24.6 C
Vitória
quarta-feira, 3 junho, 2020

Economia aquartelada

Leia Também

Prazo de pagamento da taxa do Enem é prorrogado

Segundo o Inep, mais de 5,7 milhões de pessoas já tiveram suas inscrições confirmadas. E a expectativa é que 300 mil inscritos paguem a taxa de inscrição do exame.

Venda de veículos novos sobe 11,6% em maio ante abril, diz Fenabrave

Em maio, segundo mês de concessionárias fechadas em vários Estados, as vendas somaram 62,2 mil unidades, alta de 11,6% em relação a abril.

Estado tem mais de 15 mil infectados pela Covid-19

Chegou a 15.151 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Espírito Santo, segundo o “Painel Covid”.

Viana contará com Guarda Municipal armada

Ao todo, 29 agentes estão sendo treinados para realizar o combate à criminalidade, na segurança do patrimônio público, e a organização do trânsito, conforme explicou o prefeito Gilson Daniel.

As atitudes de Bolsonaro mostram que ele não entendeu que Presidente não é Deus. Capitão não é Presidente. Economia não é quartel.


Por isso personifica seu Governo; adota protocolos militares no relacionamento com seus ministros generais; e trata a economia como a dispensa do quartel – que conta com um habilidoso e disciplinado Tenente para gerenciar o fluxo de suprimento.

Esses erros de interpretação explicam os absurdos que se tem visto na cúpula do Poder Executivo Federal, que vão desde ministros desmentindo o Presidente; até os mandos e desmandos de ministros com demissões.

Ao fim das contas, tem-se gerado ruídos demais e resultados de menos. Enquanto isso, a economia brasileira permanece travada. E para destravá-la serão necessárias mudanças estruturais, que precisam do emprenho e liderança do Chefe de Estado para propô-las, negociá-las, e defendê-las no Parlamento como um Projeto de País.

É o que cabe a um Estadista – o que o Capitão-Presidente não é.
Ele não controla seus ministérios – é pública a confusão no MEC, no Itamaraty, dentre outras.

Mesmo sendo o postoipiranga, o Ministério da Economia mais apaga fogo do que avança em reformas. Esta é uma situação que preocupa porque além da agenda de reformas internas, há uma agenda externa também desafiadora – baixo crescimento dos países desenvolvidos, consequentemente, queda no volume de comércio dos países em desenvolvimento – e as diretrizes de política externa apontadas pelo Chefe do Itamaraty parecem subestimar o impacto dessa agenda para a economia brasileira.

Como o protecionismo tem ganhado apoios após o fracasso do multilateralismo em melhorar as condições socioeconômicas dos países, as transações internacionais enfrentarão uma era de obstáculos, que imporão desafios à inserção externa: convencer os nacionalistas/protecionistas de que a complementariedade da oferta doméstica com importação é também uma forma de ser nacionalista, porque é um meio de garantir acesso aos bens e serviços de que precisam.

Tarefa hercúlea porque inserção externa, além de canal para acesso a bens e serviços, é também, e principalmente, passaporte para galgar poder político nas negociações internacionais.

China e Rússia – aspirantes a Potências Hegemônicas – não baixarão a guarda para EUA e União Europeia (EU), e manterão o flerte com Irã e Turquia, para resguardarem poder de ameaça sobre EUA e UE. Será um embate entre economias das democracias ocidentais e economias das autocracias asiáticas e euroasiáticas, através de protecionismo, para alcançar poder geopolítico.

A saída do Reino Unido do Mercado Comum Europeu (BREXIT), agrava o impasse internacional. Suas consequências são difíceis de dimensionar, devido a multiplicidade de resultados possíveis, mas se for efetivada, certamente acirrará o protecionismo.

São situações complexas, que exigirão habilidades diplomáticas para negociar os canais de acesso à cadeia produtiva mundial que estarão sob disputas geopolíticas; e eficiência alocativa para alcançar a competitividade necessária para inserção naqueles mercados.
Assim sendo, crescimento econômico com competitividade, associado a neutralidade e habilidade diplomática para negociar, são os elementos-chave para assegurar a participação do Brasil no mercado mundial.

Uma possibilidade distante para uma Economia Aquartelada.


Arilda Teixeira – Economista e professora da Fucape

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_176
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção industrial cai 18,8%

A produção industrial caiu 18,8% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Venda de veículos novos sobe 11,6% em maio ante abril, diz Fenabrave

Em maio, segundo mês de concessionárias fechadas em vários Estados, as vendas somaram 62,2 mil unidades, alta de 11,6% em relação a abril.

Cooabriel inaugura unidade em Montanha

O objetivo da nova unidade é atender às grandes solicitações de sócios e produtores, além de expandir a cultura do café conilon na região.

Governo publica MP que pode destravar crédito às pequenas e médias empresas

Os bancos já emprestaram mais de R$ 900 bilhões em recursos novos, renovações e suspensão de parcelas de empréstimos.

Vida Capixaba

Viana contará com Guarda Municipal armada

Ao todo, 29 agentes estão sendo treinados para realizar o combate à criminalidade, na segurança do patrimônio público, e a organização do trânsito, conforme explicou o prefeito Gilson Daniel.

Novas regras adotadas para o comércio a partir desta segunda-feira (1º)

As novas regras para galerias, centros comerciais, academia, shoppings e restaurantes de Vila Velha foram publicadas no Diário Oficial do município desse domingo (31).

Lugar de homem é na cozinha

A arte de combinar ingredientes e temperos tem atraído mais e mais homens Em restaurantes ou em ambientes domésticos, é cada vez mais comum ver...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda (1º)

De acordo com a secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos, Lenise Loureiro, a decisão foi tomada durante uma reunião da Sala de Situação de Emergência em Saúde Pública do Estado, realizada hoje. 
Continua após publicidade