24.4 C
Vitória
terça-feira, 29 setembro, 2020

Empreender no Brasil – vocação ou necessidade

Mais Artigos

Desmatamentos & queimadas ilegais: não faltam leis, mas consciência e atitudes!

Isto tudo ocorria sob o olhar omisso do poder estatal, óbvio, diante dos interesses que circundavam as florestas naturais e, ainda, se mantém até os dias atuais

Economia brasileira: vítima dos personalismos de governo

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6 Por Arilda Teixeira Aqueles que acreditam que a combinação de república democrática com economia...

Cuidado com a imagem da sua empresa!

Uma organização, pequena ou grande, está baseada primordialmente naquilo que é o seu objetivo

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus

Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas

Pesquisas demonstram que o Brasil é, historicamente, um dos países mais empreendedores

Momentos de crise, especialmente econômica, traz à tona a figura do empreendedor e de sua capacidade criativa na formulação de ideias e na construção de negócios. A situação derivada da pandemia – no Brasil e no mundo – reclama uma reflexão acerca da importância do empreendedorismo.

Joseph Alois Schumpeter foi um dos economistas mais influentes do século XX. Nascido em 1904, é dele a concepção do protagonismo dos indivíduos que possuem negócio, os empresários, na dinâmica econômica. Esse empreendedor é inovador em suas várias possibilidades. Novo produto, novo método de produção, novo mercado, novas fontes de matéria prima, novos modos de organização econômica. A percepção dos grandes ciclos econômicos, que tudo nasce, prospera e morre é passível de ser alterada por esse empreendedor pelo seu processo de destruição criativa. Onde todos veem o fim, ele enxerga o começo.

Pesquisas demonstram que o Brasil é, historicamente, um dos países mais empreendedores, contudo, numa distinção entre empreender por “oportunidade” ou por “necessidade”, no nosso caso cerca de 40% são por necessidade e não por oportunidade. Assim, é inegável a importância do empreendedor na realidade nacional e sua expressividade tem aumentado. Segundo o IBGE, em 2017 as micro e pequenas empresas geravam 30% do PIB.  Entre 2006 e 2019, geraram 13,5 milhões de empregos, enquanto as Médias e Grandes perderam 1,1 milhões de postos. Esse fato faz com que o empreendedorismo brasileiro tenha muita reprodução de ideias e pequenas inovações, do que grandes inovações. O desempregado que parte para um negócio próprio tem como principal preocupação a geração de renda para sobrevivência. E, muitas vezes, sem capital ou formação para a nova atividade, elevando-se o risco do negócio. O empreendimento inovador precisa, em geral, de melhor formação, de maior capacidade econômica e de avantajada rede social. O empreendedor brasileiro criou, por exemplo, start-ups inovadoras e até unicórnios de valor de mercado bilionário. Mas, nesse momento é o pequeno e médio empreendedor que está tem agruras que o levam a pensar como sair da crise pós-Covid.

Como, num momento de perdas econômicas, pagar os impostos, os empréstimos, os funcionários, os custos e, ainda, garantir seu sustento? Hora de cada um dos interessados ajudar na solução para manter vivo o empreendedor brasileiro, um eterno sobrevivente.

A realidade que ora vivenciamos é assaz complexa. E o equacionamento e a construção de um plano de ação deve levar em conta essa complexidade. A criatividade e solidariedade deverão prevalecer numa relação entre os níveis de governo, acadêmicos, empreendedores, grandes empresas e a sociedade civil. Economia, Finanças, Sociologia, Antropologia e Ciência Política serão, todas, especialidades e conhecimentos que poderão, em parceria, dar contribuições aos empreendedores brasileiros que, por si só, já são vencedores num país que, muitas vezes, constrange ao invés de favorecer o empreendedorismo. O momento é de somar e não de dividir; de humildade; de comprometimento com à vida e com a retomada da atividade econômica no país.

Denis Forte é Professor de Finanças Comportamentais do Programa de Pós Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Rodrigo Augusto Prando é Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp.

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Economia: pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Broadcast

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

O 3º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado hoje (22), em Brasília, pela Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), foi estimado em 61,6 milhões...

Valor Bruto da Produção Agropecuária deve ser recorde de R$ 823 bi, diz CNA

Outros fatores que podem influenciar o indicador do setor são o aumento de 4,3% na produção, a alta de 18,7% nos preços

Vida Capixaba

Retorno de cirurgias eletivas impulsiona crescimento das plásticas

O aumento da procura por cirurgias atinge todas as faixas etárias e principalmente os jovens.

Doenças tireoidianas no idoso e a associação entre Covid-19 e a tireoide fazem parte de evento científico

De 30 a 31 de outubro ocorrerá o 19º Encontro Brasileiro de Tireoide (EBT), pela primeira vez online, em razão da pandemia da covid-19....

Cirurgia inédita no Estado para tratar tumores de pulmão

O procedimento é inovador! Chamado de lobectomia uniportal por vídeo, o procedimento será realizado no dia 26 de setembro. 

Farol Santa Luzia e Igreja do Rosário são reabertos com novas regras de visitação

A reabertura dos pontos turísticos capixabas acontece aos poucos e na última quarta feira (23) mais dois, localizados em Vila Velha, reabriram para visitação depois de ficarem fechados por meses, em consequência da pandemia do novo Coronavírus.