessário para fazer os nossos dias valerem mais?

Acredito fortemente que todo projeto é criado para dar certo. Escrevemos um livro para ser vendido, entramos em um emprego para dar certo, criamos um negócio para vender, entre outras coisas. Nós somos um projeto. Um projeto de alguém, de Deus, para mim; da natureza para quem é ateu. Se caminharmos na direção do que queremos ser estaremos no caminho de dar certo. E o que é dar certo? É o propósito de quem me criou. E quem me criou tem um propósito.

O propósito das pessoas, em geral, são os talentos. Todos nós sabemos fazer algo melhor que os outros. E eu diria que como somos projetos, os talentos nos mostram para o que fomos criados. Em minha opinião, a vida é simples, somos nós quem complicamos. Ao longo de nossa jornada, temos o propósito de evoluir como espécie, como humanidade. E durante essa trajetória de evolução vou colocar meu talento à disposição das pessoas. De forma remunerada com meu trabalho ou de forma gratuita para as pessoas que eu possa ajudar. Enquanto eu evoluo na vida em aproveito para minimizar a dor das pessoas ao meu redor. Se fizer isso em uma jornada, provavelmente você terá uma vida que deu certo.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Paulo Mendes Peçanha: A covid-19 continua, o caminho é a prevenção

A ES Brasil entrevistou o especialista Marcelo Vitorino, professor e consultor de marketing político com mais de 20 anos de experiência em campanhas eleitorais de todos

Marcelo Vitorino – Eleições: O que fazer e o que não fazer

A ES Brasil entrevistou o especialista Marcelo Vitorino, professor e consultor de marketing político com mais de 20 anos de experiência em campanhas eleitorais de todos

Direito dos empregados em caso de falência da empresa

Já se passaram 5 meses desde o início do decreto de isolamento social no Espírito Santo decorrente da pandemia provocada pelo COVID-19. Nesse período...

Falência na pandemia: o que diz a lei

Já se passaram 5 meses desde o início do decreto de isolamento social no Espírito Santo decorrente da pandemia provocada pelo COVID-19. Nesse período...

Porto de Imetame: diretor fala sobre diretrizes após aval da União

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, assinou o termo aditivo autorizando a conclusão das obras do Porto Imetame, localizado no município de Aracruz

Advogada traz panorama sobre as relações de aluguel durante a pandemia

A pandemia do novo coronavírus e o consequente isolamento social a que as cidades e Estados estão submetidos promete trazer consequências para toda a...

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Fique por dentro

Bruno: espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

"A medida que está reduzindo auxílio e aterrissando no Bolsa Família, a economia vai retomando", disse o secretário do Tesouro

MJ leiloa 434 cabeças de gado usado para lavagem de dinheiro

Segundo o ministério, o leilão é resultado da alienação antecipada decretada pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. "Falha nossa"

Vida Capixaba

Papai Noel em formato digital

Imagine o seu filho(a) receber uma mensagem do Papai Noel pelo whatssap ou poder interagir com realidade virtual?. Essa é novidade do shopping Boulevard, aposta para o natal desse ano

Sabores da Terra começa dia 26 na Praça do Papa

Feira sabores da terra reúne 715 empreendedores de diversos setores do Estado no próximo dia 26

Influenciadores digitais criam e-book sobre Espírito Santo

Um E-book com informações turísticas do Estado foi elaborado por um grupo de nove colaboradores. O livro digital intitulado “Conheça o ES” reúne informações dos 78 municípios do Espírito Santo

Cuidados da Mente: novo modelo de negócio na saúde mental

Grupo investe em novo modelo de negócio para atendimento em saúde mental, apostando em diagnósticos mais precisos e diminuição no número de internações
Continua após publicidade